“Vocês precisam fazer o impossível. Porque desistir não pode ser nunca uma opção”, diz Greta Thunberg ao Congresso dos EUA

“Vocês precisam fazer o impossível. Porque desistir não pode ser nunca uma opção”, diz Greta Thunberg ao Congresso dos EUA

Pelo segundo dia consecutivo, ontem (19/09), Greta Thunberg esteve diante dos senadores do congresso americano, em Washington D.C., capital dos Estados Unidos. Novamente, a jovem ativista sueca, do alto de seus 16 anos, fez um discurso impressionante, que ficará para a história.

Greta lembrou Martin Luther King e os sacrifícios de outros tantos ativistas para inspirar os políticos a agirem, de maneira urgente, para combater as mudanças climáticas.

“Eu sonho com o dia em que os poderosos vão levar a sério a crise climática. O tempo de conto de fadas deles já acabou”, afirmou.

Impossível separar uma ou mais frases do que a adolescente falou. Todas são impactantes. E é por isso, que resolvemos reproduzir, aqui no Conexão Planeta, seu discurso na íntegra.

É simplesmente lindo, inspirador e necessário.

Meu nome é Greta Thunberg, tenho 16 anos e sou da Suécia. Sou grata por estar com vocês aqui nos Estados Unidos. Uma nação que, para muitas pessoas, é o país dos sonhos.

Eu também tenho um sonho: que governos, partidos políticos e empresas compreendam a urgência da crise climática e ecológica e se unam apesar de suas diferenças – como vocêm fariam em um caso de emergência – e tomem as medidas necessárias para salvaguardar as condições para uma vida digna por todos na terra.

Porque então – nós, milhões de jovens em situação de escola – poderíamos voltar à escola.

Tenho um sonho de que as pessoas no poder, assim como a mídia, comecem a tratar esta crise como a emergência existencial que é. Para que eu pudesse voltar para casa para ver minha irmã e meus cachorros. Porque eu sinto saudades deles.

Na verdade, eu tenho muitos sonhos. Mas este é o ano de 2019. Este não é o momento e o lugar para sonhos. Este é o momento de acordar. Este é o momento da história em que precisamos estar bem acordados.

E sim, precisamos de sonhos, não podemos viver sem sonhos. Mas há tempo e lugar para tudo. E os sonhos não podem atrapalhar a maneira de dizer como as coisas devem ser.

E, no entanto, onde quer que eu vá, pareço estar cercada por contos de fadas. Líderes empresariais, funcionários eleitos em todo o espectro político gastam seu tempo inventando e contando histórias para dormir que nos acalmam, que nos fazem voltar a dormir.

Essas são histórias de “sentir-se bem” sobre como vamos consertar tudo. Como tudo vai ser maravilhoso quando “resolvermos” tudo. Mas o problema que estamos enfrentando não é que não tenhamos a capacidade de sonhar ou de imaginar um mundo melhor. O problema agora é que precisamos acordar.

É hora de enfrentar a realidade, os fatos, a ciência. E a ciência não fala principalmente de “grandes oportunidades para criar a sociedade que sempre desejamos”. Ela fala de sofrimentos humanos não ditos, que pioram cada vez mais quando adiarmos a ação – a menos que comecemos a agir agora.

E sim, é claro que um mundo transformado sustentável incluirá muitos novos benefícios. Mas vocês têm que entender. Esta não é uma oportunidade para criar novos empregos verdes, novos negócios ou crescimento econômico verde. Acima de tudo, é uma emergência, e não apenas uma emergência. Esta é a maior crise que a humanidade já enfrentou.

E precisamos tratá-la adequadamente, para que as pessoas possam entender a urgência. Porque vocês não podem resolver uma crise sem tratá-la como uma. Parem de dizer às pessoas que tudo ficará bem quando, de fato, como parece agora, não ficará muito bem. Isso não é algo que vocês podem empacotar e vender ou “curtir” nas mídias sociais.

Parem de fingir que vocês, suas ideias de negócio, seus partidos ou planos políticos resolverão tudo. Devemos perceber que ainda não temos todas as soluções. Longe disso. A menos que essas soluções signifiquem que simplesmente paramos de fazer certas coisas.

Mudar uma fonte de energia desastrosa para outra menos desastrosa não é progresso. Exportar nossas emissões para o exterior não está reduzindo nossas emissões. A contabilidade criativa não nos ajudará. De fato, é o cerne do problema.

Alguns de vocês já devem ter ouvido dizer que temos 12 anos a partir de 1 de janeiro de 2018 para reduzir pela metade nossas emissões de dióxido de carbono. Mas acho que quase nenhum de vocês já ouviu falar que há 50% de chance de ficarmos abaixo de um aumento de 1,5 graus Celsius da temperatura global acima dos níveis pré-industriais. 50% de chance.

E esses cálculos científicos atuais e melhores disponíveis não incluem pontos de inflexão não lineares, bem como a maioria dos ciclos de feedback imprevistos, como o gás metano extremamente poderoso que escapa do permafrost ártico que derrete rapidamente. Ou já travado no aquecimento escondido pela poluição do ar tóxico. Ou o aspecto da equidade; justiça climática.

Portanto, uma chance de 50% – um giro estatístico de uma moeda – definitivamente não será suficiente. Seria impossível defender moralmente. Alguém de vocês entraria em um avião se soubesse que tinha mais de 50% de chance de cair? Melhor anda: vocês colocariam seus filhos naquele voo?

E por que é tão importante permanecer abaixo do limite de 1,5 grau? Porque é isso que a ciência unida exige, para evitar desestabilizar o clima, para que fiquemos livres de desencadear uma reação em cadeia irreversível além do controle humano. Mesmo com 1 grau de aquecimento, estamos vendo uma perda inaceitável de vidas e meios de subsistência.

Então por onde começamos? Bem, eu sugeriria que começássemos a examinar o capítulo 2, na página 108 do relatório do IPCC lançado no ano passado. Bem ali, diz que, se tivermos uma chance de 67% de limitar o aumento da temperatura global abaixo de 1,5 graus Celsius, tínhamos, em 1 de janeiro de 2018, cerca de 420 Gtonnes de CO2 restantes para emitir naquele orçamento de dióxido de carbono. E é claro que esse número é muito menor hoje. Como emitimos cerca de 42 Gtonnes de CO2 a cada ano, se você incluir o uso da terra.

Com os níveis de emissões atuais, esse orçamento restante é reduzido em menos de 8 anos e meio. Esses números não são minhas opiniões. Eles não são opiniões de outros ou posições políticas de alguém. Esta é a melhor ciência disponível atualmente. Embora um grande número de cientistas sugira que mesmo esses números sejam moderados demais, esses são os que foram aceitos por todas as nações através do IPCC.

E notem que esses números são globais e, portanto, não dizem nada sobre o aspecto da eqüidade, claramente indicado ao longo do Acordo de Paris, que é absolutamente necessário para funcionar em escala global. Isso significa que os países mais ricos precisam fazer sua parte e reduzir a zero as emissões muito mais rapidamente, para que as pessoas nos países mais pobres possam aumentar seu padrão de vida, construindo parte da infraestrutura que já construímos. Como estradas, hospitais, escolas, água potável e eletricidade.

Os Estados Unidos são o maior poluidor de carbono da história. São também o principal produtor mundial de petróleo. E, no entanto, vocês também são a única nação do mundo que sinalizou sua forte intenção de deixar o Acordo de Paris. Como dito anteriormente: “Foi um mau negócio para os Estados Unidos”.

Quatrocentos e vinte Gt de CO2 não deveriam ter sido emitidos a partir de 1o de janeiro de 2018 para termos uma chance de 67% de permanecer abaixo de um aumento de temperatura global de 1,5 graus. Agora esse número já caiu para menos de 360 Gt.

Esses números são muito incômodos. Mas as pessoas têm o direito de saber. E a grande maioria de nós não tem idéia de que esses números existam. De fato, nem os jornalistas que conheço parecem saber que eles existem. Sem mencionar os políticos. E, no entanto, todos parecem tão certos de que seu plano político resolverá toda a crise.

Mas como podemos resolver um problema que nem sequer entendemos completamente? Como podemos deixar de fora o cenário completo e a melhor ciência disponível atualmente?

Eu acredito que há um enorme perigo em fazê-lo. E não importa quão político seja o pano de fundo dessa crise, não devemos permitir que isso continue sendo uma questão política partidária. A crise climática e ecológica está além da política partidária. E nosso principal inimigo agora não são nossos oponentes políticos. Nosso principal inimigo agora é a física. E não podemos fazer “acordos” com a física.

Todo mundo diz que fazer sacrifícios pela sobrevivência da biosfera – e garantir as condições de vida para as gerações futuras e atuais – é algo impossível de se fazer.

De fato, os americanos fizeram grandes sacrifícios para superar terríveis probabilidades antes.

Pensem nos bravos soldados que correram em terra na primeira onda na praia de Omaha no dia D. Pensem em Martin Luther King e nos outros 600 líderes dos direitos civis que arriscaram tudo para marchar de Selma a Montgomery. Pensem no presidente John F. Kennedy anunciando em 1962 que os Estados Unidos “escolheriam ir à lua nesta década e fazer as outras coisas, não porque são fáceis, mas porque são difíceis …”

Talvez seja impossível. Mas olhando para esses números – olhando para a melhor ciência disponível atualmente assinada por todas as nações -, acho que é exatamente isso que estamos enfrentando.

Mas vocês não deve gastar todo o seu tempo sonhando, ou ver isso como uma luta política para vencer.

E vocês não devem arriscar o futuro de seus filhos com um simples ‘cara e coroa’.

Em vez disso, vocês devem ouvir da ciência.

Vocês devem agir.

Vocês devem fazer o impossível.

Porque desistir não pode ser nunca uma opção”.

Leia também:
“Vocês não estão tentando o suficiente”, diz Greta Thunberg a senadores do Congresso dos Estados Unidos
Greta Thunberg fala no parlamento francês, dribla os deputados conservadores e envia mensagem para jovens brasileiros
Greta Thunberg é nomeada ‘Game Changer of The Year’ pela revista britânica GQ
Greta Thunberg atravessará o Atlântico a bordo de um veleiro de regata para participar da Cúpula do Clima, em Nova York
Greta Thunberg, líder da greve mundial de estudantes pelo clima, doa prêmio de mais de R$ 100 mil para ONGs

Foto: reprodução Twitter Greta Thunberg

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta