PUBLICIDADE

A perereca que sonhava com o beijo do príncipe encantado e virou almoço

A perereca que sonhava com o beijo do príncipe encantado e virou almoço

Gabriela, meu amor, ouviu um gritinho muito parecido com o miado de um gatinho, só que mais agudo e com pouca intensidade, vindo de uma árvore ao lado de casa. Imediatamente associou à voz de uma perereca ao ser trancada na porta.

Quem ouviu este grito, jamais esquece e já salvou várias pererecas de serem esmagadas; porém, desta vez, a sorte estava do lado do arapaçu.

Ao olhar pela janela, viu que era mesmo uma perereca, e estava sendo traçada pelo pássaro, bem no meio de um tronco de jerivá.

PUBLICIDADE

Há um ano nos mudamos para a Baía da Babitonga, no norte do estado de Santa Catarina, com uma bela floresta ao redor de casa. Durante muito tempo, um arapaçu foi nosso vizinho na Reserva Rio das Furnas, frequentava a nossa casa e passou a dormir no beiral, protegido do frio e das serpentes.

Lá conhecemos o comportamento dessa ave, também conhecida por picapona, por ter o hábito de percorrer os troncos das árvores, sempre na vertical e com a cabeça pra cima, furuncando cascas com seu bico forte, assim como o pica-pau, em busca de larvas, abelhas, moscas, aranhas e escorpiões.

O arapaçu é ave discreta, voa silenciosamente, passando muitas vezes como sombra. No Brasil temos 64 espécies de colorido discreto, que vai do marrom ao verde-azeitona ou ferrugíneo, com riscas ou pequenos pontos brancos. Ao sentir-se ameaçado esconde-se atrás dos troncos e não sai da floresta, onde encontra abrigo seguro.

A perereca que sonhava com o beijo do príncipe encantado e virou almoço

Nem o grito salvou a perereca de virar lanche de arapaçu

O interessante foi presenciar esse pássaro traçando uma perereca! Provavelmente, achou a bichinha dormindo debaixo de alguma bromélia, como é seu hábito durante o dia, já que este anuro costuma andar por aí à noite. O arapaçu batia de um lado para o outro e rapidamente destrinchou o enorme prato, quase do seu tamanho. Nem se importou com a nossa presença e, logo após o rango, voou para uma árvore ao lado e estacionou, eriçou as penas e deu um tempo, parecia fazer a “siesta”…

Me aproximei cada vez mais, em busca de bons ângulos para foto e cheguei mesmo a entrar no seu raio de segurança, e ele nem aí. Estava farto e sem o mínimo de vontade de se mexer.

Ficou assim, estático, por um longo tempo, até sair para outra árvore e recomeçar a fuçar debaixo de uma bromélia, arremessando pedaços de folhas e cascas para todo lado.

Parece que a perereca só tinha aberto o apetite de nosso vizinho!

A perereca que sonhava com o beijo do príncipe encantado e virou almoço

O arapaçu-de-garganta-branca (Xiphocolaptes albicollis) mede entre 27 e 33 cm de comprimento
e pesa entre 110 e 130 gramas

O arapaçu-de-garganta-branca é o maior dentre a sua família, a dendrocolaptídeo: ele pode ser observado no sudeste e sul do Brasil, ocorrendo desde a Bahia e Minas Gerais até o Rio Grande do Sul

Leia também:
Pintadinho, puro brasileiro de plumagem inconfundível
Colisão de aves nas janelas? Nunca mais!
E afinal, bico-de-agulha é beija-flor ou não é?
A estratégia inusitada do rapazinho-do-chaco para escapar dos predadores

Fotos: Renato Rizzaro

Comentários
guest

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ana maria Agra
1 ano atrás

Nossa! Triste notícia.

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE