PUBLICIDADE

153 botos morrem no Lago Tefé, no Amazonas, e agentes usam técnica ribeirinha para salvar sobreviventes

153 botos morrem no Lago Tefé, no Amazonas, e agentes usam técnica ribeirinha para salvar sobreviventes

Desde 23 de setembro, quando o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) instaurou a operação ‘Incidente Emergência Botos Tefé’, pesquisadores correm contra o tempo para tentar atender a emergência ambiental e sanitária que atinge o Lago Tefé, no médio Rio Solimões, interior do Amazonas, e já matou 153 botos.

Além de remover os corpos dos botos–vermelhos (Inia geoffrensis)tucuxis (Sotalia fluviatilis) mortos e fazer exames para identificar a verdadeira causa de mortandade tão avassaladora, sua missão é salvar os sobreviventes.

A seca e a temperatura da água certamente contribuíram para a tragédia, mas os especialistas desconfiam que outras causas não podem ser descartadas, como contaminação da água ou doença nos animais

Foto: Miguel Monteiro/Instituto Mamirauá

Para salvar os animais sobreviventes

Enseada do Papucu é o trecho mais crítico do lago onde ocorreu a maior parte das mortes, a princípio devido à elevada temperatura da água que vem sendo medida nesta área. 

Em 28 de setembro, às 16h, quando já haviam sido identificados 70 golfinhos mortos, a temperatura registrada era de 39,1°C, muito acima da temperatura normal do lago, que é de 30°C. Durante o dia, a temperatura da água varia entre 29° e 38°C.

Mesmo assim, muitos são os botos e tucuxis que frequentam o local devido à abundância de peixes, base de sua alimentação. 

Segundo o ICMBio e o Instituto Mamirauá “para evitar mais mortes, estamos implementando uma estratégia de prevenção para evitar intervenção direta junto aos animais, que sabidamente são sensíveis a situações de estresse”.  E no que consiste essa estratégia? 

Por meio de uma barreira física chamada ‘pari’, feita de estacas de madeira em formato triangular (que tem por base o conhecimento tradicional ribeirinho), a Enseada do Papucu está sendo isolada e os animais conduzidos para fora do trecho crítico, ou seja, para áreas mais profundas e menos quentes do Lago Tefé. 

Barreira feita com estacas de madeira, inspirada na técnica ribeirinha denominada ‘pari’ / Foto: reprodução vídeo

De acordo com o GRAD Brasil – que apoia a operação de salvamento dos botos junto com R3 Animal, Sea Shepard Brasil e Exército Brasileiro -, a área com baixa profundidade e altas temperaturas está sendo isolada para que os animais sobreviventes não voltem para lá.

“A estratégia se mostrou muito eficiente, mas, devido a uma tempestade no final da operação, não foi possível retirar todos os animais. O comando da operação irá avaliar uma nova intervenção”, declarou o GRAD, em seu Instagram.

Entenda como funciona a barreira física ‘pari’ no vídeo a seguir:

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por G.R.A.D (@grad_brasil)

Detalhes da operação 

Como destaquei no início deste texto, em 23 de setembro os pesquisadores do Instituto Mamirauá identificaram mortalidade incomum de botos e tucuxis no Lago Tefé. 

operação Incidente Emergência Botos Tefé – implantada pelo ICMBio com o apoio técnico do Instituto Mamirauá – foi dividida em três frentes principais (ou setores): Operação Vivos, Operação Mortos e Monitoramento Ambiental. 

A primeira – Operação Vivos – tem a missão de monitorar a movimentação de botos e tucuxis ao longo do Lago Tefé. 

“Caso algum animal apresente sinais de anormalidade, temos condições de resgatá-lo e encaminhá-lo ao Flutuante de Reabilitação, para monitoramento e possível tratamento e intervenção. Até o momento nenhum animal foi resgatado com essa finalidade”.

A segunda – Operação Mortos – visa identificar e buscar carcaças na região, além de realizar necropsia para coleta de amostras para análises laboratoriais: histopatologia, pesquisa de doenças infecciosas, pesquisa de elementos tóxicos e biotoxinas, etc.

E a terceira – Monitoramento Ambiental – é dividida em três frentes de monitoramento: Água, Peixes e Fitoplâncton. 

Resultados da necropsia

Até agora, foram encontrados 130 botos vermelhos e 23 tucuxis mortos. Desse total – 153 indivíduos -, 104 passaram por necropsia e amostras de tecidos e órgãos foram enviadas para laboratórios especializados distribuídos pelo Brasil. 

17 animais já foram avaliados a partir de análises histológicas e, até o momento, não há qualquer indício de agente infeccioso relacionado às mortes. “O diagnóstico molecular (PCR) de 18 indivíduos também deu resultado negativo para agentes infecciosos, como vírus e bactérias, associados a mortes em massa”, contam os pesquisadores, que destacam:

“De todas as variáveis ambientais e biológicas que temos analisado, a única que tem mostrado comportamento anômalo é a temperatura da água”. 

Eles ainda reforçam que a mortandade de peixes encontrada na região é normal para eventos de seca extrema

A equipe de Fitoplâncton – formada por especialistas da consultoria ambiental AquaViridi, que atuam como voluntários na operação –, monitora o lago para identificar espécies de fitoplâncton e, desde 3 de outubro, tem identificado a proliferação da alga Euglena sanguinea

Apesar de seu potencial ictiotóxico – ou seja, pode causar mortalidade de peixes –, até o momento não há evidências de que sua toxina esteja relacionada às mortes dos golfinhos ou de peixes no Lago Tefé.

Mais de 100 pessoas 

A operação Incidente Emergência Botos Tefé está sendo realizada por equipe de servidores do ICMBio, além de pesquisadores do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM) e conta com o apoio de outras 23 instituições de governo Exército Brasileiro, Marinha do Brasil, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Conservação de Tefé (SEMMAC), Prefeitura de Tefé, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e IBAMA -, e não governamentais: Fiocruz, INPA – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Sea Shepherd Brasil, WWF-Brasil, GRAD – Grupo de Resgates de Animais em Desastres, Aquasis, Aqua Viridi, Instituto Aqualie, R3 Animal, Greenpeace Brasil, Instituto Baleia Jubarte, Sea World e LAPCOM-USP.

São mais de 100 pessoas envolvidas na mitigação e adaptação dos danos causados pelo calor e seca extremos na região da Lagoa Tefé, no interior do Amazonas.
_______________

Com informações do ICMBio, Instituto Mamirauá e GRAD Brasil

Foto (destaque): Miguel Monteiro/Instituto Mamirauá (pesquisadoras do Instituto Mamirauá realizam necropsia em boto-vermelho em Tefé, Amazonas)

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE