810 km² da Amazônia Legal foram devastados em março deste ano: 216% a mais do que no mesmo mês de 2020

810 km² da Amazônia Legalque compreende nove estados situados na bacia amazônica – foram devastados em março de 2021, o que representa 216% a mais do que no mesmo mês no ano passado: 256 km². A área destruída é também a maior da série histórica dos últimos dez anos, referente ao esse mês.

Os dados foram divulgados hoje pelo Imazon – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia com base no Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD*), que monitora as áreas desmatadas na região, via satélite. O boletim do desmatamento está disponível no site da instituição.

Vale ressaltar que esta divulgação ocorre às vésperas da Cúpula do Clima, que ocorrerá em 22 de abril – Dia da Terra -, liderada pelos EUA.

Também ocorre dias depois de Ricardo Salles, ministro do meio ambiente, declarar que quer US$ 1 bilhão para reduzir em 40% o desmatamento na Amazônia até maio de 2022, e receber uma resposta rápida do ministro do meio ambiente da Noruega, Sveinung Rotevatn, país que é o principal financiador do Fundo Amazônia, que Salles destruiu: “Diminuir desmatamento requer vontade política, não financiamento’.

Na semana passada, Salles ainda foi alvo de “notícia-crime” no Superior Tribunal Federal por atrapalhar investigações da Polícia Federal do Amazonas contra madeireiros poderosos. Ele criticou a maior apreensão de madeira da história do país. O superintendente da PF do Amazonas, autor da denúncia, foi afastado do cargo e das investigações, claro!

E, há três dias, John Kerry, do Departamento de Mudanças Climáticas dos EUA, respondeu à carta de Bolsonaro enviada à Biden, pelo Twitter: “O compromisso do presidente Jair Bolsonaro de eliminar o desmatamento ilegal é importante. Esperamos ações imediatas e engajamento com as populações indígenas e a sociedade civil para que este anúncio possa gerar resultados tangíveis”.

Quem Salles e Bolsonaro pensam que podem enganar?

Os números do Inpe – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (que, há uma semana, divulgou o desmatamento de março) e, agora, os do Imazon, confirmam que este governo não está interessado em proteger a Amazônia da devastação.

Pará e Mato, líderes

Os estados líderes de desmatamento são Pará, com 35%, e Mato Groso, com 25%, e somam 60% da área registrada. São seguidos por Amazonas (12%), Rondônia (11%), Roraima (8%), Maranhão (6%), Acre (2%) e Tocantins (1%).

Áreas privadas ou “sob diversos estágios de posse” representam 66% do desmatamento detectado pelo SAD, em março. O restante aconteceu em assentamentos (22%), Unidades de Conservação (11%) e Terras Indígenas (1%).

O Imazon também revelou que, de janeiro a março deste ano, foi registrado outro recorde de desmatamento: a área devastada nesse período é mais do que o dobro de 2020, a maior da série em dez anos.

7 das 10 UCs mais desmatadas

A análise do Imazon também constatou que, entre as Unidades de Conservação (UCs), sete das dez mais desmatadas estão no estado do Pará:
APA Triunfo do Xingu,
FLONA do Jamanxim,
APA do Tapajós,
FLONA de Altamira
FLONA de Itaituba II,
– REBIO Nascentes da Serra do Cachimbo
e
– ESEC da Terra do Meio. 

As demais estão localizadas em Rondônia – RESEX Rio Preto-Jacundá e 
RESEX Jaci Paraná
– e no Maranhão: REBIO do Gurupi.

A degradação das florestascaracterizada pela extração de ãrvores, em geral para o comércio de madeira e devido às queimadas – na Amazônia Legal atingiu 64 km² em março deste ano, representando aumento de 156% em relação ao mesmo mês em 2020 (25 km²).

Foi detectada principalmente em Rondônia (39%), Mato Grosso (36%) e Pará (25%).

Foto: Ibama/Divulgação

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta