Venda de foie gras pode ser proibida em Nova York

Venda de foie gras pode ser proibida em Nova York

Um projeto de lei a ser votado nos próximos meses, pelo Conselho da Cidade de Nova York, nos Estados Unidos, pode proibir a comercialização da famosa “iguaria” francesa, o foie gras, um patê feito de fígado de ganso, pato ou marreco.

A questão é que o processo de fabricação dele, chamado de “gavage”, envolve um método cruel e bárbaro. É necessário que os animais fiquem com o órgão dilatado (até 10 vezes seu tamanho normal) para que o fígado seja bastante gorduroso e para isso, eles são confinados e alimentados exaustivamente.

Alguns criadores usam luz artificial para que as aves fiquem acordadas mais tempo e comam maiores quantidades de ração e em outros casos, a comida é injetada através de tubos diretamente no esôfago.

Se o projeto de lei for aprovado em Nova York, quem desobeder a norma poderá pagar multa de até US$ 1 mil ou ter de cumprir um ano de detenção. Ou ambos, prevê o texto.

Foie gras: proibição em diversos países

Em 2004, uma legislação igual, banindo a comercialização de foie gras, foi aprovada no estado da Califórnia, todavia, só passou a valer em 2012. A associação de fabricantes do produto entrou com uma ação contra a decisão na Corte Federal de Los Angeles, mas acabou perdendo o caso em 2017.

Em 2005, a Suprema Corte de Israel decidiu também que a produção de foie gras violava as leis de crueldade com animais do país e a prática foi proibida.  

Alemanha, Reino Unido Suíça baniram a fabricação do patê, entretanto, a venda (importação) neste último ainda é permitida, mas é necessário constar na embalagem a informação de que as aves foram alimentadas à força. Em 2014, a Índia proibiu a importação de foie gras e a União Europeia trabalha para eliminar progressivamente a alimentação forçada de aves em seus países membros até 2020.

No Brasil, em 2015, uma lei no município de São Paulo tornou ilegal a produção e a comercialização, mas foi considerada inconstitucional pela justiça.

Já no ano passado, em Florianópolis, a regulamentação foi bem-sucedida. A multa para quem produz, na capital catarinense, pode chegar a R$ 500 mil e a até R$ 50 mil. para os restaurantes que oferecem o prato. No caso de reincidência, o valor sobe para R$ 500 mil.

Segundo a organização de proteção animal, PETA, além da crueldade envolvida no processo de fabricação do patê, como o foie gras é feito dos fígados de apenas machos, todas as fêmeas – 40 milhões delas por ano, somente na França -, são inúteis para a indústria e, portanto, simplesmente jogadas em moedores, vivas, para que seus corpos possam ser transformados em fertilizante ou comida de gato.

Leia também:
#LiberteSeDaCrueldade: Xuxa, modelos e infuenciadores se unem em campanha pela proibição de testes de cosméticos em animais
Projeto de lei que defende animais como seres com sentimentos e direitos é aprovado no Senado
Envenenamento de cães em testes de agrotóxicos, agora, é crime!
Cortar orelha e rabo de animais por estética não é nada bonito: é crime!
Fantasias lindas com penas e plumas, mas à custa do sofrimento animal?
Artistas retratam sofrimento de animais na campanha e exposição “Sinta na Pele”

Foto: fs999/creative commons/flickr

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta