Sustentável e lucrativa: fazenda suíça é exemplo de sucesso de turismo agrícola

fazenda

Poucos lugares na Suíça ficam abertos o ano todo. Para se ter uma ideia, nem supermercados nem lojas funcionam aos domingos. Mas faça chuva ou faça sol, 365 dias por ano, a Jucker Farm está aberta. Localizada a aproximadamente 25 km de Zurique, esta fazenda é um modelo de negócio bem sucedido, que serve de exemplo para mostrar que as pessoas da cidade grande adoram visitar a “roça” e gastar dinheiro por lá.

Nos finais de semana, famílias inteiras lotam o lugar. As crianças descobrem a alegria de pular no monte de feno e poder alimentar as cabras. Ou então correm pelos três enormes labirintos feitos em meio à plantação de maçãs. Os pais podem assar na fogueira a massa de pão, produzida ali mesmo, caminhar em meio aos pés de cereja, amoras e abóboras ou simplesmente, fazer compras na loja que vende desde hortaliças até geléias, queijos e doces fresquinhos, fabricados na cozinha da Jucker Farm. Há ainda a opção de simplesmente sentar na grama e ficar olhando a linda vista do lago de Pfäffikon.

jucker-farm-feno-conexao-planeta

Alegria sem fim: a criançada se esbalda brincando com o feno

O negócio familiar surgiu na década de 90. Os Jucker sempre estiveram ligados à agricultura. E continuam até hoje. São um dos maiores produtores de maçã da região. São 97 hectares de área cultivada. De árvores frutíferas são 20 mil e de blueberrys, 9 mil (a frutinha pequena, que faz lembrar uma mini-uva, comum em países frios e que aparece na imagem que abre esta reportagem).

Foi em 1997 que os irmãos Martin e Beat assumiram as terras dos pais. Decidiram então investir no cultivo de abóboras e dois anos depois, numa exposição com elas. O sucesso foi gigantesco. Em dois meses, 320 mil pessoas visitaram a festa da abóbora (vale lembrar que a população total de Zurique beira os 700 mil habitantes).

Os Jucker viram que havia uma oportunidade enorme de trazer as pessoas da cidade para o campo. Atualmente trabalham no lugar 150 funcionários para realizar as atividades do dia a dia da fazenda e atender os visitantes. Não se paga nada para entrar na Jucker Farm. Pode-se passar o dia inteiro lá sem gastar um único franco suíço. Mas é difícil resistir a tantas tentações culinárias – tudo preparado de maneira caseira, com ingredientes saudáveis e tirados da horta.

Conheci a Jucker Farm pela primeira vez  em 2010. Estive lá, novamente, há poucas semanas, e apesar do espírito permanecer o mesmo, dá para perceber que muito foi investido ali. Além do restaurante, atualmente hoje uma loja vende 1.200 produtos locais e de parceiros da região. O compromisso é com a sustentabilidade: encontrar fornecedores que estejam o mais próximo possível. Em alguns produtos, está destacado a exatos quantos quilômetros eles foram produzidos.

jucker-farm-loja-conexao-planeta

Frutas, verduras e legumes produzidos localmene ou vindos de fazendas próximas

Agora, na época da colheita da abóbora, os mais diferentes quitutes feitos com o fruto são comercializados: sopas, geléias, sementes com diferentes sabores (chocolate, pimenta), pães e até salaminho com abobóra. Variedade e criatividade é o que não falta para os Juckers. O mais bacana é que, em tudo, se sente o respeito à natureza.

Quase 20 anos depois da primeira festa da abóbora, ainda hoje, é a celebração dela que atrai multidões até Seegräben. Todos os anos, no mês de outubro, a fazenda é enfeitada com enormes esculturas feitas com abóboras. A cada ano é escolhido um tema. Em 2016, foi Roma. Estavam lá, uma biga com Júlio César, colunas romanas, uma catapulta e até a turma do Asterix.

jucker-farm-romano-conexao-planeta

As esculturas feitas com abóboras

A festa também tem concurso da maior abóbora da região e competição no rio onde abóboras gigantes são usadas como botes. E pela fazenda toda, centenas de espécies diferentes do fruto são expostos. Tem abóbora de todos os tamanhos, cores e formas, cada uma mais apropriada para um tipo de receita.

Martin e Beat Jucker souberam como poucos dar continuidade ao negócio da família, mantendo a paixão e o respeito pela terra, mas também, provando que é possível ganhar dinheiro convivendo de maneira harmônica e sustentável com a natureza.

jucker-farm-competicao-abobora-conexao-planeta
Competição das abóboras gigantes

jucker-farm-aboboras-conexao-planeta

Milhares de pessoas visitam a fazenda durante o Festival da Abóbora, em outubro

jucker-farm-aboboras-2-conexao-planeta

De todos os tamanhos, formatos e cores: tem para doce, sopa, ensopado, geléia …


Fotos: divulgação Jucker Farm e arquivo pessoal

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

5 comentários em “Sustentável e lucrativa: fazenda suíça é exemplo de sucesso de turismo agrícola

  • 7 de outubro de 2016 em 11:15 AM
    Permalink

    Parabéns Suzana, adoro tuas matérias e repasso para meus amigos no facebook!

    Resposta
    • 7 de outubro de 2016 em 12:22 PM
      Permalink

      Obrigada, Denise! Uma delícia saber que temos tanta gente curtindo nosso trabalho. É disso que precisamos para seguir em frente. Obrigada por compartilhar nossas matérias!
      Beijo,
      Suzana

      Resposta
  • 10 de outubro de 2016 em 8:04 AM
    Permalink

    Parabéns Susana Camarão pela divulgação de iniciativas pelo mundo!

    Resposta
  • 10 de outubro de 2016 em 9:15 AM
    Permalink

    Parabéns Susana Camarão pela divulgação de iniciativas pelo mundo!

    Resposta
    • 11 de outubro de 2016 em 4:16 AM
      Permalink

      Obrigada, Izabel!
      Nosso objetivo é disseminar histórias que sirvam de modelo para qualquer lugar do mundo, inclusive o Brasil!
      Abraço,
      Suzana

      Resposta

Deixe uma resposta