PUBLICIDADE

80 espécies de aves deixam de ser observadas no interior paulista devido à degradação ambiental

80 espécies de aves deixam de ser observadas no interior paulista devido à degradação ambiental

Um mapeamento em quatro unidades de conservação no interior do estado de São Paulo soou um grave alerta: das 358 espécies de aves registradas há algumas décadas nessas áreas, apenas 278 foram observadas durante o mais recente monitoramento de campo. Ou seja, 80 delas podem ter deixado de ocorrer na região.

O trabalho, realizado entre setembro de 2021 e janeiro de 2022 por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) e do Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (CBRO), aconteceu na Reserva Biológica de Andradina e nas Estações Ecológicas de Marília, de Paulo de Faria e de Santa Maria. As aves eram identificadas por meio de binóculos e também de seus sons.

“Foram realizados inventários de aves nessas unidades de conservação de proteção integral porque elas são pouco conhecidas e estudadas. Nosso intuito era atualizar as informações sobre as suas aves, bem como aumentar a sua visibilidade para demais atividades, como pesquisa e educação ambiental”, diz Vagner Cavarzere, professor do Instituto de Biociências da Unesp e um dos autores do trabalho.

Das 80 espécies que não foram observadas nesse levantamento, 50% são florestais, que vivem apenas dentro das matas.

“Isso é um indicativo de que, depois da degradação ambiental que o interior paulista sofreu, mesmo as áreas destinadas para a preservação, sofrem com a falta de qualidade ambiental e não garantem a sobrevivência de determinadas espécies”, explica Cavarzere.

O pesquisador destaca que degradação ambiental envolve desde a fragmentação da vegetação nativa até a retirada ilegal de madeira, a ocorrência de queimadas e incêndios florestais e a ausência de proteção contra a entrada de gado.

“Não é uma batida de martelo, pois nosso esforço amostral não foi enorme. No entanto, conhecemos as espécies sem registro de anos de estudos de campo, então a não-detecção delas é um indicativo de que algo está errado com a vegetação”, diz o pesquisador.

Ainda segundo ele, o que chama atenção é que mesmo nessas áreas mais protegidas, as espécies florestais não foram registradas. Infelizmente, apesar de em geral unidades de conservação serem mais conservadas, ainda assim sofrem com queimadas e caça ilegal.

Entre as espécies não registradas, todas endêmicas da Mata Atlântica, estão a juruva, o macuru-de-barriga-castanha, o surucuá-variado e o miudinho – na imagem que abre este post.

“Já entre aquelas ameaçadas [de extinção] e não avistadas estão a arara-vermelha, o mutum-de-penacho e a maracanã”, relata o especialista.

O artigo científico publicado na Revista do Instituto Florestal pode ser lido, na íntegra, neste link.

80 espécies de aves deixam de ser observadas no interior paulista devido à degradação ambiental

O surucuá-variado, também conhecido como surucuá-de-peito-azul
Foto: Dario Sanches from São Paulo, Brazil, CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Leia também:
Mutum-de-penacho, espécie ameaçada de extinção, é reintroduzido em áreas de São Paulo e Mato Grosso do Sul
Extinção de espécies fará com que aves com características únicas desapareçam e sobreviventes sejam cada vez mais parecidas, temem cientistas
Uma em cada oito aves do planeta está em risco de extinção

Foto de abertura: Dario Sanches from São Paulo, Brasil, CC BY-SA 2.0 via Wikimedia Commons

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE