Tubarão-baleia com corda ao redor do corpo é salvo por mergulhadores no Havaí


Tubarão-baleia com corda ao redor do corpo é salvo por mergulhadores no Havaí

Todos os anos as chamadas redes de pesca fantasmas provocam a morte de milhares de animais no mundo. Elas são deixadas soltas por pescadores no mar e peixes, tartarugas e até, tubarões acabam ficando presos ou sufocados acidentalmente nelas.

Um flagrante deste problema aconteceu recentemente no Havaí, mas felizmente, teve um final feliz. Um jovem tubarão-baleia (Rhincodon typu), o maior peixe dos oceanos, estava com uma corda ao redor do corpo.

Um alerta sobre o caso já havia sido dado pelo Departamento de Terras e Recursos Naturais do Havaí, que havia postado uma notícia no Facebook, pedindo ajuda para quem encontrasse o tubarão-baleia, avistado pela primeira vez na costa da ilha de Maui.

De acordo com os especialistas, a corda já estava cortando a pele do animal e oferecia risco à sua sobrevivência. Além disso, ele parecia fraco.

Pois uma família de mergulhadores – coincidentemente, biólogos – que não havia lido o comunicado, se deparou com o tubarão-baleia de cerca de seis metros de comprimento na região de Kaunolu. Com muita paciência, depois de vários mergulhos, eles conseguiram remover a corda e libertá-lo.

De volta à superfície, com a corda, os mergulhadores descobriram que ela pesava mais de 60 kg.

Não se sabe há quanto tempo o animal já estava preso na rede de pesca abandonada. Os mergulhadores afirmaram que as marcas já eram profundas.

Espécie em risco 

Em julho de 2016, o tubarão-baleia entrou para a lista vermelha das espécies ameaçadas de extinção da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Nos últimos 75 anos, sua população caiu pela metade no mundo. De acordo com a entidade, a principal causa é a caça ilegal e a morte provocada por propulsores (hélices) de navios e barcos. Lento para se movimentar, o animal é atingido pelas embarcações da indústria pesqueira. Até então, a espécie era considerada “vulnerável à extinção” porque apenas 30% do número total de indivíduos tinham sido mortos. Agora esta porcentagem subiu para 50%.

Tendo como habitat áreas de água tropicais e temperadas, o tubarão-baleia é encontrado em regiões do Oceano Atlântico e Indo-Pacífico. Seu tamanho médio é de 12 mt, mas pode atingir até 20 mt e pesar 15 toneladas. Inofensivo, ele alimenta-se de espécies invertebradas, pequenos polvos, algas e plâncton (micro-organismos marinhos).

Assista abaixo o vídeo divulgado pelos biólogos no Facebook:

Leia também:
Ao confundir plástico por água-viva, tartarugas encontram a morte
Baleia encontrada morta na Tailândia tinha 80 sacolas plásticas no estômago
Tartarugas morrem presas em rede fantasma no litoral de São Paulo
Artistas tiram a roupa em protesto contra a sobrepesca na Europa
Que tal um tênis feito com lixo plástico coletado nos oceanos?


Foto: Jennifer Meyer/Havai DLNR/Facebook

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta