35 fotógrafas de lugares e gerações diferentes revelam a singularidade e a delicadeza do olhar feminino

As 35 fotografias selecionadas para a exposição Presença foram feitas por 39 mulheres. Mulheres que se conectam pela estética de seus trabalhos, independente do tempo: a mais jovem tem 22 anos e a mais experiente nasceu em 1913.

“A narrativa foi concebida por meio de conexões imagéticas, independente das gerações e regiões de cada uma das autoras”, explica Mônica Maia, curadora da mostra. Ela selecionou as imagens a partir de uma pesquisa histórica trabalhada por ela e Ivana Debértolis, nos últimos anos, e contou com a consultoria da expert Simonetta Persichetti.

Na mostra, acontece o encontro de “trabalhos bastante conhecidos do público e outros que já nos chamavam a atenção nos anos de pesquisa, propositalmente. É urgente preencher lacunas de tempo e espaço e não permitir apagamentos.” acrescenta Mônica.

Editadas em dípticos (acima), as imagens dialogam e se complementam como da jovem Ilana Bar – premiadíssima, com participações importantes em festivais e publicações internacionais – e o famoso menino-anjo, de Maureen Bisilliat, ou a menina de Bárbara Cunha, que divide o painel com as indígenas de Claudia Andujar.

Caminhada ao limoeiro, Atibaia, SP, 2017, por Ilana Bar
Menino-anjo, São José do Rio Pardo, SP, 1963, por Maureen Bisiliat (do Acervo do Instituto Moreira Salles)
Kitty – Paraty, Rio de Janeiro, 2017, por Bárbara Cunha
Candinha eMariazinha Korihana thëri limpam mutum, na Terra Indígena Yanomami, Catrimani, Roraima, 1974, por Claudia Andujar

E Simonetta nos convida à reflexão: “Historicamente, a mulher tem na cidade um lugar de passagem, uma pseudo-invisibilidade que, com o lugar escolhido para a exposição, acaba também conversando com a nossa proposta de dar visibilidade para a importância da mulher na fotografia. A singularidade do olhar feminino é revelada por cada uma das imagens e uma delicadeza sobre o que observam”. 

Este projeto nasceu antes da pandemia e teria como espaço uma galeria ou um centro cultural. Mas depois de tantos adiamentos, finalmente tornou-se real e ocupou um local de transição, no metrô República, em São Paulo, até 31 de outubro. Depois, segue para Santos, no litoral paulista.

A seguir, todos os nomes que compõem Presença e algumas imagens que dão ideia da potência destas mulheres e desta mostra.

Alice Brill, Ana Carolina Fernandes, Ana Caroline de Lima, Ana Mendes, Bárbara Cunha, Claudia Andujar, Elza Lima, Gabriela Matoso, Gisele Martins, Helen Salomão, Hélia Scheppa, Hildegard Rosenthal, Ilana Bar, Isa Lanave, Isabel Gouvêa, Isis Medeiros, Júlia Pontés, Larissa Noé, Larissa Zaidan, Leticia Valverdes, Lita Cerqueira, Luisa Dörr, Madalena Schwartz, Maíra Erlich, Márcia Foletto, Maria Vaz, Marlene Bergamo, Maureen Bisilliat, Melissa Warwick, Milena Paulina, Nair Benedicto, Nayara Jinknss, Paula Sampaio, Rosa Gauditano e Teresa Maia.

Bença: histórias do meu quintal, Canaã, MG, 2020, por Isis Medeiros
O homem-peixe, Praia de Amoreiras, BA, 2020, por Maíra Erlich
Maysa usa o vestido de casamento de sua mãe, Brasilândia, SP, 2014, por Luisa Dörr
As bruxas do rio, Praia do Açutuba, Iranduba, AM, 2018, por Milena Paulina
Marcas da Maternidade, Ubatuba, SP, 2013, por Leticia Valverdes
No Rio Capibaribe, PE, 2020. por Hélia Scheppa
Louvação a Iemanjá, Praia Grande, SP, 1978, por Nair Benedicto
Costela-de-Eva, da série Lilith, do mito ao mundo, Juiz de Fora, MG, 2020, po Larissa Noé

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta