Violinista e cantora lírica sem-teto canta no metrô em Los Angeles, ganha fama nas redes sociais e trabalho

Emily Zamourka tem 52 anos, nasceu na Rússia e foi morar nos Estados Unidos em 1999. Violinista, pianista e cantora lírica (neste caso, sem formação), vivia como instrumentista até ficar doente e, em seguida, ter seu violino roubado, há dois anos. Sem conseguir sobreviver e pagar as contas do tratamento médico, Emily foi morar nas ruas de Los Angeles, sempre acompanhada de um carrinho de supermercado que guarda seus pertences.

Sem perspectiva alguma, ela passeava pelas ruas e pelo metrô da cidade, recorrendo ao único instrumento que lhe restava para chamar a atenção: sua bela voz. 

Foi assim que policiais a encontraram e, tocados pela beleza de seu canto (que diferença para a polícia que conhecemos no Brasil, não?), gravaram um vídeo em que ela aparece interpretando O mio babbino caro, da ópera Gianni Schichi, considerada uma das mais belas obras de Giacomo Puccini.

O vídeo – feito por Alex Frazier (na foto abaixo, com Emily) -, foi publicado na conta de Twitter da polícia de Los Angeles, acompanhado por um texto delicado (abaixo também). Viralizou rápido, claro, e está ajudando a transformar sua história novamente.

Veja o tweet abaixo e a tradução da legenda: “Quatro milhões de pessoas chamam Los Angeles de lar. Quatro milhões de vozes … às vezes você só precisa parar e ouvir uma delas, ouvir algo lindo”.

Pois, no sábado passado, 5 de outubro, Emily fez sua primeira apresentação como cantora contratada, em um evento organizado pela comunidade italiana da cidade. Nele, interpretou a mesma ária que a tornou popular.

Antes de iniciar a apresentação, ela avisou: “Não sou cantora profissional, mas sou muito crítica sobre como vou cantar ou com minha performance”. No final, agradeceu a acolhida: “Eu toquei o espírito de vocês e estou muito feliz em poder tocar seus corações com minha voz”. Você pode assistir a essa apresentação abaixo, no final deste post.

A pessoa que a contratou para o show no evento da comunidade italiana, também organizou uma campanha de crowdfunding, na plataforma Gofundme, para ajudá-la a arrecadar dinheiro e comprar um violino. A meta da doação é de 85 mil dólares. Até hoje, foram doados 77.847 dólares por cerca de 2.200 pessoas. “Se é a vontade de Deus que minha vida mude, agradeço. Sou muito grata a quem está tentando me ajudar a sair das ruas”, disse.

Ao mesmo tempo, de acordo com o site MDig, o produtor musical americano Joel Diamond, indicado duas vezes ao Grammy Award, ofereceu um contrato fonográfico para Emily. Diamond revelou que quer criar um grande sucesso para a soprano, misturando música clássica e dance. Mesmo sem dizer se aceitará a proposta, o produtor se adiantou e disse que o contrato incluiria a gravação de um disco intitulado Paradise. Rápido, ele, não?

Muita sorte para Emily!

A quantidade de pessoas morando nas ruas, em qualquer centro urbano, tem crescido de forma assustadora nos últimos dois anos. Em abril de 2018, a revista Exame divulgou que, em um ano, a quantidade de sem-teto em Los Angeles – cidade onde vive Emily – crescera cerca de 23%. Em seis anos (2012 a 2018) foram 75%.

Leia também:
Muita dignidade para moradores de rua da Califórnia e da Bahia
Em dois anos, Lisboa reduz pela metade a população de moradores de rua com programas alternativos
Grandes empresas de Sao Francisco pagarão imposto para financiar programas de ajuda a moradores de rua

Fotos: Reprodução de vídeo (destaque) e Branimir Kvartuc (Emily e policial)

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta