Vai de ônibus? O app Coletivo ajuda você a melhorar sua ‘viagem’ pela cidade de São Paulo

aplicativo-onibus-coletivo-via-trolebus-800

Imagine um aplicativo que indique as linhas de ônibus nas proximidades de sua localização, horários, e ainda proporcione oportunidade para que passageiros forneçam informações em tempo real sobre o estado e funcionalidade dos ônibus, como atrasados e imprevistos na pista. E mais do que isso, possibilite também o acesso à programação de atrações culturais na região onde você está.

Pois esse aplicativo já existe na cidade de São Paulo. Chama-se Coletivo, foi criado pela empresa Scipopulis e usa a colaboração como estratégia para fornecer informações em tempo real sobre os ônibus e a rede de transportes da cidade de São Paulo.

aplicativo-onibus-coletivo-divulgacao-800“Em São Paulo, mais de 6,5 milhões de pessoas usam transporte público diariamente, 65% das quais tem smartphone. Nosso foco está no usuário habitual de transporte público, de 16 a 45 anos, o que inclui estudantes secundaristas e universitários que utilizam o transporte público de manhã até a noite, trabalhadores que não possuem carro e profissionais liberais que possuem carro, mas usam o ônibus como opção. É um público majoritariamente feminino (60%) que complementa sua viagem a pé”, define Roberto Speicys, um dos criadores do Coletivo.

Para proporcionar uma melhor experiência no deslocamento cotidiano, além dos dados de transporte, o aplicativo oferece informações sobre a cidade, eventos culturais e alertas.

Os dados utilizados pelo app para gerar informações sobre os ônibus têm origem no Olho Vivo (sistema de aproximação e localização online dos ônibus da cidade de São Paulo), da CET e das contas oficiais de órgãos públicos e rádios no Twitter. Dados sobre eventos e cultura vêm de uma parceria com o site Catraca Livre.

O Coletivo já tem mais de 7 mil instalações, registrando cerca de mil usuários diferentes por mês. Há outros aplicativos de mobilidade disponíveis, mas o que faz a diferença no Coletivo – como o próprio nome já diz – é incentivar a criação de uma comunidade de passageiros engajados em melhorar o transporte público e em fornecer informações que ajudem as pessoas a se locomover.

A colaboração é a funcionalidade mais importante e os mecanismos para que ela aconteça são simples e facilmente acessíveis. Há grande potencial para criar uma comunidade que gere dados em grande quantidade e alta qualidade. Os usuários do aplicativo já compartilham informações como posição dos ônibus e tempo de espera, mas a intenção, segundo a Scipopulis, é adicionar e incentivar cada vez mais formas de colaboração, incluindo lotação ou nota para o motorista.

O app Coletivo pode ser baixado gratuitamente e está disponível para Android, sistema operacional usado nos smartphones de mais de 85% dos passageiros de transporte público na cidade de São Paulo. Mas há planos de expansão para outras plataformas.

Construir conhecimento com sabedoria coletiva

Fundada em 2014, a Scipopulis é uma empresa de inovação, focada em cidades inteligentes e dedicada à mobilidade urbana. Seus produtos proporcionam – a usuários e gestores do sistema de mobilidade – soluções nas áreas de monitoramento, análise de dados, relacionamento, compartilhamento e mobilidade ativa.

Embora relativamente nova, a Scipopulis já teve seu trabalho reconhecido na área de tecnologia para gestão e planejamento do transporte público em várias ocasiões. Em 2014, foi menção honrosa no Startup Farm 10ª edição e 3º lugar no Verizon Powerful Answers. Em 2015, faturou os seguintes prêmios: Connected Smart Cities, uma das dez melhores startups do programa Inovativa Brasil; Objeto Brasil Design na categoria digital, com o app Coletivo; além de ganhar o Edital Senai/Sesi de inovação.

Além dessas premiações, a empresa participou de eventos de Hackatona, do programa de treinamento “FAPESP-PIPE High-Tech Entrepreneurial Training Program”, e atuou na produção do caderno técnico “Big Data para análise de métricas de qualidade de transporte: metodologia e aplicação” junto a SPTrans e ANTP.

“A falta de informações confiáveis sobre transporte público interfere no dia a dia de milhares de pessoas que dependem deste meio de transporte para se locomover. Por um lado, isso afeta os passageiros que enfrentam longos períodos de espera por ônibus, viagens demoradas devido a acidentes e congestionamentos, ônibus e metrôs lotados e desconfortáveis e dificuldades para planejarem seu dia-a-dia, e, por outro lado, atinge as prefeituras, os órgãos gestores e operadores de frota, que têm dificuldades em planejar, operar e gerir a rede de transporte público de maneira eficiente e com alta qualidade.

Esse cenário reduz a qualidade de vida dos usuários de transporte público e desestimula o uso de um meio de transporte sustentável. Nosso objetivo é utilizar o conhecimento dos passageiros em conjunto com outras informações de transporte já disponíveis para desenvolver soluções e ferramentas que auxiliem na resolução dos dois lados do problema”, avalia Speicys.

Um outro produto bacana da Scipopulis é o Painel de Monitoramento, que fornece dados atualizados em tempo real sobre indicadores da rede de transporte público, como velocidades dos ônibus nas vias, identificação de gargalos na fluidez, integração dos dados de acidentes para análise das causas de lentidão e alertas para vias com velocidades abaixo do normal. Esse produto é destinado a prefeituras e órgãos gestores em busca de mais informações para prestação de contas à população e suporte a decisões de gestão, como mudanças de rotas de ônibus, construção de faixas e corredores e obras de melhoria da fluidez no trânsito.

Foto: Via Trólebus

Jornalista e mestre em Antropologia. Coordenou a Comunicação da Secretaria do Verde da Prefeitura de São Paulo – quando criou as campanhas ‘Eu Não Sou de Plástico’ e, em parceria com a SVB, a ‘Segunda Sem Carne’. Colaborou com a revista Página 22, da FGV-SP, e com a Unisol Brasil. Hoje é conectora – trabalha linkando projetos e pessoas de todas as áreas na comunicação para um mundo melhor

Mônica Ribeiro

Jornalista e mestre em Antropologia. Coordenou a Comunicação da Secretaria do Verde da Prefeitura de São Paulo – quando criou as campanhas ‘Eu Não Sou de Plástico’ e, em parceria com a SVB, a ‘Segunda Sem Carne’. Colaborou com a revista Página 22, da FGV-SP, e com a Unisol Brasil. Hoje é conectora – trabalha linkando projetos e pessoas de todas as áreas na comunicação para um mundo melhor

Deixe uma resposta