Tecnologia brasileira transforma lixo em madeira biossintética


Tecnologia brasileira transforma lixo em madeira biossintética

O planeta perdeu o equivalente a um campo de futebol de florestas, por segundo, em 2017, ou mais exatamente, 29,4 milhões de hectares. O dado acaba de ser divulgado pelo relatório Global Forest Watch e revela que este é um segundo recorde de desmatamento desde que o monitoramento começou a ser feito em 2001.

Infelizmente, o Brasil não aparece bem no levantamento. É o país que mais perdeu cobertura florestal. Os principais responsáveis por isso são as indústria agropecuária e mineradora e a extração de madeira.

Mas enquanto derrubamos milhares de árvores e destruímos a Floresta Amazônica e o Cerrado, uma tecnologia nacional, desenvolvida por uma empresa brasileira, consegue transformar resíduos sólidos, que iriam parar no lixo, em madeira biossintética. Madeira reciclada e reciclável!

O produto já é produzido nos estados do Paraná, São Paulo e Minas Gerais pela EKT Global. Há mais de 20 anos, a empresa pesquisa e desenvolve tecnologias de transformação de resíduos sólidos urbanos e industriais em produtos de alto valor comercial. E um deles é a maderia biossintética (MBS).

Ela é produzida com o chamado Composto Biossintético Industrial (CBS), que é proveniente de qualquer detrito – de embalagem plástica a lixo de banheiro. “A possibilidade de utilizar um recurso que já havia sido desprezado é o ponto-chave do negócio; temos que mudar nossa concepção de lixo, porque ele nada mais é do que uma sobra mal destinada. É uma questão de encontrar a finalidade mais adequada para cada matéria”, afirma Helmut Johan, diretor da EKT.

Para entender mais sobre a fabricação da madeira biossintética e sua aplicação, o Conexão Planeta entrevistou o gerente de processos da empresa, Lucas Fontes.

Que tipo de detrito pode ser utilizado na fabricação da madeira biossintética?
Para a fabricação da madeira biossintética podem ser utilizados: resíduos sólidos agrícolas, resíduos sólidos industriais, resíduos sólidos urbanos, resíduos minerais, lodos e matéria de aterros.  Absorve 100% dos resíduos plásticos e de cargas sólidas, que podem ser fibras (naturais ou industriais), cargas minerais (resíduo de mineração), fibras animais (couro, pêlos, etc), entre outros materiais. A qualidade da madeira biossintética depende diretamente da formulação aplicada em cada caso, por isso, é realizada uma pesquisa da composição dos resíduos, do volume e do melhor aproveitamento.

Ela pode ser utilizada para todos os fins? Exatamente como uma madeira natural?
A madeira biossintética pode ser usada para todos os fins que se emprega a madeira normal, sendo um substituto perfeito. A vida útil estimada é de mais de 100 anos, sendo mais densa que os perfis de madeira e de dureza Janka compatível à madeira de lei. Não suscetível a rachaduras e trincas, não gera farpas, utiliza a mesma fixação das madeiras de lei existentes (colagem, pregos, parafusos), é resistente a pragas, ao óleo diesel, ao óleo mineral e a graxas.

Além dos detritos/resíduos, a madeira biossintética leva algo mais em sua composição?
A madeira biossintética não tem adição de agentes e reagentes químicos, mantém sua propriedade física sem deterioração, com excelentes propriedades mecânicas e com peso específico fixo. A MBS permite ser termoformada, pode ser colorida no processo ou posteriormente, pode ser produzida com essências e pode ser produzida com características anti-chamas (V0, V1). Nestes casos, exige formulação específica para tais características, e aí sim a adição ou não de outros componentes no processo (opção do operador da tecnologia/cliente).

A madeira biossintética é reciclável ou biodegradável?
Material 100% reciclado e reciclável, podendo ser absorvido pelo processo a qualquer momento. A EKT é vocacionada para a economia circular, buscando preservar e aumentar o capital natural, otimizar a produção de recursos e fomentara eficácia do sistema. Assim sendo, todo o material da cadeia produtiva poderá retornar ao processo quando necessário.

Qual o custo dela se comparado ao m2 da madeira virgem?
O valor de comercialização da MBS é sugerido (aproximadamente) R$ 4.000,00 o metro cúbico. Madeiras de qualidade inferior, como o Pinus e o Eucalipto, possuem uma média de preço de R$ 2.000,00 o m3; madeiras de qualidade média, como o Cedrinho, custam em torno de R$ 4.000,00 o m3; e madeiras de alta qualidade, como Itaúba e Ipê, com o preço médio de R$ 8.000,00 o m3. A produção de cada tonelada métrica de madeira biossintética evita o corte de duas árvores adultas de mais de 12 anos, não gera passivos ambientais e nem qualquer tipo de poluição em sua fase fabril.

A madeira biossintética é feita com material 100% reciclado e reciclável

*A EKT Global acaba de fechar uma parceria a Associação Nacional dos Inventores com o objetivo de atrair investidores a fim de expandir as usinas de produção de madeira biossintética.

Leia também:
Pastilha é feita com PET reciclado e tecnologia 100% nacional
Armário de cozinha é feito com resíduos de madeira e garrafas PET recicladas
Tijolo feito com plástico reciclado torna construção mais sustentável
ONG transforma plástico triturado em tijolo no interior de São Paulo


Fotos: divulgação 

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta