Você já ouviu falar de Turismo de Base Comunitária?

Fotos-Seminário-nas-mãos-dos-pescadores-191

Dormir em um bangalô flutuante, sobre um lago dos confins da Amazônia. Degustar a geleia de kiwi fresquinha e o caqui vindo direto do pomar, em um sítio da Serra Catarinense. Fazer trilhas e passeios de jangada depois de ouvir as ótimas histórias dos moradores, no litoral do Ceará. Pronto, você já tem uma ideia do que são algumas das melhores experiências de turismo de base comunitária (TBC) no Brasil.

Quando tratamos de TBC, estamos falando de uma “modalidade do turismo sustentável cujo foco principal é o bem-estar e a geração de benefícios para a comunidade receptora”, como definem os pesquisadores Ivan Bursztyn, Roberto Bartholo e Mauricio Delamaro no artigo Turismo para quem? Sobre caminhos de desenvolvimento para o turismo no Brasil, publicado pelo Ministério do Turismo.

Esse tipo de turismo leva em consideração as diversidades culturais e ambientais de cada destino, e a sua organização é realizada por meio da participação democrática da comunidade local, de forma que ela possa planejar o desenvolvimento turístico do lugar de acordo com as suas necessidades.

O Brasil tem um bom número de iniciativas desse tipo, ainda que elas não sejam muito conhecidas. Algumas delas são reunidas pela Rede Brasileira de Turismo Solidário e Comunitário (Turisol), que realizou em agosto o II Encontro Nacional da Rede Turisol – viabilizado através de crowdfunding na plataforma Garupa, em abril deste ano.

O evento, em Brasília, contou com representantes de comunidades, ONGs, agências e operadoras, universidades, empresas privadas e órgãos públicos, com o objetivo de discutir alguns temas-chaves do desenvolvimento desse tipo de turismo no país. Palestras, rodas de conversa, feira de negócios e workshops – como o realizado pela Garupa sobre Como criar projetos de turismo sustentável para financiamento coletivo – foram algumas das atividades.

Para os ativistas presentes, a ausência de representantes do Ministério do Turismo, do Ministério do Meio Ambiente e do ICMBio, , nas discussões, prejudica o desenvolvimento dessas iniciativas e a criação de políticas públicas voltadas para esse tipo de turismo. O Ministério do Turismo só começou a promover o TBC em 2008, com o lançamento do Edital de Chamada Pública de Projetos de Turismo de Base Comunitária. Na ocasião, foram recebidas mais de 500 propostas de projetos, mas apenas 50 foram contempladas. A articulação e gestão da Rede Turisol foi uma delas, o que resultou no I Encontro Nacional, ocorrido em 2010, e na publicação sobre as sete iniciativas pioneiras da Rede: Projeto Bagagem, Acolhida na Colônia, Rede Tucum, Casa Grande, Saúde e Alegria, Mamirauá e Silves.

Todas elas são exemplos inspiradores para a condução e a comercialização de TBC no Brasil – Mamirauá, Acolhida na Colônia e Rede Tucum representam as experiências citadas no começo deste texto. Mas, como dissemos lá em cima, são só uma pequena parte entre tantos projetos legais e sustentáveis espalhados por todo o território. Boas iniciativas de TBC não faltam, e vale muito conhecê-las. A Garupa recomenda.

Na foto (Divulgação), passeio de jangada da Rede Tucum, na Prainha do Canto Verde, um dos cases de turismo de base comunitária no Brasil

Viajar pode fazer mais. Por você e pelos lugares que visita. Este é o lema da Associação Garupa, Organização Social de Interesse Público (OSCIP) que trabalha com o turismo sustentável como ferramenta para promover distribuição de renda e preservação de riquezas naturais e culturais do Brasil. A Garupa atua no apoio a comunidades e iniciativas em três frentes: por meio de consultoria para campanhas de crowdfunding, da realização de Expedições Garupa ou da divulgação de experiências sustentáveis através do Guia do Brasil Autêntico.

Na Garupa

Viajar pode fazer mais. Por você e pelos lugares que visita. Este é o lema da Associação Garupa, Organização Social de Interesse Público (OSCIP) que trabalha com o turismo sustentável como ferramenta para promover distribuição de renda e preservação de riquezas naturais e culturais do Brasil. A Garupa atua no apoio a comunidades e iniciativas em três frentes: por meio de consultoria para campanhas de crowdfunding, da realização de Expedições Garupa ou da divulgação de experiências sustentáveis através do Guia do Brasil Autêntico.

2 comentários em “Você já ouviu falar de Turismo de Base Comunitária?

  • 2 de outubro de 2015 em 8:56 AM
    Permalink

    Olá gostaria de parabenizá-los pela pauta escolhida. O turismo pode ajudar muito o planeta através da implementação de ações de sustentabilidade. Além de ajudar com as ações em si, também possui grande poder de conscientização, já que os hóspedes passam a conhecer pessoalmente as ações desenvolvidas.

    Aproveito para convidá-los a conhecer o Portal EcoHospedagem (www.ecohospedagem.com) que visa incentivar praticas de sustentabilidade no turismo.

    Um abraço,

    Thiago Cagna

    Resposta
    • 27 de outubro de 2015 em 11:32 AM
      Permalink

      Olá, Thiago!

      Que bom que gostou da pauta. Nossa ideia aqui é sempre falar sobre as histórias de pessoas que trabalham com turismo sustentável e informar nossos leitores sobre como viajar dessa forma é mais intenso e gratificante. (:

      Continue nos acompanhando e dando o seu feedback!

      Abraços,

      Resposta

Deixe uma resposta