Tinder pede que usuários retirem selfies com tigres de seus perfis

Tinder pede que usuários retirem selfies com tigres de seus perfis

Graças a uma pressão feita pela organização PETA – People for the Ethical Treatment of Animals – , o aplicativo de relacionamentos Tinder pediu em seu blog que os usuários retirem de seus perfis fotos com tigres.

Este tipo de fotografia, além de brega, estimula práticas de tortura e encarceramento dos animais, que são dopados, drogados e machucados para que possam posar com turistas.

“Tirar uma foto ao lado de um dos reis da selva não te transforma em um rei também”, afirmou o Tinder, em comunicado público. “Chega de selfies com tigres. Estas fotos são feitas porque estes lindos animais foram tirados de seus habitats. Animais selvagens devem viver na floresta”.

Em uma carta endereçada ao cofundador do Tinder, Sean Rad, a diretora de campanhas da PETA, Ashley Fruno, pediu a ele que, em homenagem ao Dia Internacional do Tigre – 29 de julho -, o aplicativo repudiasse o uso de selfies com este animal. A prática é tão comum no aplicativo, que há grupos como “Tigers of Tinder” ou “Tinder guys with Tigers”. Ao dizer “não” a este tipo de selfies, o Tinder dará o exemplo de que não há lugar para a crueldade, seja no mundo real ou no digital.

Em um artigo publicado pelo jornal Wall Street Journal, há uma estatística mostrando que 10% dos homens em fotos de aplicativos de relacionamentos estão ao lado de um tigre.

Para mostrar apoio à PETA e sua nova posição – #NoTigerSelfies -, o Tinder anunciou a doação de 10 mil dólares para um projeto de proteção à espécie e ainda, sugeriu outras selfies bacanas para serem usadas no perfil, mostrando assim, a preocupação dos usuários com os animais e o meio ambiente (isso certamente vai fazer muito mais sucesso entre as mulheres!):

– Plantando uma árvore;
–  Caminhando para o trabalho em vez de usando o carro;
–  Fazendo trabalho voluntário em um abrigo de animais;
– Comendo em um restaurante vegetariano.

Leia também:
Selfies com tigres podem financiar o tráfico de animais
Último rinoceronte branco do planeta procura parceira no Tinder para salvar sua espécie


Foto: Jaume Escofet/Creative Commons/Flickr

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta