WikiLab: que tal ajudar a imprimir (e construir) um laboratório de tecnologias livres?


Vai até 4/6 o financiamento coletivo para a construção do espaço do WikiLab, laboratório de tecnologias livres idealizado pelo LabLivre (Laboratório de Tecnologias Livres da Universidade Federal do ABC – UFABC, em São Paulo, que reúne pesquisadores e alunos) e a comunidade hacker da região. “Este projeto vai reunir um laboratório acadêmico, que trabalhará com tecnologias livres e abertas para cultura e direitos humanos junto com o MakerSpace da região”, explica Sérgio Amadeu da Silveira, professor da UFABC e coordenador do projeto. E também terá um espaço aberto para que qualquer pessoa possa fazer um projeto usando as tecnologias livres disponíveis.

“Trazer o WikiLab para dentro da universidade vai ser uma grande oportunidade para discutirmos essas formas muito novas e muito inovadoras de produção”, diz Maria Carotto, professora da universidade. Jerônimo Pellegrini, também docente, completa: “Ele vai unir o mundo das tecnologias livres com o das ciências humanas, na forma de políticas públicas. Queremos um laboratório feito com tecnologia livre para incentivar as tecnologias livres”. E Victor Fragoso, do MakerSpace e aluno da UFABC finaliza: “A importância de criarmos um espaço como o WikiLab dentro da universidade é justamente para quebrar o paradigma de esses lugares só são frequentados por nerds e profissionais da tecnologia”.

Mas, para realizar esse sonho, em terreno doado pela universidade, eles querem imprimir esse laboratório usando o sistema de construção wikihouse. Yorik Van Havre, do Uncreated.net, coletivo responsável pelo projeto, explica como funciona: “O conceito principal da wikihouse é a força do encaixe das placas de madeira que são cortados por uma máquina ligada a um computador que determina o corte e o encaixe das peças. Depois, você monta as peças como se fosse um jogo de criança. E, neste caso, o grande final – a construção do laboratório – vai ser feito por todo mundo junto”.

O Uncreated.net é um coletivo internacional baseado no Brasil, que trabalha de forma colaborativa e aberta, usando tecnologias livres para produzir arquitetura aberta, acessível, barata e em sintonia com o meio ambiente e o ser humano. Por isso, Yorik ainda destaca: “Todo o desenvolvimento do projeto é livre, open source, aberto, vai ficar na internet. Toda a documentação vai ficar disponível online, para quem quiser”.

E Maíra Zasso, também do Uncreated.net, completa: “É muito importante que trabalhemos para produzir alternativas mais baratas. E, neste projeto, nós ainda vamos colocar nossa experiência com o clima brasileiro, com os nossos problemas aqui para fazer com que essa tecnologia seja viável. E destaca: “A gente vai conseguir produzir um material para que outras construções que venham depois dessa sejam melhores, mais aperfeiçoadas, pois esse é o espírito do software livre, esse é o espírito da colaboração”. Assim, o WikiLab ainda será a primeira wikihouse de São Paulo!

Bom… e por que ajudar um projeto localizado no Grande ABC (Santo André, São Bernardo e São Caetano), ou seja, tão específico da região? Porque, além de incentivar a criação de projetos relacionados principalmente à cultura e direitos humanos – temas caros ao LabLivre como contou Sérgio Amadeu -, tudo que for criado lá terá seu código aberto, ficará disponível na internet para quem quiser, como o projeto arquitetônico.

Então, agora é que você pode entrar e fazer parte deste projeto. Para construir o primeiro módulo do WikiLab, foi criado um crowdfunding no site Catarse que está quase chegando perto da meta de 63 mil reais: faltam apenas 3.098 reais (20h40 do dia 1/6). O último dia para participar, com 20 a 5 mil reais, é 4 de junho. 

Agora, corre lá para fazer sua contribuição para que o projeto saia do sonho e da página do crowdfunding vitorioso e vire realidade. Se quiser aprofundar, assista ao vídeo abaixo sobre o WikiLab e aos depoimentos de todos os envolvidos.

Ilustração: Divulgação

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Deixe uma resposta