A 5 mil m de profundidade, na zona abissal do Pacífico, pesquisadores descobrem dezenas de curiosas novas espécies

A 5 mil m de profundidade, na zona abissal do Oceano Pacífico, pesquisadores descobrem dezenas de curiosas novas espécies

As chamadas planícies abissais cobrem cerca de 70% do fundo de nossos oceanos e são o maior habitat na superfície da Terra, podendo abrigar uma extraordinária diversidade de organismos. Todavia, esses lugares estão entre os menos estudados do planeta porque, obviamente, o acesso a eles é extremamente difícil. A pesquisa ali só pode ser feita de maneira remota e requer equipamentos especializados, como os robôs submarinos. E foi através deles que uma equipe de cientistas internacionais descobriu 30 possíveis novas espécies de animais e plantas.

Durante os 34 dias da expedição DeepCCZ, a bordo da embarcação Kilo Moana, os pesquisadores gravaram vídeos, fizeram fotos e coletaram diversos espécimes da região conhecida como a Zona de Fratura de Clipperton, ou Zona de Clarion-Clipperton, do lado da costa oeste do México e dos Estados Unidos, no Oceano Pacífico.

Em um artigo científico divulgado na publicação ZooKeys, os cientistas descrevem as curiosas e desconhecidas criaturas encontradas e que serão mais profundamente estudadas para que se tenha certeza que são realmente espécies ainda não descritas pela ciência.

Entre os espécimes coletados estão invertebrados da mesma família das centopeias, animais marinhos da mesma família das águas-vivas e diferentes tipos de corais. A grande maioria desses seres se encontrava a uma profundidade de 4.800 metros abaixo da superfície do mar.

“A diversidade de vida nessas áreas do fundo do mar é realmente incrível. Encontramos pelo menos dez espécies de pepinos-do-mar gigantes, um enorme verme de lula nunca visto antes no Oceano Pacífico e todos os tipos de esponjas e outros animais com adaptações muito legais, como pepinos-do-mar com caudas longas que lhes permitem navegar ao longo do fundo do mar!”, relatou empolgado Craig Smith, professor de Oceanografia da Escola de Oceano e Ciências da Terra e Tecnologia da Universidade do Havaí, em Mānoa (SOEST).

A possível descoberta de tantas espécies novas traz ainda mais preocupação para o mundo científico diante do iminente interesse pela exploração de minerais no fundo dos oceanos. Mais de um milhão de quilômetros quadrados das planícies abissais do Pacífico já foram identificados como eventuais reservatórios de elementos como cobre, níquel, cobalto, ferro e manganês – metais usados em sistemas elétricos e eletrônicos, como baterias recarregáveis e telas sensíveis ao toque.

A expectativa agora é que, a partir desses estudos, sejam delimitadas áreas onde a mineração em mares profundos seja proibida.

Confira abaixo as imagens de alguns dos seres incríveis encontrados pela equipe da DeepCCZ Expedition:

A 5 mil m de profundidade, na zona abissal do Oceano Pacífico, pesquisadores descobrem dezenas de curiosas novas espécies
A 5 mil m de profundidade, na zona abissal do Oceano Pacífico, pesquisadores descobrem dezenas de curiosas novas espécies
A 5 mil m de profundidade, na zona abissal do Oceano Pacífico, pesquisadores descobrem dezenas de curiosas novas espécies

*Com informações do NOAA/Ocean Exploration

Fotos: cortesia DeepCCZ expedition/Gordon & Betty Moore Foundation & NOAA

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.