Vídeo mostra imagens brutais da caça a uma onça-parda em Santa Catarina


*Atualizado em 22/08/2018

Esta semana, o Observatório de Justiça e Conservação (OJC) recebeu um vídeo denúncia com imagens chocantes e decidiu que elas deveriam ser compartilhadas publicamente.

A entidade, uma iniciativa apartidária e colaborativa, que trabalha fiscalizando ações e inações do poder público no que se refere à prática da corrupção e de incoerências legais em assuntos relativos à conservação da biodiversidade, prioritariamente no Sul do Brasil, entrou em contato com o Conexão Planeta, com quem já tem uma parceria, pedindo apoio para a divulgação do material.

Apesar do conteúdo brutal dos vídeos, também, acreditamos que seja de suma importância torná-lo de conhecimento público para o maior número de pessoas possível para que elas saibam o que pode acontecer caso venha a ser aprovado um projeto de lei que pretende permitir a caça de animais silvestres em todo território nacional, inclusive em Unidades de Conservação (UCs) e a criação de campos de caça esportiva e comercial, como noticiamos neste outro post.

Pois as imagens recebidas pelo OJC mostram justamente o assassinato brutal de uma onça-parda (Puma concolor) – conhecida no sul do Brasil como leão baio ou suçuarana -, por caçadores em alguma região de Rio Novo e Serra dos Alves, em Santa Catarina. O animal é morto com pancadas, tiros e com auxílio de cachorros. Depois, é decapitado.

Em sua página no Facebook, o OJC diz:

Em respeito ao animal, optamos por apresentar como imagem de destaque a figura dele como deveria. Saudável, respeitado e na natureza estar (a foto que segue mais abaixo) … A razão para compartilharmos isso é apenas uma: expor a situação, que pode se tornar ainda mais comum e habitual se o projeto de lei 6268/2016, de autoria do deputado Valdir Colatto (MDB-SC), que regulamenta a caça de animais silvestres no Brasil, for aprovado. Essa lei prevê alterações na Política Nacional de Fauna para permitir o abate de ANIMAIS SILVESTRES em todo o território nacional. Ele propõe, ainda, a criação de campos de caça esportiva e comercial no país; algo que, comprovadamente, potencializou a extinção de espécies em países onde já foi implementado”.

Em um dos vídeos, um homem em tom jocoso segura a cabeça do animal morto. Ele seria Lauri Sutil Narciso, ex-vereador do município catarinense de Agrolândia e hoje servidor público da prefeitura. De acordo com o OJC, ele é um dos vereadores envolvidos em um escândalo de servidores públicos que gastaram dinheiros público em compras pessoais no Paraguai. Todos, incluindo Lauri, foram condenados na época pela Justiça e obrigados a ressarcir o município. Eles também ficaram impedidos de exercer cargos políticos pelo período de oito anos.

A Polícia Civil já abriu um inquérito para apurar o crime contra o animal.

#TodosContraACaça

A onça-parda é uma espécie de topo de cadeia, ameaçada de extinção e fundamental para o equilíbrio de todo o ecossistema e biodiversidade. A supressão dessa espécie causa violento desequilíbrio natural. Sua principal função é controlar a superpopulação de diversos outros animais.

Estima-se que, atualmente, apenas mil indivíduos ainda vivam em toda a Mata Atlântica. A redução das áreas naturais provocou o desaparecimento do puma em diversas regiões do Brasil. E a falta de alimento nos locais remanescentes, muita vezes, o leva a atacar criações de gado e de ovelhas, o que o ameaça ainda mais.

Originalmente, a onça-parda ocorria em quase todo o território brasileiro, bem como nas três Américas, desde o Chile e norte da Argentina até o norte do Canadá.


Vídeo mostra imagens brutais da caça a uma onça-parda no Paraná

Estima-se que restem somente mil onças-pardas na Mata Atlântica

Leia aqui a cartilha feita pelo movimento #TodosContraACaça, que explica a ideia abusiva no detalhe. O documento lembra, ainda, o sofrimento que a prática causa a outros animais envolvidos nela, como os cachorros. “A caça com cães é especialmente cruel tanto para animais silvestres quanto para os cães. A atividade tem o sofrimento e os maus tratos a animais intrinsecamente em sua prática, o que é expressamente vedado pelo Artigo 32º da Lei 9.605/98″.

Não podemos permitir que violências como essas continuem acontecendo e se intensifiquem. Pense nisso!

Para assistir aos vídeos com as imagens revoltantes do animal assassinado, acesse a página do Instagram do OJC, neste link.

________________________________________________________________________________

*Segundo uma reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, em 17/08/2018, teriam sido mortas duas onças: a mãe e o filhote, de quem seria a cabeça decapitada no vídeo. Os envolvidos no episódio foram multados pelo Ibama em R$ 743 mil. Procurados pelo jornalista que escreveu a matéria, eles alegaram que “as onças estariam comendo ovelhas e gado e que o vídeo foi feito há três ou quatro anos”. 

Fotos: reprodução vídeo e Zig Koch (onça-parda)

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta