WeWood: sobras de madeira ganham vida nova e o planeta novas árvores

relógios wewood

Foi na pequena cidade de Lamporecchio, na Toscana, que os amigos Alessandro Rosano, Daniele Guidi e Emma Bogren começaram seu negócio em 2009. Apesar de não terem nenhum conhecimento de relojoaria – a arte de confeccionar relógios -, Rosano desenhava sapatos e Guidi tinha experiência na distribuição de acessórios de moda, os amigos decidiram fabricar relógios de madeira.

Para eles, o mais importante é que a empresa fosse completamente comprometida com a sustentabilidade. Nascia então a WeWood. Os relógios são feitos somente a partir de madeira reutilizada, ou seja, sobras de outros produtos, como instrumentos musicais e móveis, resíduos estes que, invariavelmente teriam como destino o lixo. Além disso, as peças da marca não recebem nenhum tipo de tratamento químico, graças a isso, a madeira dos relógios vai envelhecendo naturalmente e com o tempo, pode mudar de cor, seguindo o curso natural de sua vida.

Em 2010, com o crescimento da marca, a WeWood abriu uma loja nos Estados Unidos e fechou uma parceria importante com a American Forests. A organização é a mais antiga aos Estados Unidos a trabalha pela conservação e recuperação de florestas, não só naquele país, como em diversos outros lugares do mundo.

Com a parceria, a cada relógio WeWood comprado, uma nova árvore é plantada pela American Forests. Nos últimos 5 anos, já foram plantadas aproximadamente 440 mil mudas. No Brasil, foram 3 mil árvores semeadas na Mata Atlântica.

Mais recentemente, a marca italiana também começou a destinar parte de seus lucros para a Trees for the Future. Junto com esta organização, o dinheiro doado pela WeWood foi utilizado para plantar 50 mil árvores em Honduras, nas cidades de La Paz e Intibuca, regiões de extrema pobreza. Lá, especialistas trabalharam ao lado da comunidade local, para escolher quais seriam as melhores espécies a serem cultivadas para ajudar na subsistência das famílias e também, garantir renda econômica para as mesmas, através do cultivo de frutíferas e a exploração sustentável da madeira.

Além de relógios, a WeWood fabrica óculos. Mas em vez de utilizar madeira reaproveitada, as armações são produzidas com fibras de algodão. O material, orgânico, é durável e à prova d’água.

Guidi, Rosano e Emma acreditam que a cada árvore plantada, garantiremos um mundo melhor. A meta dos italianos é que, com seu negócio sustentável, até 2020, eles consigam patrocinar o plantio de 1 milhão de mudas. Segundo eles, “o melhor momento para plantar uma árvore é 20 anos atrás. O segundo melhor momento, é agora”.

Design sustentável brasileiro

No Brasil, a carioca Zerezes também enxergou em sobras de madeira a oportunidade de criar um negócio sustentável e extremamente atraente.

Victor Lanari, Luiz Eduardo Rocha, Henrique Meyrelles e Hugo Galindo são os fundadores da marca, que fabrica hastes artesanalmente com restos de madeira. Para os designers, há um processo de “redescobrimento da matéria-prima”, já que os óculos da Zerezes são feitos, muitas vezes, com madeiras nobres – como Pinhos de Riga, Peroba Rosa e Jacarandá -, descartados pelas ruas da cidade. Na Zerezes, foram resgatadas técnicas manuais, pouco utilizadas atualmente, e sobretudo, com baixo impacto ambiental. Segundo os sócios, “madeiras descartadas estão sendo ressignificadas”.

O projeto do Rio de Janeiro tem ainda um lado poético e de reconhecimento das ruas da cidade. Em algumas coleções, os óculos ganham o nome da rua onde a sobra de madeira, utilizada para a fabricação da moldura, foi encontrada. Desta maneira, a peça terá uma pequena inscrição com o local de seu “nascimento”, digamos assim: rua do Ouvidor, rua São Sebastião … Uma homenagem linda e sustentável à cidade!

wewood-zerezes-800

Óculos feitos com madeira reaproveitada da marca Zerezes, do Rio de Janeiro


Fotos: divulgação WeWood e Zerezes

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “WeWood: sobras de madeira ganham vida nova e o planeta novas árvores

  • 5 de julho de 2016 em 6:35 PM
    Permalink

    Primeiramente agradecemos imensamente o interesse nos relógios de madeira da WeWood.
    Vimos que fez uma pesquisa interessante na história da marca e sua fonte esta corretíssima.
    Ficamos abertos a esclarecimentos sobre nossas políticas aqui no Brasil e queremos, se possível, aparecer mais vez por aqui.

    Grande Abraço,

    Gustavo Bayma
    Sócio do Grupo Zarco
    – Licenciado WeWood Watches no Brasil

    Resposta

Deixe uma resposta