Toneladas de plástico são encontradas em uma das ilhas mais remotas do planeta

Milhões de toneladas de plástico são encontradas em um das ilhas mais remotas do planeta

A ilha mais distante e mais poluída do mundo todo”. Foi assim que a pesquisadora Jennifer Lavers, da Universidade da Tasmania, na Austrália, descreveu a Ilha Henderson. A cientista do Departamento de Vida Marinha e Estudos Antárticos fez parte de uma equipe, juntamente com a Sociedade Real de Proteção a Aves do Reino Unido, que esteve no local.

Henderson faz parte do grupo de ilhas chamado de Pitcairn, território britânico no Oceano Pacífico, nas proximidades das Ilhas de Páscoa e Galápagos. De origem vulcânica, tem uma extensão de 3.700 hectares e é um atol de coral elevado e coberto de bosques pristinos, pois está há muitos e muitos quilômetros da civilização. A terra mais próxima está a aproximadamente 5 mil quilômetros de distância.

Apesar disso, os pesquisadores ficaram chocados com o volume de lixo encontrado ali. Segundo eles, a ilha está coberta com o que calculam ser aproximadamente 38 milhões de resíduos plásticos ou 18 toneladas do material, o que faz de Henderson, a ilha com a maior densidade de lixo antropogênico (produzido pela atividade humana) do planeta.

“Já viajei para alguns dos lugares mais remotos do mundo e não importa onde ou quando eu vá, e em qual localização do oceano, a história é geralmente a mesma: praias cheias de lixo, evidência da atividade humana … Todavia, imaginei que por ser tão distante, Henderson estaria protegida. Eu estava completamente enganada”, revelou Jennifer, em entrevista ao jornal The Guardian.

A maioria do que foi encontrado na ilha do Pacífico, algo em torno de 68%, era formada de minipartículas plásticas, invisíveis ao olho humano, enterradas na areia. Mas também foram observadas toneladas de embalagens de produtos, usados diariamente em nossas casas, que acabam viajando milhares e milhares de quilômetros pelo mar, e tendo um impacto terrível sobre a vida marinha.

Na foto abaixo, um caranguejo usa uma tampa de plástico como casa. Além deste tipo de material liberar substâncias tóxicas, muitas vezes, os animais se veem presos e morrem.

Milhões de toneladas de plástico são encontradas em um das ilhas mais remotas do planeta

A Ilha de Henderson é declarada Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Nela habitam dez espécies de plantas e quatro aves endêmicas, ou seja, que só existem ali e em nenhum outro lugar do planeta. Por isso mesmo, o local é usado para estudos por pesquisadores.

Henderson era considerada uma das últimas joias do Pacífico, um paraíso virgem, intocado e protegido do homem. Infelizmente, parece que não é mais.

“Todos os cantos do planeta estão sendo impactados”, lamenta a cientista britânica.

Leia também:
Multinacionais assinam compromisso para reciclagem de 70% das embalagens plásticas
Impeça que as aves marinhas sintam o “gosto” do plástico: assine a petição! 
Vídeo da Nasa revela ilhas de lixo no planeta
Estados Unidos proíbem uso de micropartículas plásticas em cosméticos
Lixo plástico ameaça 99% das aves marinhas

Fotos: divulgação Jennifer Lavers

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta