PUBLICIDADE

Amazônia do Poente à Aurora: expedição registra a impressionante biodiversidade da floresta na escuridão 

Amazônia do Poente à Aurora: expedição registra a impressionante biodiversidade da floresta na escuridão 

*Por Suzana Camargo

O sol se pôs e a escuridão toma conta da maior floresta tropical do mundo. Aos poucos, os sentidos vão se tornando mais aguçados. A umidade gruda na pele e os sons dos animais começam a se tornar mais distintos para os ouvidos. Os olhos vão se ajustando à falta de luz e os pés vão caminhando cuidadosamente pelo terreno irregular. Mas quando o flash da câmera é acionado, um novo mundo, pulsante e colorido, se descortina frente aos pesquisadores brasileiros da expedição Amazônia do Poente à Aurora.

Realizada em outubro de 2021, com financiamento da National Geographic Society e apoio do Museu Emílio Goeldi, a expedição colaborativa liderada pela equipe do Projeto Mantis na Floresta Nacional de Caxiuanã, no Delta do Amazonas, no Pará, teve duração de um mês.

Entre seus principais objetivos estava não apenas buscar novas espécies de louva-a-deus e estudar o comportamento desses insetos — principal foco do projeto —, mas também revelar a deslumbrante vida noturna da Floresta Amazônica e utilizar metodologias de forma inovadora para documentar novos aspectos da biodiversidade.

“As noites são mais frescas e calmas. Caminhando devagar, vamos aos poucos revelando a floresta à nossa volta com as lanternas. A sinfonia de anfíbios e insetos é incrível. Há mistério e eletricidade no ar. Nunca se sabe o que nos espera ao longo da trilha”, diz Lvcas Fiat, diretor criativo do Mantis.

“Costumamos dizer que deixar de visitar os ecossistemas à noite é como fechar os olhos a 50% das belezas do nosso planeta. Poucos sabem, mas é à noite que a floresta tropical é mais viva, com abundância de seres, de insetos a grandes mamíferos. Cores, formas, sons espetaculares que raramente se vê de dia”.

Amazônia do Poente à Aurora: expedição registra a impressionante biodiversidade da floresta na escuridão

Louva-a-deus amazônico do gênero Raptrix, prestes a levantar voo. Entre os louva-a-deus, é comum que apenas os machos adultos voem – na maioria das espécies as fêmeas têm asas curtas ou não têm asas. (Foto: Projeto Mantis)

Amazônia do Poente à Aurora: expedição registra a impressionante biodiversidade da floresta na escuridão

Jequitiranaboia, um inseto intrigante e cercado de mitos, porém inofensivo aos humanos. Alimenta-se da seiva de plantas. Por conta da aparência, é também conhecido como cigarra-cobra.
(Foto: Projeto Mantis)

Do Poente à Aurora é a terceira grande expedição dos pesquisadores do Projeto Mantis desbravando a escuridão. A primeira delas foi a Mabán, que ocorreu na Amazônia peruana em 2019, também com financiamento da National Geographic. E no ano passado houve ainda a Austral, na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Cristalino, ao norte do Mato Grosso, que contou com o apoio do Greenpeace Brasil.

“Nos últimos anos temos nos voltado à Amazônia, um caminho que surgiu naturalmente. Afinal, é a maior floresta tropical do mundo. Na busca por novas espécies de louva-a-deus, era natural que fôssemos parar lá, e nos apaixonamos”, revela o biólogo Leo Lanna, fundador do projeto.

Como resultado dessas três empreitadas, uma nova espécie de louva-a-deus foi descoberta e outras duas estão em processo de descrição.

Pertencente ao gênero Microphotina, a nova espécie possui o corpo verde translúcido e seu nome científico, que não pode ser revelado até sua publicação oficial em artigo, será uma homenagem à RPPN Cristalino e à importância dela na proteção daquele trecho de floresta por onde passa o Rio Cristalino.

Amazônia do Poente à Aurora: expedição registra a impressionante biodiversidade da floresta na escuridão

Espécie de louva-a-deus do gênero Microphotina, descoberta na RPPN Cristalino, no norte do Mato Grosso
(Foto: Projeto Mantis)

Lanna suspeita que a espécie viva no dossel, região das copas das árvores praticamente inacessível, onde estudos anteriores já revelaram que há uma enorme e (des)conhecida diversidade de insetos.

O casal de biólogos Silvia Pavan e Pedro Peloso também fez parte da expedição. Pesquisador do Programa de Capacitação Institucional do Museu Paraense Emílio Goeldi, ele já esteve envolvido na descrição de mais de 30 espécies de animais, a maioria delas da Amazônia.

“As minhas expedições sempre acabam contemplando dia e noite, pois temos espécies de anfíbios e répteis noturnas e diurnas. No caso da Amazônia do Poente à Aurora focamos muito nessa questão dos animais noturnos e no ambiente”, diz Peloso.

Equipe da expedição Amazônia do Poente à Aurora observa e fotografa um louva-a-deus
(Foto: ECO360)

Inseto do grupo dos fulgoromorfos, que inclui cigarras, cigarrinhas e soldadinhos. Muitos jovens desse grupo produzem esses filamentos de cera
(Foto: Projeto Mantis)

Ciência, arte e tecnologia em prol da conservação da Amazônia

A lente das câmeras do Projeto Mantis não está voltada para os grandes animais da Amazônia, aqueles com os quais em geral o grande público está mais familiarizado. O foco aqui são os de menor porte, que, justamente por esta razão, muitas vezes passam despercebidos pelo olhar e pelas políticas de conservação.

E isso é algo que, com o auxílio da arte e da tecnologia, esses brasileiros querem mudar. Como tanto Fiat quanto Lanna são fotógrafos, os dois usam essa experiência para registrar o que encontram na floresta. Eles explicam que, muitas vezes, é possível fazer uma foto de altíssima qualidade com equipamentos mais simples. Na mais recente expedição, utilizaram uma câmera com flash externo e um difusor de luz caseiro, que garante o fundo preto, algo característico nas imagens do Projeto Mantis.

“Treinamos muito para que cada um consiga fotografar sem precisar do auxílio do outro. Afinal, ao encontrar um bicho, é muito raro que ele mantenha um comportamento natural sob a luz da lanterna, então tem que ser fotografado rapidamente, não dá pra esperar outra pessoa vir ajudar na iluminação, por exemplo”, diz Lanna.

Um louva-a-deus-folha-seca do gênero Metilia. Encontrados na Amazônia, esses louva-a-deus são extremamente camuflados. O macho possui asas idênticas a uma folha em decomposição
(Foto: Projeto Mantis)

Louva-a-deus do gênero Anamiopteryx
(Foto: Projeto Mantis)

Um close-up de altíssima qualidade pode revelar, por exemplo, a disposição de características do animal — como fileiras de espinhos, algo essencial na documentação científica e que pode acelerar e tornar mais fácil o processo de descrição de novas espécies, que em geral pode levar anos e requer ainda análises em laboratórios.

É o caso da técnica da fotografia de luz ultravioleta, usada durante a exploração noturna na Floresta Nacional de Caxiuanã, que evidencia tanto novas cores como detalhes muito mais minuciosos do animais.

A fluorescência é um fenômeno de emissão de luz (que se manifesta como cor) quando um ser ou material é exposto a determinado comprimento de onda. “Seres humanos não enxergam o ultravioleta, mas tem se descoberto mais e mais animais que enxergam. Então, quando estudamos o comportamento desses animais, como interação entre presas e predadores, corte de acasalamento e basicamente qualquer comunicação entre seres que tenha o fator visual, é preciso considerar que não existe apenas o espectro de luz que vemos”, explica Lanna.

Já há registros científicos, por exemplo, dos casos de uma planta carnívora e uma espécie de aracnídeo em que a fluorescência ultravioleta é importante na obtenção de alimento para a primeira e no acasalamento para o inseto.

A fluorescência de um opilião sob luz ultravioleta. Usando técnica, é possível revelar cores antes escondidas
(Foto: Projeto Mantis)

Sapo-de-chifres-da-amazônia (Ceratophrys cornuta). Esses anfíbios se camuflam perfeitamente no chão da floresta, cobertos de folhas secas e galhos
(Foto: Projeto Mantis)

Aproximando a ciência do público leigo

Em abril de 2022, após um hiato de dois anos por causa da pandemia de covid, foi realizado novamente o grande evento global TED Conference, agora em Vancouver, no Canadá. Com o tema “A New Era —  Possibilidades extraordinárias com as quais não poderíamos sonhar e que já são uma realidade”, entre os quase 70 palestrantes, que contavam com nomes como Bill Gates, Al Gore e Elon Musk, estavam os brasileiros do Projeto Mantis, também convidados a participar (leia mais aqui).

Durante os dez minutos da apresentação, eles levaram para o palco do TED fotos impressionantes da Floresta Amazônica e de sua fauna noturna. Ressaltaram também a importância do uso da imagem para tornar a ciência mais didática e aproximá-la dos leigos.

“No aluvião de conteúdo e informações que recebemos hoje em dia, engajar as pessoas com ciência e natureza já é difícil. Com insetos então!”, ressalta Fiat “A fotografia de qualidade — e, de forma mais ampla, a arte em suas várias formas — é fundamental para conectar o público, engajar e transformar. Existe um limite até onde uma narrativa ou relato consegue alcançar na imaginação de uma pessoa, em sua conexão ao tópico. E quando se fala de Amazônia ou biodiversidade noturna, nem todos já experienciaram ou viram essas cenas.”

Segundo ele, é muito comum no meio científico que se fale sobre um bicho descoberto, mas, pela falta de boas imagens, os leigos não consigam fazer ideia de como ele é, ou então possuam apenas uma vaga referência sobre ele. Ou ainda, por causa de algum estereótipo, tenham medo dele sem que haja necessidade.

“Uma boa imagem imprime característica e personalidade ao animal, muda a atmosfera e é capaz de gerar transformação. Acontece muito de termos pessoas com grande aversão a cobras que aos poucos vão perdendo esse medo ao observar imagens bem feitas, com uma boa narrativa, mostrando o lado belo desses animais”, diz Fiat.

Para 2023, o Projeto Mantis planeja uma nova expedição, chamada Amazônia Atlântica, que desbravará a Reserva Biológica de Sooretama, no Espírito Santo, uma região do bioma Mata Atlântica que suspeita-se abrigar espécies de louva-a-deus típicas da Amazônia. Lá, os pesquisadores pretendem encontrar prováveis espécies novas, originárias das linhagens amazônicas que ocuparam a costa quando as duas florestas foram conectadas há milhares de anos.

Para o ano que vem, a expectativa é o lançamento do Relicário da Amazônia, que está sendo desenvolvido pelos biólogos documentaristas da ECO360, com entrevistas, histórias, fotografias, vídeos e descobertas feita na expedição à Floresta Nacional de Caxiuanã.

“Queremos que as pessoas possam ter uma experiência imersiva e fazer um tour virtual em 360o na noite amazônica. Estar na floresta à noite traz uma sensação bem diferente. Nossa percepção do ambiente muda, tudo parece maior e mais próximo”, diz Peloso.

Entretanto, apesar de toda a beleza revelada pelo Mantis, os profissionais alertam sobre a devastação em curso na Amazônia e, ao engajar mais e mais pessoas na luta pela preservação, sonham em dar um basta na destruição.

“Cada hectare devastado, cada árvore que cai, está levando junto uma biodiversidade que não se pode recuperar”, alerta Lanna.

Louva-a-deus do gênero Parastagmatoptera
(Foto: Projeto Mantis)

*Texto publicado em 11/10/22 no site do Mongabay Brasil

Foto de abertura: Projeto Mantis (o raro louva-a-deus-pipa (gênero Choeradodis), um inseto emblemático da Amazônia brasileira. Por baixo da camuflagem de folha, exibe cores exuberantes e um formato peculiar, com abas que lembram o formato de uma pipa. O gênero ocorre em florestas tropicais desde a América Central à Amazônia, mas no Brasil é pouco comum encontrá-lo)

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE