12 cidades se comprometem a livrar ruas e bairros das emissões de gases até 2030


Eis aqui um belo exemplo de civilidade e visão de futuro: prefeitos de 12 metrópoles espalhadas pelo mundo se uniram e se comprometeram a adotar ônibus com emissões zero até 2025 e, até lá, fazer campanhas para promover o uso do metrô, da bicicleta, do transporte compartilhado e da prática de caminhadas.

Para tanto, também pretendem limitar a circulação de veículos particulares. O objetivo principal é tornar algumas áreas – ou bairros – completamente livres de emissões de gases de efeito estufa até 2030.

Os dois grandes motivos que levaram esses líderes a assinarem uma declaração conjunta – Nosso Compromisso com Ruas Verdes e Saudáveis – são a poluição do ar e as mudanças climáticas, intensificadas pelo uso da gasolina e do diesel, que matam 6,5 milhões de pessoas em todo o mundo.

____________
Leia:

Com ou sem carros, Minhocão é 79% mais poluído que o resto da cidade de SP
Em São Paulo, poluição mata mais que trânsito, câncer de mama e Aids
Paris, Madri, Cidade do México e Atenas dão adeus a carros a diesel
____________

Os 12 prefeitos pioneiros integram o grupo C40 Cities de liderança climática, criado em 2005 e baseado em Londres, que hoje reúne 91 cidades em todo o mundo (já falamos desse grupo, aqui no site). Foi o C40 que ajudou a estabelecer um quadro de ações climáticas proposto por cidades, apresentado na COP21, de Paris, onde o Acordo de Paris foi definido. Esse plano visa zerar emissões em algumas zonas dessas cidades, como o que foi divulgado por Madri este ano: lá, uma área de 4,5 km2 só poderá ter a circulação de moradores, do transporte público e de veículos que não emitem gases.

O pacto não define onde serão essas zonas livres de emissões de gases, mas estabelece uma linha de tempo a partir da qual os prefeitos asseguram que sua cidade será assim até 2030.

As cidades que assinaram esse pacto pela vida são Los Angeles, Seatlle (EUA), Auckland (Nova Zelândia), Cidade do México (México), Londres (Inglaterra), Cidade do Cabo (África do Sul), Barcelona (Espanha), Paris (França), Copenhague (Dinamarca), Quito (Equador), Vancouver (Canadá) e Milão (Itália). Juntas, elas têm cerca de 80 milhões de habitantes. Não é pouco.

E é importante lembrar que Londres é a cidade que possui a maior frota de ônibus elétrico do mundo. Olhaí, prefeito João Dória e presidente da Câmara dos Vereadores de São Paulo! Vocês precisam conhecer esta cidade para copiar o bom exemplo. Aliás, ultimamente, São Paulo é a cidade que mais “rema contra” o desenvolvimento sustentável e os direitos humanos.

A declaração
Agora, leia a declaração assinada por 12 líderes do C40 para combater a poluição do ar e as mudanças climáticas em suas cidades:

Como prefeitos de algumas das grandes cidades do mundo, estamos comprometidos em transformá-las em lugares mais verdes, saudáveis ​​e mais prósperos para viver. Nossas ruas devem ser seguras e acessíveis para todos e nosso ar deve estar limpo e livre de emissões nocivas. Isso melhorará a qualidade de vida de todos os cidadãos e ajudará a enfrentar a ameaça global das mudanças climáticas. Nós imaginamos um futuro onde as caminhadas, o ciclismo e o transporte compartilhado serão adotados pela maioria dos cidadãos se desloca em torno de nossas cidades. A mudança para uma mobilidade de emissão zero resultará em menos congestionamento e menos poluição, deixando nossas cidades mais silenciosas e o ar que respiramos mais limpo.

Um terço das emissões de gases de efeito estufa das cidades que compõem o C40 provém dos transportes e o trânsito é a maior fonte de poluição do ar, responsável globalmente por até um quarto das partículas no ar. À medida que as cidades crescem, tornam-se mais congestionadas e obrigam as pessoas a passarem mais tempo no trânsito. 

Estudo realizado nos EUA, no Reino Unido, na França e na Alemanha mostrou que o congestionamento nas estradas custa, em média, quase 1% do PIB. Mas essa perda de tempo não afeta apenas a economia, mas também a saúde e o meio ambiente por meio do aumento incessante da poluição do ar.  

Dados recentes mostram que o ar poluído leva a quase 4,5 milhões de mortes prematuras por ano e atinge muitos mais as crianças, que sofrem com doenças como asma. Nós reafirmamos nossa visão de cidades mais verdes, saudáveis ​​e mais prósperas, mas reconhecemos a necessidade urgente de uma ação climática ambiciosa para atingir os objetivos do Acordo de Paris.

Também reconhecemos a necessidade de uma abordagem abrangente e holística para transformar a forma como as pessoas viajam em nossas cidades, que se baseiam em promessas feitas como parte da Declaração do ônibus limpo C40 e de nossas declarações articuladas no Global MacroRoadmap: Uma Visão Acionável para a Decarbonização do Transporte.

Assim, prometemos a transição para ruas livres de combustíveis fósseis a partir:1) da aquisição de ônibus somente com zero emissões a partir de 2025; e2) da garantia de que uma área importante de nossas cidades seja zero emissões em 2030. Para cumprir esse compromisso, iremos:

– Transformar nossas cidades por meio de políticas de planejamento favoráveis ​​às pessoas;
– Aumentar as taxas de caminhada, ciclismo e uso de transporte público e compartilhado acessível a todos os cidadãos;
– Reduzir o número de veículos poluentes nas ruas e tirar de circulação ou bem distante os veículos alimentados por combustíveis fósseis;
– Comprar veículos (ônibus) de emissão zero para as frotas de nossas cidades, o mais rápido possível;
– Colaborar com fornecedores, operadores de frotas e empresas para acelerar a mudança para esses veículos e reduzir a velocidade em nossos municípios;
– Reportar publicamente e a cada dois anos as ações implementadas pelas cidades em direção a esses objetivos. 

Assinaram o documento:

Anne Hidalgo – Paris
Sadik Kahn – Londres
Eric Garcetti – Los Angeles
Frank Jenssen – Copenhague
Ada Colau, Barcelona
Maurício Rodas, Quito
Gregor Robertson, Vancouver
Patrícia de Lille, Cidade do Cabo
Tim Burguess, Seattle
Miguel Mancera, Cidade do México
Philip Bruce Goff, Auckland e
Giuseppe Sala, Milão

Foto: Dan Freeman (Auckland)

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta