PUBLICIDADE

50% dos carros vendidos no mundo deverão ser elétricos em 2035

50% dos carros vendidos no mundo deverão ser elétricos em 2035

*Por Leila Salim

O robusto crescimento da frota de veículos elétricos no mundo irá resultar em uma “profunda mudança” no setor de energia na próxima década, com queda considerável da demanda mundial por petróleo para transportes, apontou a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) em relatório lançado na terça-feira (23/04). 

O levantamento projeta que 17 milhões de carros elétricos serão vendidos até o final deste ano, um crescimento de 21% na comparação com 2023. No primeiro trimestre de 2024, as vendas cresceram 25% em relação ao mesmo período do ano anterior, igualando em apenas três meses o total vendido em 2020. “Mais de um em cada cinco carros vendidos no mundo este ano deverá ser elétrico, com uma demanda crescente projetada ao longo da próxima década que remodelará a indústria automobilística global e reduzirá significativamente o consumo de petróleo para o transporte rodoviário”, afirmou a IEA. 

O relatório “Perspectivas Globais para Veículos Elétricos”, em tradução livre, é publicado anualmente pela agência. O crescimento previsto para este ano vem na sequência de um aumento recorde nas vendas globais de carros elétricos em 2023, que bateram os 14 milhões (subindo 35% em relação ao ano anterior). O salto de 21% previsto para este ano, apesar de não superar o de 2023, é considerado “muito forte” pela IEA, que vê uma tendência contínua de expansão da frota. 

O levantamento estima, segundo essa tendência, que um a cada dois carros vendidos no mundo será elétrico em 2035, considerando as políticas atuais de incentivo e de corte de emissões de gases-estufa pelos países. Em um cenário mais otimista, caso os países cumpram integralmente seus compromissos climáticos e com a transição energética, dois terços da venda global de carros será elétrica no mesmo ano. 

Nessas condições, a adoção acelerada de veículos elétricos – considerando não apenas o crescimento em carros, mas também em ônibus, caminhões, vans, motocicletas e outros – derrubará a demanda global por petróleo em até 12 milhões de barris por dia. O montante equivale à demanda diária de China e União Europeia somadas. Considerando as políticas atuais, a queda seria de 10 milhões barris ao dia em 2035, o que reduziria as emissões de gases de efeito estufa pelo setor em mais de 2 Gt de CO2 equivalente em relação aos padrões atuais. A figura abaixo projeta a queda na demanda por país e por tipo de veículo em diferentes cenários. 

Queda na demanda por petróleo. À esquerda, por países, e à direita, por tipo de veículo. STEPS = políticas atuais; APS = compromissos anunciados; NZE = cenário compatível com zero emissões líquidas em 2050; RoW = outros países; LDV = veículos leves
Fonte: IEA

Segundo Fatih Birol, diretor-executivo da IEA, apesar dos empecilhos de médio prazo em alguns mercados – como a descontinuidade de incentivos às vendas na Europa, a falta de postos públicos para abastecimento nos países do Sul Global e dificuldades no acesso a baterias –, há um crescimento contínuo “evidente” dos carros elétricos. “Em vez de diminuir, a revolução global dos veículos elétricos parece estar se preparando para uma nova fase de crescimento. A onda de investimentos na fabricação de baterias sugere que a cadeia de suprimentos de veículos elétricos está avançando para atender aos ambiciosos planos de expansão dos fabricantes de automóveis. Como resultado, espera-se que a participação desses veículos nas estradas continue a aumentar rapidamente”, afirmou. 

O relatório destacou que a eletrificação segue bastante concentrada na China, na União Europeia e nos Estados Unidos. A agência projeta que 45% dos carros vendidos em 2024 na China serão elétricos. Na União Europeia, a cifra é de 25%.  Já nos EUA, a projeção é de que um a cada nove carros vendidos este ano seja elétrico.  Mantidas as políticas atuais, em 2030 a China terá uma média de um carro elétrico a cada três, considerados todos os carros que circulam no país. Nos EUA e União Europeia a cifra projetada será de um elétrico a cada cinco carros circulando.


Crescimento das vendas e concentração do mercado na China, UE e EUA
Fonte: IEA

Apesar da forte concentração, países em desenvolvimento como Vietnã e Tailândia têm observado crescimento expressivo em sua frota elétrica. Embora em menor intensidade, a tendência também é verificada no Brasil. No Vietnã, 15% dos carros vendidos hoje são elétricos. Na Tailândia são 10% e no Brasil, 3%. 

Na coletiva de lançamento do relatório, o diretor-executivo da IEA destacou as profundas mudanças no setor energético global diante do “extremo crescimento” da frota elétrica. Birol  lembrou que, hoje, a China lidera a demanda global por petróleo para transportes, o que mudará rapidamente com o crescimento da frota elétrica. Segundo ele, a agência espera que o pico da demanda global por petróleo para transportes ocorra já no próximo ano, em 2025. Fica o alerta para os países que apostam em explorar petróleo “até a última gota” esperando enriquecer com exportações.

*Texto publicado originalmente em 23/04/24 no site do Observatório do Clima

——————————————-

Agora, o Conexão Planeta também tem um canal no WhatsApp. Acesse este link, inscreva-se, ative o sininho e receba as novidades direto no celular

Leia também:
Índia anuncia que só venderá carros elétricos a partir de 2030
Ford anuncia que só venderá carros elétricos e híbridos na Europa a partir de 2026
Trens mais baratos e incentivos para carros elétricos estão entre medidas de novo plano do clima na Alemanha
Brasil ganha primeira rodovia com pontos para recarga de carros elétricos
Vendedores de concessionárias boicotam carros elétricos

Foto de abertura: andreas160578 por pixabay

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE