185 filhotes de tartarugas são descobertos em malas em aeroporto de Galápagos

Na madrugada de 28 de março, domingo, autoridades do Aeroporto Ecológico das Ilhas Galápagos e funcionários do Parque Nacional de Galápagos (PNG) identificaram um carregamento de 185 bebês da espécie tartaruga-gigante – dez estavam mortos – embrulhadas em plástico, em bagagens que seriam enviadas à cidade de Guayaquil, na costa do Equador.

Ao passar pela fiscalização, os responsáveis pelas malas declararam que elas continham “lembranças” ou “souvenirs”. As máquinas de raio-X localizadas no terminal de carga e a análise atenta do operador revelaram que havia irregularidades nas malas.

Foto: Divulgação/Aeroporto Ecológico de Galápagos

Os motoristas que transportaram a carga de Puerto Agora, capital da ilha vizinha de Santa Cruz (a mais populosa do arquipélago) foram impedidos de sair do local até que a investigação seja concluída.

Para proteger as tartaruguinhas, as autoridades do aeroporto que fica na ilha de Baltra, as levaram a um local seguro (uma sala fechada, com paredes de vidro) para que elas possam se mover sem risco. Veja no vídeo publicado no Instagram do aeroporto de Galápagos.

Como são muito pequenas – não têm mais do que três meses -, seus cascos não apresentam informações que possam ajudar na identificação sobre a ilha do arquipélago na qual foram capturadas.

Foto: Divulgação/Aeroporto Ecológico de Galápagos

O caso foi divulgado primeiramente pelo Ministério do Meio Ambiente do Equador pelo seu perfil no Twitter. Depois, pelo aeroporto.

O caso foi divulgado primeiramente pelo Ministério do Meio Ambiente do Equador pelo seu perfil no Twitter. Depois, pelo aeroporto.

Foto: Divulgação/Aeroporto Ecológico de Galápagos

Compromisso com o combate ao tráfico

Em seu Instagram, além de registrar o caso e apresentar imagens diversas (que publicamos aqui) da operação, o Aeroporto Ecológico de Galápagos destacou que é signatário da Declaração do Palácio de Buckingham.

Essa declaração integra a campanha Unidos pela Vida Selvagem (United for Wildlife), criada em 2014 pela Fundação Real do duque e da duquesa de Cambridge e o Príncipe William.

“É importante lembrar que nosso aeroporto é signatário da Declaração do Palácio de Buckingham, que visa combater o tráfico de espécies no mundo, para o qual treinamos constantemente nossa equipe e prometemos notificar as autoridades policiais competentes sobre os embarques. vida selvagem ilegal e seus produtos”.

Este é Diego, um indivíduo idoso da espécie gigante, que se aposentou da “missão” de reprodução em janeiro de 2020, como contamos aqui

Em seu Twitter, Marcelo Mata, ministro do Meio Ambiente do Equador, repudiou o ato ilegal e garantiu que os responsáveis serão punidos com rigor:

“Como autoridade ambiental nacional, rejeito categoricamente esses crimes contra a vida selvagem e o patrimônio natural dos equatorianos. Asseguraremos que eventos como esse sejam punidos com todo o rigor de acordo com as normas em vigor”.

Em 1978, as Ilhas Galápagos foram declaradas Patrimônio Mundial pela Unesco devido à rica biodiversidade terrestre e marinha, lar de muitas espécies únicas no mundo.

O arquipélago é considerado um laboratório natural e reúne 13 grandes ilhas, seis ilhas menores e 42 ilhotas. Foi lá que o cientista inglês Charles Darwin desenvolveu a teoria sobre a evolução e a seleção natural das espécies.

Fotos: Divulgação/Aeroporto Ecológico de Galápagos

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta