A visão de crianças de um novo mundo, pós-pandemia, estampa capas da nova edição da Vogue Itália

Assim, como outras indústrias, a da moda também precisou se reinventar durante a pandemia do novo coronavírus e ajustar seu discurso. No mês passado, como mostramos nesta outra reportagem, a Vogue Itália e a Marie Claire priorizaram suas capas e seu conteúdo editorial para este momento trágico vivido pela humanidade – a primeira delas com uma capa inteiramente branca e a segunda, com o rosto de uma profissional de saúde, ferido com as marcas do contínuo uso da máscara de proteção.

Todavia, é preciso ressaltar que a mudança de tom da Vogue Itália não começou na pandemia. Já veio de antes. Em janeiro, ela lançou uma edição sustentável: sem produção de fotos e figurinos, viagens ou desperdício de plástico e comida. O objetivo era levantar a bandeira da sustentabilidade e também, reconhecer o impacto ambiental causado pelo mercado da moda.

Agora em junho, a Vogue Itália surpreende seus leitores, novamente, de maneira positiva. As oito capas foram desenhadas por crianças, entre 3 e 10 anos.

“Esta edição da Vogue Italia é dedicada às crianças, ao seu novo mundo, que lentamente se forma no final de confinamento. O que restará dos meses de confusão e medos? Que formas (e por que não, que roupas) terão seus sonhos?”, explicou o editor Emanuele Farneti.

Os pequenos artistas se inspiraram nos looks apresentados nas passarelas dos desfiles de moda do final de 2019 e a partir deles, os reinventaram.

Tadzio, de seis anos, que mora em Paris, disse que imagina um mundo cheio de animais. “Eu desenhei um pinguim porque gosto das cores deles, eles andam engraçado e vivem na Antártica”, disse.

A visão das crianças de um  novo mundo, pós-pandemia, são a capa da nova edição da Vogue Itália

Capa do pequeno Tadzio

Ao final de seu editorial, Farnet, que teve seu próprio retrato desenhado pelo filho (imagem abaixo), cita uma frase do artista espanhol Pablo Picasso. “Levei quatro anos para pintar como Raphael, mas uma vida inteira para pintar como uma criança”.

Em uma época tão difícil como a que estamos vivendo, é um bálsamo poder ter o olhar puro, ingênuo, e ao mesmo tempo, tão sábio, de uma criança em nossas vidas.

A visão das crianças de um  novo mundo, pós-pandemia, são a capa da nova edição da Vogue Itália

Vogue britânica homenageia as mulheres

Outra Vogue europeia, a inglesa, também teve a pandemia como foco central da edição de junho, mas sua homenagem foi às profissionais que fazem trabalhos chamados “essenciais”.

Foram elaboradas três capas: uma delas é com uma maquinista de metrô, outra é uma parteira e a última, uma assistente de supermercado.

Todas refletem bem a diversidade e pluralidade da cultura britânica. Elas contam suas histórias e como tem sido seu dia-a-dia em tempos tão obscuros e incertos.

Leia também:
Pacto da Moda: 32 empresas se comprometem a proteger o meio ambiente e a lutar pelo climaIndústria da moda desperdiça um caminhão de tecidos por segundoA moda brasileira feita com lonas de barcos e redes de pesca retiradas do fundo do marVivienne Westwood, designer de moda, faz apelo para que seus consumidores ‘não comprem nada!’

Ilustrações: divulgação Vogue Italia

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta