Tempestades intensas e perda de vida marinha já são inevitáveis, afirma novo relatório do IPCC

Aquecimento dos oceanos é maior do que estimado e nível do mar poderá subir 30 cm até o final do século

As escolhas feitas agora são críticas para o futuro dos nossos oceanos e da criosfera (todas aquelas superfícies do planeta Terra cobertas por gelo e neve). Esta frase é o principal alerta do documento divulgado hoje (25/09), em Mônaco, pelos cientistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), órgão das Nações Unidas.

O relatório especial O oceano e a criosfera em um clima em mudança” foi escrito por mais de 100 autores, de 36 países, que analisaram e estudaram cerca de 7 mil publicações científicas sobre o tema.

“O oceano e a criosfera estão absorvendo o calor das mudanças climáticas há décadas e as consequências para a natureza e para a humanidade são amplas e severas”, ressalta Ko Barrett, vice-presidente do IPCC. “As rápidas mudanças no oceano e nas partes congeladas do nosso planeta estão forçando pessoas de comunidades costeiras e remotas a alterar fundamentalmente seus modos de vida”, acrescentou.

Aproximadamente 670 milhões de pessoas moram em regiões de montanha e outros 680 milhões em zonas costeiras. Há ainda 4 milhões de habitantes no Ártico e pequenos estados insulares em desenvolvimento abrigam 65 milhões de pessoas. Todos eles dependem diretamente dos ecossistemas próximos de onde vivem.
 
O estudo aponta que o aquecimento global já atingiu 1 °C acima do nível pré-industrial, devido a emissões passadas e atuais de gases de efeito estufa.

“Há evidências esmagadoras de que isso já resulta em profundas consequências para esses ecossistemas e suas comunidades. O oceano está mais quente, mais ácido e menos produtivo. O derretimento das geleiras e camadas de gelo está causando o aumento do nível do mar e os eventos extremos costeiros estão se tornando mais graves”.

Aumento do nível do mar

Embora o nível do mar tenha subido globalmente cerca de 15 cm durante o século 20, atualmente ele sobe duas vezes mais rápido – 3,6 mm por ano, mostra o relatório.

Os pesquisadores destacam que isso continuará a acontecer por séculos e esse aumento poderá chegar entre 30 e 60 cm até 2100 – mesmo que as emissões de gases de efeito estufa sejam radicalmente reduzidas e o aquecimento global limitado a 2oC.

“Nas últimas décadas, a taxa de aumento do nível do mar acelerou, devido ao crescente degelo proveniente da Groenlândia e da Antártica” explica Valérie Masson-Delmotte, co-presidente do Grupo de Trabalho I do IPCC.

Tempestades mais frequentes e fortes

O mais recente relatório do IPCC indica também que o aumento do nível do mar irá tornar mais comuns os extremos climáticos nos oceanos, como furacões, tufões e ciclones tropicais, colocando em risco a sobrevivência de populações em cidades costeiras e ilhas. A previsão é que essas tragédias, que aconteciam geralmente uma vez a cada século, irão ocorrer anualmente nesses locais, a partir de 2050.
 
Um exemplo recente de como o aquecimento global já traz ameaças para a vida dessas comunidades é o que aconteceu nas Bahamas, devastada pelo furacão Dorian, classificado na categoria 5, a mais alta na escala desses desastres.  

O Dorian provocou a morte de 50 pessoas, outras milhares ainda estão desaparecidas e derrubou mais de 10 mil casas. As ilhas de Abaco e Grand Bahamas foram praticamente destruídas. Pouco sobrou em pé por causa da força da chuva e do vento, que chegou a quase 300 km/h. Segundo Hubert Minnis, primeiro-ministro do país, a reconstrução deve levar anos.

Olho do furacão Dorian, visto do espaço

Mudança nos ecossistemas marinhos

E não são apenas os seres humanos, obviamente, que estão e irão sofrer, ainda mais, no futuro, com os impactos provocados pelas mudanças no clima, causadas pelas atividades do homem na Terra.

De acordo com o relatório, o aquecimento e a alteração na química da água dos oceanos já perturbam as espécies marinhas e as pessoas que dependem deles.
 
“Em 2100, o oceano absorverá de 2 a 4 vezes mais calor do que entre 1970 e o presente, quando (e se) o aquecimento global for limitado a 2°C e até, 5 a 7 vezes mais, com emissões maiores. As altas temperaturas reduzem a mistura entre as camadas de água e, como conseqüência, o suprimento de oxigênio e nutrientes para a vida marinha”, afirmam os pesquisadores.

Ainda segundo os cientistas internacionais, as ondas de calor marítimas dobraram em frequência desde 1982 e aumentaram em intensidade. Nas últimas três décadas, os oceanos absorveram 20 a 30% das emissões de dióxido de carbono (CO2), induzidas pelo ser humano, acarretando na acidificação das água do oceano.  

O impacto nos lugares mais frios do planeta

O levantamento realizado pelo IPCC mostra que geleiras e mantos de gelo nas regiões polares e montanhosas estão perdendo massa, contribuindo para uma taxa crescente de aumento do nível do mar, juntamente com o aquecimento das águas dos oceanos.

“Esses lugares podem parecer distante para muitas pessoas, mas nós dependemos e somos influenciados por eles direta e indiretamente de muitas maneiras – nas questões climáticas, na segurança alimentar e hídrica, na energia, no comércio, no transporte e no turismo,”, diz Hoesung Lee, presidente do IPCC.

“Se nós reduzirmos as emissões bruscamente, as consequências para essas populações ainda serão desafiadoras, mas provavelmente melhor ‘gerenciáveis’ para aqueles mais vulneráveis”.

Leia também:
Temperatura global acima de 3oC deixará Rio de Janeiro embaixo d’água
Cidades da costa brasileira – onde vive 60% da população – já sofrem com elevação do nível do mar
Temperatura no Ártico está entre 20oC e 30oC acima do normal
Presença de baleias cachalotes no Ártico aumenta temor de cientistas sobre aquecimento dos oceanos

Acidificação dos oceanos deve se intensificar nas próximas décadas
Oceanos mais quentes estão provocando somente nascimento de tartarugas fêmeas
Impacto do homem atinge praticamente todos os oceanos do planeta

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta