Tá Faltando Água: novo aplicativo recebe uma notificação por minuto

ta-faltando-agua

Lançado no dia 10, o aplicativo Tá Faltando Águaque só a partir de 25/9 terá também versão mobile – mapeia a falta de água na região metropolitana de São Paulo, indicando a situação de cada região em tempo real, e já recebeu mais de 1200 notificações. Com um detalhe: não são registradas queixas em um mesmo endereço. Foram centenas em poucas horas.

Iniciativa do movimento Aliança pela Água (que reúne mails de 60 entidades entre ONGs, especialistas e movimentos sociais), Tá Faltando Água é, na verdade, uma rede social de mobilização e conscientização que usa sistema similar às ferramentas de mobilidade – por isso, já está sendo chamada de “Waze da Água” – e permite aos usuários não só sinalizar a falta do recurso como visualizar outras ocorrências.

A versão mobile – que só estará disponível no final do mês -, para aparelhos com sistema operacional Android ou iOS, usa o sistema de geolocalização do próprio celular ou o CEP do imóvel atingido e foi desenvolvida por voluntários da empresa Autbank. Já a versão com acesso pelo navegador é criação do ISA – Instituto Socioambiental. A campanha ainda conta com a adesão do Coletivo de Luta pela Água.

As provas que faltavam

Tem gente que ainda não ficou sem água na cidade, mas parte da população não vê uma gota em suas torneiras há meses. Só que essas informações se dispersam e o problema, geralmente, fica sem solução. Com a nova ferramenta, isso pode mudar já que os dados nela registrados podem servir de prova em processos na Justiça.

A partir das notificações registradas no aplicativo, relatórios detalhados sobre a situação real serão produzidos e divulgados periodicamente no site Sala de Crise, da Aliança pela Água, com base de dados aberta para análises independentes. “Esses dados podem servir como elemento de prova para a adoção de medidas judiciais pertinentes”, disse Ricardo Manuel Castro, promotor de Justiça do Estado de São Paulo, que participou de debate realizado durante o lançamento.

Como era de se esperar, em apenas três dias de lançamento e, sem versão mobile, a iniciativa se espalhou rapidamente. Tomara que se configure em uma ferramenta realmente eficaz e possa ser replicada em outras regiões que vivem o mesmo drama com a falta de água pelo país.

Com cooperação, boa vontade e altruísmo, como se vê aqui, é possível – se não resolver -, pelo menos, vislumbrar um futuro mais justo para todos.

Imagem: Reprodução

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta