A poeta, escritora e ativista Maya Angelou será a primeira mulher e negra a aparecer na mais famosa moeda dos Estados Unidos

Professora, escritora, poeta, ativista social. Maya Angelou deixou seu nome e legado na história dos Estados Unidos. Ao longo de sua carreira, produziu mais de 30 obras, entre elas a autobiografia “Eu sei por que o pássaro canta na gaiola”, em que relata as dificuldades de sua infância e juventude no sul americano, enfrentando racismo e discriminação. Angelou foi a primeira mulher negra a recitar um poema na posse de um presidente, uma tradição naquele país, em 1993, quando Bill Clinton tomou posse. Recebeu ainda a Medalha Presidencial da Liberdade concedida por outro presidente, Barack Obama.

Agora a ativista, que faleceu aos 86 anos, em 2014, será também a primeira negra a aparecer na moeda de 25 centavos, o famoso “quarter”. Angelou está de braços abertos e atrás dela há a imagem de um pássaro voando e o sol nascendo. Do outro lado da moeda, estará George Washington.

A moeda com Maya Angelou é a primeira de uma série comemorativa que irá homenagear outras mulheres que foram pioneiras e fizeram história nos Estados Unidos. Até 2025, serão cinco nomes diferentes, por ano. Este ano, além da escritora e poeta, estarão no “quarter” Sally Ride, a física e primeira astronauta americana; Wilma Mankiller, a primeira chefe da Nação Cherokee e ativista pelos direitos dos nativos americanos e das mulheres; Nina Otero-Warren, líder do movimento sufragista do Novo México e a primeira superintendente feminina das escolas públicas de Santa Fé; e Anna May Wong, a primeira estrela de cinema sino-americana em Hollywood, que alcançou sucesso internacional apesar do racismo e da discriminação.

“É uma honra apresentar as primeiras moedas em circulação de nossa nação dedicadas a celebrar as mulheres americanas e suas contribuições para a história americana”, diz Ventris Gibson, diretora do Mint, a Casa da Moeda dos Estados Unidos. “Cada trimestre de 2022 foi projetado para refletir a amplitude e a profundidade das realizações que estão sendo celebradas ao longo deste programa histórico de moedas. Maya Angelou, apresentada no verso desta primeira moeda da série, usou palavras para inspirar e elevar”.

“A obra e o ativismo de Maya Angelou inspiraram inúmeros americanos e seu legado ajudou a alimentar maior justiça e compreensão em nossa nação”, afirma a senadora Catherine Masto, autora do projeto de lei que criou as moedas comemorativas. “Ela é exatamente o tipo de líder que eu tinha em mente quando escrevemos nossa legislação bipartidária para criar essa série honrando as contribuições das mulheres americanas. Esta moeda garantirá que gerações de americanos aprendam sobre os livros e poesias de Maya Angelou que falaram sobre a experiência vivida pelas mulheres negras.”

A poeta, escritora e ativista Maya Angelou será a primeira mulher e negra a estampar a mais famosa moeda dos Estados Unidos, o "quarter"

Wilma Mankiller, a primeira chefe da Nação Cherokee

Leia também:
‘Moeda da Igualdade’ é lançada no Canadá para celebrar 50 anos da descriminalização da homossexualidade no país
Quênia substitui presidentes (e ditadores) por animais em novas moedas
Nova cédula de £50 homenageia matemático, que quebrou código alemão na Segunda Guerra, e foi perseguido por ser gay

Fotos: divulgação Mint e Instagram Maya Angelou

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta