Blogs

Inspiração para a AçãoMarina Maciel, Suzana Camargo e Mônica Nunes contam histórias de empreendedores (sociais, ambientais e culturais), ONGs, empresas e indivíduos que, sozinhos ou coletivamente, realizam trabalhos de impacto social, cultural, econômico e ambiental. São iniciativas que estão acontecendo agora, neste momento, seja numa pequena cidade do interior de Santa Catarina ou numa grande capital europeia.

Por trás das câmerasOs renomados fotógrafos Adriano Gambarini, Daniel De Granville, João Marcos Rosa, Leonardo Merçon, Marcos Amend, Rogério Assis e Zig Koch assinam este blog coletivo, em que revelam os desafios de registrar momentos únicos da biodiversidade, cultura e modo de vida brasileiros.

BioconectaLiana John apresenta a biodiversidade do nosso cotidiano. Não se trata de uma promessa para um futuro distante. Mas a riqueza de espécies já convertidas em alimentos, cosméticos, corantes, música, tecnologias ou inspiração. Um bem comum que podemos proteger com nossas opções de consumo.

Ser Criança é Natural – Rita Mendonça e Ana Carolina Thomé acreditam que a criança é a natureza que se torna humana e, por isso, precisa conviver com ela para seu desenvolvimento sadio e integral. Neste blog, compartilham experiências, reflexões e esperanças para ampliar a difusão dessa ideia e orientar todos que convivem com os pequenos a tornar inesquecíveis estes momentos.

Mãos à Horta – A geógrafa e paisagista Liliana Allodi é uma apaixonada pela educação ambiental. Neste blog, vai passar todo seu conhecimento, através de dicas simples e práticas, para estimular mais pessoas a terem uma horta ou um espaço verde em suas casas e apartamentos. Para ela, além de terra e sementes, são necessários também muito amor e dedicação.

Economia em Sol Maior – “Quem desconfia fica sábio”. A frase é de Guimarães Rosa, escritor mineiro que mora no coração de Mônica Ribeiro. Esse interesse por ‘ficar sábia’ a levou a desconfiar que outras formas de produção e de relação com o trabalho são possíveis. Foi assim que ela descobriu a Economia Solidária, e é sobre essa economia que ela escreve aqui.

Arte na Roda – É um blog para “gente girar, dar meia volta, volta e meia e parar no que move mais e mais artistas: a natureza e as causas ambientais”, define a jornalista cultural Karen Monteiro. Neste espaço ela vai escrever sobre experiências artísticas que soam como um alerta nesse nosso cotidiano de passos pouco sustentáveis.

O Brasil para o Brasil – Com este blog, a jornalista Carolina Pinheiro abre espaço para que os personagens invisíveis do Brasil ganhem o mundo. Por meio de histórias deliciosas, ela apresenta o jeito, a voz, a identidade de pessoas anônimas que residem nos sertões, no agreste, no alto das serras, nas grotas, nas florestas. A cada post, um novo rosto, uma outra realidade, um certo olhar, um Brasil que o Brasil não conhece.

Curiosidade Animal – É verdade que o joão-de-barro prende a parceira no ninho se descobre que foi traído? De onde vem a expressão “abraço de tamanduá”? Qual a diferença entre uma cobra peçonhenta e outra não peçonhenta? Aqui, neste espaço, o biólogo e jornalista Fábio Mitsuka Paschoal conta curiosidades e esquisitices da vida selvagem.

AvoandoSandro Von Matter conta histórias sobre o mundo das aves e como conservar a natureza começando pela sua varanda, janela ou quintal.

Mulheres pelo Mundo – De 2014 a 2015, Gabriele Garcia e Felipe Brescancini viajaram 400 dias por 40 países da Ásia e da África com a missão de viverem na pele a desigualdade e injustiça social. A jornada chamada de Experiência de Empatia – Think Twice Brasil – já rendeu frutos no Brasil, como o projeto Mulheres pelo Mundo criado para tratar a equidade de gênero sob a perspectiva de mulheres e histórias reais que conheceram pelo caminho. Neste blog, eles falam sobre dignidade, empoderamento feminino e função social.

Reconexão Amazônia – A jornalista Karina Miotto inspira ideias e traz sugestões de caminhos para aumentarmos a nossa conexão emocional com a Amazônia, pois ela acredita que sentir carinho, respeito e amor pela maior floresta do planeta é o primeiro passo para mantê-la viva. Suas reflexões têm por base sua trajetória e as descobertas que fez em sua dissertação de mestrado na Schumacher College, Inglaterra.

Sapiens e Outros Bichos – Neste blog, o biólogo José Sabino se dedica a contar histórias do Mundo Natural para estimular as pessoas a se reconectarem ao primata “mezzo” urbano, “mezzo” natural que vive em cada um de nós. Evolução Biológica e Comportamento Animal compõem o fio condutor das narrativas, apoiadas ora com fotografias e vídeos, ora com artigos científicos. Nossos heróis são naturalistas do passado e do presente e as aventuras são seus achados que revelam o espantoso planeta em que vivemos.

Ameríndios do BrasilRenato Soares é fotógrafo e documentarista e, desde 1986, realiza viagens para retratar a expressão cultural do país e a identidade dos povos indígenas. A dedicação a esta causa se fortaleceu há dez anos quando criou o projeto Ameríndios do Brasil para retratar e documentar todas as etnias e dar voz aos índios. Com este blog, o indigenista quer fortalecer ainda mais sua missão, revelando aspectos únicos de sua convivência com esses povos e torná-los mais conhecidos do público, para que sejam respeitados e ouvidos. Afinal, ninguém protege o que não conhece.

Brasil de Cor Jornalista há mais de 30 anos, Herivelto Oliveira quer criar  um canal para dar oportunidade para negros brasileiros mostrarem a sua cara, suas ideias, suas angústias e suas vitórias. O Brasil é o 2o país mais negro do mundo. Só perde para a Nigéria. São mais de 100 milhões de negros e pardos, e ainda assim, é difícil ver esta população ocupando todos os espaços de maneira equilibrada. Não vemos negros nas ruas, nos shoppings, nas praças, nos consultórios

Árvores Vivas – Juliana Gatti descreve aspectos curiosos das árvores, visões e inspirações sobre a relação humana com a natureza urbana e relatos sobre experiências reais de projetos dos quais participa. Quer inspirar, sensibilizar e estimular um novo olhar e a convivência entre pessoas, árvores e um ambiente urbano saudável para todos os seres.

Casal Verde – Zuzu (Maria Zulmira de Souza) e Uli (Ulrich Zens) formam o Casal Verde. Juntos, vivem os dilemas e as delícias de uma época de transição onde as transformações são constantes e profundas. Em canal no YouTube, eles compartilham suas aventuras cotidianas em casa, na cidade ou no mundo –  de práticas sustentáveis a mudanças radicais no comportamento tendo como base o amor e o humor. Neste blog, Uli e Zuzu mostram seus achados e buscas por uma vida mais completa, sustentável e feliz.

Arquivo de Blogs

Gaiatos e Gaianos – Giuliana Capello relata histórias e faz questionamentos de quem acredita que uma vida mais simples é, na verdade, mais rica, livre, leve e bela. Mostra que nosso cotidiano deve ser guiado pela simplicidade voluntária, slow life, conexão com a natureza e consumo responsável.

Urbanidades – Neste blog, Julio Lamas analisou desafios e oportunidades para o alcance da sustentabilidade nas grandes cidades globais, da escala coletiva à individual dos seres urbanos.

Na Garupa – O jornalista Eduardo Cordeiro atua na comunicação e na curadoria de projetos da Associação Garupa, ONG à frente do primeiro portal de crowdfunding do Brasil para financiar iniciativas de turismo sustentável. Nesse blog, ele conta histórias de quem pratica e cria experiências assim, e ama viajar de um jeito mais intenso e positivo. E tem os causos dos bastidores da associação. Sobe na garupa!

Cozinha de Raiz – Frany Müller foca na alimentação saudável, ensinando receitas veganas e descomplicadas, com maior índice de nutrientes, que servem de alternativa para pratos tradicionais e com preocupação em fornecer bem estar. Dá dicas ainda de ingredientes com ação funcional de superalimentos, que causam benefícios extras à saúde física e mental.

Um comentário em “Blogs

  • 27 de setembro de 2016 em 11:41 PM
    Permalink

    CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE / ESPÍRITO SANTO – BRASIL

    RESOLVE:

    Art. 1º Esta Resolução trata especificamente da estruturação de programas de Educação ambiental e de Comunicação Social oriundos de processos de licenciamento ambiental, de autorização e Termos de Ajuste de Condutas e similares, conduzidos pelos órgãos ambientais.
    Art. 2° – Para o entendimento e a aplicação da presente Resolução tem-se:

    I – Percepção Ambiental e Social Definida como sendo uma tomada de consciência do ambiente e do contexto social pelo homem, ou seja, o ato de perceber o ambiente que se está inserido, aprendendo a proteger e a cuidar do mesmo. Cada indivíduo percebe, reage e responde diferentemente às ações sobre o ambiente em que vive. As respostas ou manifestações daí decorrentes são resultado das percepções, dos processos cognitivos, julgamentos e expectativas de cada pessoa. O indivíduo é sensibilizado e informado pela Educação Ambiental, mas reage no dia-a-dia através de seu nível de percepção ambiental e social.

    II – Programa de Educação Ambiental é o conjunto de ações estruturadas que possibilita aos indivíduos tornarem-se sujeitos sociais capazes de compreender e agir no meio ambiente em sua totalidade, construído de forma participativa, integrada, considerando a realidade socioambiental diagnosticada previamente.

    III – Programa de Comunicação Social é o conjunto de ações estruturadas, no âmbito do licenciamento ambiental, que vise auxiliar a comunidade a entender a atividade a ser licenciada ou em operação, bem como os impactos negativos e positivos gerados, e as suas interações com a comunidade do entorno.

    Art. 3° – Esta Resolução estabelece os critérios básicos para a elaboração de programas de educação ambiental e de comunicação social, a serem apresentados e executados em cumprimento das condicionantes das licenças ambientais definidas pelos órgãos ambientais.

    § Único – As licenças ambientais a que se refere este artigo dizem respeito às licenças ambientais em projetos de significativo impacto ambiental sujeitos à elaboração de estudo de impactos ambiental – EIA.

    Art. 4° – Os programas de educação ambiental e de comunicação social a que se refere esta Resolução deverão ser elaborados tendo como base diagnósticos prévios de avaliação de percepção ambiental e social da comunidade envolvida.

    Art. 5° – Os diagnósticos prévios de percepção ambiental e social passam a ser parte integrante do termo de referência do meio socioeconômico apresentado pelo empreendedor para a elaboração do estudo de impacto ambiental – EIA e relatório de impacto ambiental – RIMA, no que concerne a elaboração dos programas de educação ambiental e de comunicação social.

    Artigo 6° – Os dados coletados através da realização dos diagnósticos prévios de percepção ambiental e social devem ser tabulados por meio de metodologia própria que permita a realização de recortes estatísticos que venham a ser necessários ao aprimoramento das análises.
    §1º – Os dados tabulados decorrentes dos diagnósticos realizados devem ser colocados ao conhecimento da comunidade por meio de um evento público, convocado pelo órgão ambiental, especificamente convocado com esta finalidade, onde a consultoria responsável pela estruturação dos programas de educação ambiental e o de comunicação social possa debater com a comunidade os dados das pesquisas conduzidas.

    §2º Os resultados dessa reunião serão registrados em uma ata própria, a ser encaminhada ao órgão ambiental competente.

    §3º Os programas de educação ambiental e de comunicação social deverão explicitar a correlação entre as ações propostas nos referidos programas e os resultados obtidos dos diagnósticos prévios elaborados.

    Art. 7º – Os instrumentos usados no desenvolvimento dos diagnósticos devem ser disponibilizados pelo empreendedor e colocados à aprovação prévia do órgão ambiental, que os divulgará.

    Parágrafo único. Será decisão do empreendedor a utilização de um único instrumento para as duas avaliações (ambiental e social) ou se lançará mão de instrumentos aplicados separadamente.

    Art. 8º O Programa de Educação Ambiental e o Programa de Comunicação, deverão conter como anexo, no mínimo, as seguintes informações:
    I – instrumentos usados;
    II – estruturação dos grupos da sociedade que foram pesquisados,
    III – total de instrumentos aplicados,
    IV – tabulação dos resultados e respectivos recortes utilizados,
    V – correlação entre as informações tabuladas;
    VI – estruturação dos Programas e a ata da reunião de apresentação dos dados tabulados à comunidade pesquisada.

    Art. 9º Caberá ao agente executor a definição de um plano básico de amostragem dos diferentes segmentos da sociedade – lideranças comunitárias, professores, comunidade, comunidades tradicionais, entre outros – aos quais deverão ser aplicados os instrumentos de avaliação prévia do perfil de percepção ambiental e social.

    §1º. Este programa deve especificar, além dos segmentos a serem amostrados, os quantitativos envolvidos em cada um deles.

    §2º. Do ponto de vista estatístico, a pesquisa será do tipo indicadora de tendência.

    Art. 10 – Os resultados dos diagnósticos prévios de percepção ambiental e social deverão ser encaminhados ao órgão licenciador devidamente tabulados e explicitando como as informações quantificadas junto aos diferentes segmentos pesquisados foram incorporadas quando da estruturação dos Programas de Educação Ambiental e o de Comunicação Social.

    Parágrafo único – Os recortes estatísticos que forem produzidos a partir do banco de dados original das percepções ambiental e social devem ser também explicitados.

    Art. 11. Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

    Art. 12. Revogam-se as disposições em contrário.

    EM TEMPO
    Em anexo um exemplo de pesquisa de percepção ambiental / social realizada com produtores rurais do ES, bem como programa realizado para a ASPEA (Portugal) e ASED (Moçambique)

    Roosevelt
    Presidente da CT de Políticas do CONSEMA
    roosevelt@ebrnet.com.br

    Resposta

Deixe uma resposta