Ajude a escolher a ave símbolo da cidade Morretes, no litoral do Paraná!

Aos pés da Serra do Mar, no litoral paranaense, Morretes encanta por sua natureza preservada,  seu ambiente histórico e sua gastronomia. O turismo é, atualmente, o maior setor gerador de emprego e renda no município. A Mata Atlântica abriga espécies únicas da fauna e da flora, algumas só encontradas nesse bioma. Para valorizar esse tesouro natural, estimular ainda mais o turismo de natureza e engajar a comunidade na conservação, a prefeitura lançou a campanha para escolha da ave símbolo do município, em parceria com o Observatório de Justiça e Conservação.

Mais do que criar uma identidade – a ave escolhida será agregada aos símbolos oficiais do município -, a iniciativa conectará a população com o meio ambiente, por meio de um exemplo, nativo, conhecido e reconhecível. Vários países têm sua ave símbolo oficializada, bem como unidades da federação e também diversas cidades brasileiras. 

A escolha será aberta ao público, por meio de uma votação on-line. A seleção das espécies foi feita pelos ornitólogos Raphael Sobania e Fernando Costa Straube e pelo guia de observação de aves Luciano Amaral Breves. 

A ideia da campanha é mobilizar a população de Morretes e os apaixonados pela Grande Reserva Mata Atlântica para a consulta pública. Após a votação, será encaminhado um Projeto de Lei para a Câmara Municipal para oficializar a escolha da ave símbolo da cidade. 

“Além de valorizar nosso bioma, esta iniciativa posiciona Morretes como um município que reconhece a importância da conservação do meio ambiente e incentiva o turismo de natureza através da observação de aves, uma atividade essencial para aproximar e sensibilizar as pessoas de questões relacionadas à proteção da natureza , afirma Sebastião Brindarolli Junior, prefeito da cidade.

Os critérios para selecionar os candidatos levaram em consideração a beleza das aves e a presença comum dessas espécies em Morretes, raras de serem vistas em outros locais. As cinco espécies que estão na disputa são tucano-de-bico-preto, pica-pau-de-cabeça-amarela, surucuá-grande-de-barriga-amarela, saíra-militar e bonito-lindo.

“Engajar a população em uma campanha como essa, que envolve o reconhecimento da fauna local, é muito importante por diversos fatores, a começar pela educação ambiental. Quando se divulga uma ou várias espécies, como aqui, você faz com que a população entre em contato com esses exemplares da fauna e passe a respeitar, conhecer e criar um sentimento de pertencimento à região. Também é importante para que as pessoas entendam, desde cedo, que preservando, o turismo vem. Morretes possui uma paisagem e uma exuberância espetaculares, comparáveis aos melhores destinos turísticos do mundo. Mas isso precisa ser valorizado”, ressalta Giem Guimarães, diretor executivo do Observatório de Justiça e Conservação. 

O prazo para votação vai até 31 de agosto! Você pode escolher a sua favorita por meio desse formulário online.

Abaixo você pode conferir as imagens e as características de cada uma das cinco aves concorrentes: 

Tucano-de-bico-preto 

Tucano-de-bico-preto  (Ramphastos vitellinus)

Como não se encantar com essa ave imponente, que leva na plumagem tons de amarelo profundo, preto, laranja e vermelho? Seus olhos azuis contrastam, envoltos por uma faixa vermelha. O grande bico negro, como uma espada, é capaz de quebrar nozes e cocos e também de devorar ovos e filhotes de outras aves. A alimentação variada inclui ainda insetos e aranhas. 

O habitat dessa ave impressionante são as faixas costeiras de Florestas Tropicais. Em Morretes, pode ser avistado se deliciando no alto de coqueiros, palmeiras e árvores frutíferas. Apesar do tamanho, seu bico é extremamente leve. Seu voo não é longo e é feito em linha sinuosa. Gosta de banhar-se na folhagem molhada pela chuva. 

O tucano-de-bico-preto (Ramphastos vitellinus) costuma fazer ninhos em cavidades nos troncos. Põe de dois a quatro ovos. A fêmea choca sozinha, sendo alimentada pelo macho durante o período de incubação.

É a maior de nossas candidatas à ave símbolo de Morretes, com cerca de 46 centímetros de comprimento. 

Pica-pau-de-cabeça-amarela

Pica-pau-de-cabeça-amarela  (Celeus flavescens)

Pica-pau-de-cabeça-amarela

Quem não lembra da música tema do Sítio do Pica Pau Amarelo? 🎵🎵🎵

Essa ave faz parte do imaginário popular e possui um carisma inexplicável.  Seu vistoso topete dá origem à maior parte de seus nomes populares, como cabeça-de-velho, joão-velho, pica-pau-amarelo, pica-pau-loiro e pica-pau-velho. 

A espécie comum em Morretes possui a cabeça e a “cabeleira” amarelas e a plumagem do corpo preta com detalhes brancos, além de uma faixa vermelha na face. 

Um ouvido atento e é possível ouvir o pica-pau-de-cabeça-amarela (Celeus flavescens) batendo o bico nos troncos, em busca de insetos, suas larvas e ovos, formigas e cupins. Uma batida mais intensa também é usada para demarcar território. Se você ouvir um tamborilar rápido “tttrrrrrr” pode ser nosso candidato avisando que a área é dele. 

A ave também se alimenta de frutas e bagas, fartas na belíssima e preservada Mata Atlântica costeira do Paraná. Nosso concorrente também passa seu tempo visitando e tocando várias flores, com a cabeça e o pescoço, assim agindo como polinizador. 

Ele constrói seu ninho cavando em formigueiros e árvores secas, onde põe 2 a 4 ovos brancos e brilhantes. O macho incuba e cuida dos filhotes também. Mede em média 27 centímetros.

Surucuá-grande-de-barriga-amarela

Surucuá-grande-de-barriga-amarela (Trogon viridis)

Apenas preste atenção a todas as nuances dessa ave hipnotizante! A garganta e a porção superior do peito são pretas e as partes laterais apresentam uma coloração azul escuro ultramarino que contrasta fortemente com a barriga amarela. A nuca e as costas são verde esmeralda com reflexos azul arroxeado, ou verde, dependendo dos olhos de quem vê, ou do reflexo da luz. Qual cor você enxerga?

Seus olhos castanhos ainda são rodeados de uma suave plumagem branca, realçando um olhar doce e cativante. 

Mas nem sempre é fácil avistar o surucuá-grande-de-barriga-amarela (Trogon viridis) que prefere a parte alta da vegetação, atrás de frutos e insetos na copa das árvores.

Os casais constroem seus ninhos sempre bem no alto, de 10 a 20 metros acima do solo. Durante o período de reprodução, vários machos podem se juntar a cantar, provavelmente para atrair as fêmeas. A postura é de dois ou três ovos e ambos os pais alimentam os filhotes no ninho. A espécie mede cerca de 30 centímetros de comprimento. 

Saíra-militar

Saíra-militar  (Tangara cyanocephala)

Muitos moradores de Morretes aproveitam a “quedinha” das saíras por frutas doces para atrair os bandos mistos em comedouros nos jardins. Com algumas bananas servidas pela manhã é possível apreciar esses coloridos e animados visitantes todos os dias, especialmente no inverno.

Na floresta, a saíra-militar  (Tangara cyanocephala) come frutas, insetos, larvas, néctar e pólen de flores. São facilmente avistadas se alimentando em pequenos arbustos e até mesmo na vegetação rasteira.

Entre as espécies de saíra presentes na Grande Reserva Mata Atlântica, a militar se diferencia pela faixa vermelho vivo ao redor do pescoço e a coroa azul metálico no alto da cabeça. O corpo apresenta tonalidade verde, com dorso negro e um delicado detalhe amarelo nas asas. 

A reprodução é, normalmente, de setembro a dezembro. Os ninhos, em formato de taça, abrigam três ovos e geralmente são feitos em bromélias e epífitas – aquelas plantas que vivem sobre outras maiores. Macho e fêmea cuidam dos filhotes. A espécie mede entre 10 e 13 centímetros.

Bonito-lindo

Bonito-lindo (Euphonia violacea)

Ele é bonito, ele é lindo! A plumagem traz azul-metálico nas costas, amarelo na testa e nas partes inferiores. 

Essa ave tem uma característica extraordinária. Além de seu canto melodioso, consegue imitar o som de outros pássaros que estão próximos. Um único macho pode imitar, em poucos minutos, a voz de 10 a 16 espécies de aves diferentes. São imitações perfeitas, claro que com sua força vocal reduzida. 

O repertório do bonito-lindo (Euphonia violacea), também conhecido como gaturamo-imitador, faz a alegria dos ornitólogos e observadores de aves porque simplesmente lista toda a avifauna da região em que vive. O macho consegue imitar as vocalizações de espécies variadas como gaviões, papagaios, tucanos e gralhas.

É uma ave social, vive aos pares ou em pequenos grupos e junta-se com frequência a bandos mistos de aves. Come frutos e consome insetos apenas raramente.

Ele é o menor dos candidatos à Ave Símbolo de Morretes. Mede de 11 a 12 centímetros.

Fotos: Raphael Sobania e texto Sandrah Guimarães

Observatório de Justiça & Conservação

O Observatório de Justiça e Conservação (OJC) é uma iniciativa apartidária e colaborativa que trabalha fiscalizando ações e inações do poder público no que se refere à prática da corrupção e de incoerências legais em assuntos relativos à conservação da biodiversidade, prioritariamente no Sul do Brasil, dentre os quais se destacam, a Floresta com Araucária

Deixe uma resposta