A incrível história do jovem que nasceu sem parte do braço e aprendeu a criar próteses com peças de Lego

A incrível história do jovem que nasceu sem parte do braço e aprendeu a criar próteses com peças de Lego

David Aguilar nasceu com uma condição genética muito rara, a síndrome de Poland, que afeta a região torácica e provoca o subdesenvolvimento ou ausência do músculo peitoral maior de um lado do corpo. Em seu caso, ele não possui o antebraço direito. Mas nem por isso, jamais se sentiu incapacitado ou desmotivado em relação aos desafios da vida. Pelo contrário, desde os nove anos, apesar de sofrer bullying na escola, o menino já desenvolvia sozinho, com peça de montar Lego, próteses para seu braço.

“Lego foi meu primeiro brinquedo quando criança, parecia que você poderia construir uma quantidade infinita de coisas. A imaginação era o único limite!”, relembra.

Desde então, David já construiu diversas próteses. Todas feitas com pequenos blocos. Aos 17 anos, em apenas cinco dias, criou a MK-I, com peças de um modelo de helicóptero. Ele tinha uma articulação móvel na área do cotovelo e uma garra para pegar coisas, que ele ativava dobrando o cotovelo. Era tão resistente, que dava até para fazer flexões se apoiando nela.

Com a divulgação na internet, a história de David e sua prótese MK-I ganhou atenção mundial. A partir daí, o agora estudante de Bioengenharia da Universidade Internacional da Catalunha, em Barcelona, começou a ser convidado a fazer palestras em diversos eventos e participou até de um promovido pela Agência Espacial Americana, a Nasa.

A incrível história do jovem que nasceu sem parte do braço e aprendeu a criar próteses com peças de Lego

Aos nove anos, com sua primeira prótese

David costuma explicar que o mais difícil na criação das próteses é aliar conforto com funcionalidade. Até hoje, ele já fez cinco delas. “Você não pode usar algo muito desconfortável, mesmo que seja super funcional, e vice-versa”, explica.

O mais recente modelo produzido por David, que ficou conhecido como “Hand Solo”, é o  MK-VI, que é motorizado: com seus dedos ele controla a prótese, fazendo movimentos sutis de seu braço residual.

Todavia, o mais bacana disso tudo é que o estudante cria suas próteses não apenas para ele, mas também para outras pessoas com problemas semelhantes. É o caso do pequeno Beknur, de oito anos, que também apresentou problemas no desenvolvimento de seus membros e não possui partes dos braços e nem das pernas.

Depois que apareceu no Guinness World Records, o famoso livro de recordes mundiais, por ter criado a primeira prótese funcional de braço com Lego, os pais de Beknur procuraram David, que topou ajudar o menino.

A mãe de Beknur percorreu então 1.300 km – 13 horas de viagem -, de Strasbourg, na França, até Andorra, onde “Hand Solo” mora, para que o garoto ganhasse sua prótese de Lego. A alegria imensurável do presente você confere no vídeo abaixo:

Além das próteses, David também tem diversos outros projetos, entre eles, dois livros já lançados: um infantil para combater o bullying, em que ele aparece como o personagem principal, e “Pieza a pieza, em que explica como criou seu primeiro braço de Lego.

“Com Beknur, senti uma imensa alegria e felicidade quando o vi movendo a prótese pela primeira vez. Ele estava sorrindo tanto que era contagiante! Sinto que se tiver a sorte de continuar construindo essas próteses, posso ajudar mais crianças e pessoas ao redor do mundo”.

Leia também:
Jovem ganha – de graça – prótese de mão feita em impressora 3D
Tucano brasileiro ganha prótese de resina no bico feita em impressora 3D
Tartaruga ferida ganha cadeira de rodas feita de Lego
Estudantes são premiados por projeto de bebê conforto acoplado a cadeira de rodas
Brasileiros desenvolvem alternativa ao gesso a partir do bagaço de cana-de-açúcar, milho e beterraba

Fotos: Guiness World of Records

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta