Trump afirma que “barulho das turbinas eólicas provoca câncer”

A cada dia, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, consegue se superar nas bizarrices que diz. Sempre, lógico, voltando todas suas armas contra as evidências da ciência que comprovam as mudanças climáticas, a proteção ao meio ambiente e aos investimentos em energia limpa e sustentável.

A última de Trump foi um discurso, em um encontro do Partido Republicano, em que afirmou que “o barulho das turbinas eólicas provoca câncer”.

Talvez ele estivesse se referindo aos chamados “infrassons”, ruídos de baixíssima frequência (extremamente graves, com frequências abaixo dos 20 Hz, abaixo da faixa audível mais comum do ouvido humano) emitidos pelas hélices nas usinas, mas que especialistas já esclareceram que são iguais àqueles produzidos diariamente ao nosso redor, por fontes naturais, como o vento, tempestades e a nossa própria respiração, mas também equipamentos artificiais como motores e ventiladores de teto.

Não é a primeira vez que o presidente americano fala mal das turbinas eólicas, ou melhor, “moinhos de vento”, como ele prefere chamá-las. No passado, já comentou que elas são “alvos fáceis para terroristas” e que se não há vento, “será impossível assistir televisão”.

Pois bem, como em outros episódios, a frase da semana passada foi o estopim para uma série de comentários e tuítes debochados, ridicularizando a ignorância de Trump, como o post abaixo.

Outros internautas preferiram mostrar ao presidente que não são as fontes limpas de energias renováveis que causam câncer, mas as provenientes de combustíveis fósseis, como o carvão, que ele tanto defende.

O pó do carvão, especialmente suas micropartículas, foram associadas por profissionais de saúde e médicos ao redor do mundo como a causa de uma série de doenças. Exemplos incluem aumento da incidência de problemas cardíacos e respiratórios, como asma e câncer de pulmão”, escreveu um usuário do Twitter.

Não há como Trump ser um Don Quixote. Os dados econômicos são mais convincentes do que seu discurso infantil e ignorante.

A energia eólica é uma das que mais cresce no mundo inteiro. O custo dela já se equipara a dos combustíveis fósseis. No Brasil, especialistas indicam que a energia gerada a partir do vento será a segunda maior fonte do país em 2019. Já são 568 parques e mais de 7 mil turbinas em 12 estados brasileiros, que atendem, em média, o consumo de 26 milhões de residências, ou aproximadamente 80 milhões de pessoas.

Como disse uma americana nas redes sociais, a maior preocupação mesmo do presidente americano em relação às turbinas eólicas deve ser que elas desmanchem seu penteado (ou tirem do lugar sua peruca?!).

Só mesmo com muito bom humor para aguentar os absurdos dessa figura…

Leia também:
Capacidade de produção de energia eólica no Brasil já é igual a de Itaipu
Todos os trens da Holanda já são movidos a energia eólica
Metrô de Santiago será primeiro do mundo a funcionar com energias solar e eólica
Dinamarca bate novo recorde mundial: 42% da energia produzida no país é eólica
Porto Rico anuncia meta de ter energia 100% renovável

Fotos: domínio público/pixabay (abertura) e demais reprodução Twitter

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta