PUBLICIDADE

40 rinocerontes brancos, de 2 mil que pertenciam a milionário falido, ganham novo lar em área de conservação na África do Sul

A partir deste mês e pelos próximos dez anos, 2 mil rinocerontes brancos do sul serão paulatinamente reintroduzidos em áreas protegidas e seguras na África do Sul. Este projeto ambicioso acaba de ser lançado oficialmente com o envio dos primeiros 40 desses majestosos animais para a Munywana Conservancy, uma área de conservação declarada reserva natural, em Zululand, no norte de KwaZulu-Natal.

Trata-se de um esforço grandioso, batizado de Rhino Rewild (Reintrodução de Rinocerontes, em tradução livre), promovido pela organização African Parks, que, com esta ação, transforma completamente o destino destes rinocerontes. 

Eles eram propriedade de um multimilionário que sonhava em mantê-los numa reserva para tirar seus chifres e inundar o comércio ilegal, reduzindo o preço a fim de desincentivar a caça furtiva.

PUBLICIDADE

Para que a translocação fosse bem-sucedida, a condição corporal dos animais e a adaptação aos parasitas devem ser monitoradas de perto à medida que se adaptam ao novo ambiente. Além disso, a tutela implementará medidas de segurança intensivas para garantir a segurança dos rinocerontes descornados. Sim, a maioria não tem chifres…

Sem dúvida, a Munywana Conservancy é o lugar perfeito para acolhê-los, pois oferece ambiente seguro para essa reintrodução. Além disso, com esta doação, sua atual população de rinocerontes será reforçada, o que trará aumento da diversidade genética, contribuindo para futuras translocações de rinocerontes para outros locais e apoiando o turismo, essencial para a economia local.

O financiamento para o transporte dos rinocerontes foi oferecido pela Fundação Aspinall, com apoio do Wildlife Emergency Fund. “Reconhecemos a magnitude e o feito logístico de transportar 2 mil rinocerontes. Este é apenas o começo de uma parceria de longo prazo com a African Parks, na qual podemos desempenhar nosso papel na contribuição tangível para o futuro do rinoceronte branco do sul em África”, disse Damian Aspinall, presidente da We Wild Africa.

Conservação e reconstituição 

O novo lar dos rinocerontes brancos tem uma história bastante interessante. Em 2007, mais de 20 mil acres de terra (ou mais de 80,9 km2) foram devolvidos a seus proprietários ancestrais – comunidades Makhasa e Mnqobokazi – como parte do processo de restituição de terras da África do Sul.

As duas comunidades, então, solicitaram que as terras continuassem sob conservação. E é devido a esse legado que, hoje, a Munywana Conservancy é uma reserva de 79 mil acres (ou 320 km2), mantida graças à colaboração de proprietários comunitários e privados.

“Estamos extremamente satisfeitos por receber estes 40 rinocerontes da African Parks para complementar a população atual de rinocerontes brancos em nossa área de conservação comunitária”, declarou Thokozani Mlambo, presidente do Makhasa Trust, um dos três principais acionistas da Munywana Conservancy.

“Vemos isto como um reconhecimento do importante papel que estas terras desempenham na conservação e estamos orgulhosos de colaborar numa parceria tão significativa para a reconstituição dos rinocerontes selvagens em todo o nosso continente”.

Falência e leilão

Os 2 mil rinocerontes brancos pertenciam ao criador milionário John Hume, da África do Sul. Mas ele não conseguiu mantê-los devido à recusa da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Extinção (CITES) de lhe conceder exceção para a venda de chifres de rinoceronte. Afinal, este comércio foi banido do país em 1974. 

À beira da falência, em abril deste ano, Hume colocou todos os animais (que representavam 15% da população dessa espécie, que ainda resta no mundo) em leilão. Depois de um bom tempo sem interessados, a African Parks os arrematou (como contamos aqui).

Renovação do ecossistema

Como espécie, o rinoceronte branco está sob extrema pressão por conta da caça furtiva e da perda de habitat, daí a necessidade de áreas bem protegidas para que possam prosperar. 

Na década de 30, a espécie atingiu o nível mais baixo de todos os tempos: sobraram entre 30 e 40 animais. Mas, graças a conservacionistas aguerridos, medidas eficazes ajudaram a aumentar a população que, em 2012, chegou a 20 mil indivíduos.

Além de sua importância para a diversidade biológica, estes animais mega-herbívoros são imprescindíveis na formação das savanas, que armazenam aproximadamente 30% do carbono terrestre do mundo. 

Assim, onde existe rinoceronte, há aumento de flora e de fauna. Não é à toa que populações prósperas desses animais selvagens são indicadores de renovação do ecossistema

Que benção, para os rinocerontes e para a reserva Munywana Conservancy, a African Parkscomprar e reconstituir os 2 mil rinocerontes brancos!

“Em nome do governo da África do Sul, apoiamos o plano da African Parks e continuamos a ser um parceiro fundamental no fornecimento de aconselhamento técnico e científico e no apoio necessário para implementar esta solução de conservação na África do Sul e no continente africano”, destacou Barbara Creecy, ministra sulafricana das Florestas, Pescas e Ambiente.

Dale Wepener, diretor e gerente de conservação de Munywana, por sua vez, declarou: “Acreditamos que tanto o African Parks como a Munywana têm o mesmo ethos e princípios orientadores quando se trata de conservação. E, nesse espírito, a Munywana aceitou de bom grado esta doação, permitindo que estes rinocerontes iniciem o processo de se tornarem totalmente selvagens e de livre circulação”.
_____

Agora o Conexão Planeta também tem um canal no WhatsApp. Se você quiser se inscrever para receber nossas notícias, acesse esse link, ative o sininho e receba as novidades direto no celular

Com informações de Good News Network e African Parks

Foto (destaque): Platinum Rhino

Comentários
guest

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
José Hosames
José Hosames
29 dias atrás

Maravilhosa Notícia , Deus Salve a África ????

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE