Soltar borboletas em festa de casamento não é legal. Na verdade, é ilegal. É crime ambiental!

Soltar borboletas em festa de casamento não é legal. Na verdade, é ilegal. É crime ambiental!

Vez ou outra, alguns modismos surgem entre as empresas que promovem festas de aniversário, 15 anos ou casamentos. A maioria deles, infelizmente, completamente fúteis e voltados para um perfil de clientes que têm muito dinheiro para desperdiçar e pouquíssimo (ou nenhum) senso crítico.

Importada dos Estados Unidos e da Europa, onde a prática é comum, a mania chegou ao Brasil: soltar borboletas em cerimônias de casamento. Empresas criam os insetos especialmente para essa finalidade. Elas são então resfriadas em um temperatura que as deixa desacordadas (desmaiadas), mas não o suficiente para matá-las, e depois enviadas para o casal feliz, que no dia da festa, as solta para a alegria dos convidados.

O processo a que as borboletas são submetidas chama-se “diapausa induzida”, quando a temperatura corporal é reduzida ao mínimo capaz de manter ativo somente seu metabolismo.

Parece piada? Infelizmente, não é.

Em 2016, o alerta já havia sido dado por órgãos ambientais de que, no Brasil, a venda e a compra de borboletas para uso “decorativo” em eventos era crime ambiental. Segundo o o Ibama Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), “a violação da legislação está prevista pelo Art. 31 da lei ambiental 9.605/1998, que proíbe a introdução de espécimes animais em um bioma do qual não são próprios, sem parecer técnico oficial favorável e licença expedida pela autoridade competente. Ao soltar os insetos em outro ecossistema, a ação ilegal se enquadra como crime contra a fauna e pode acarretar detenção de três meses a um ano e multa”.

Ao serem introduzidos em um novo habitat, que não o seu próprio, animais podem disseminar doenças para os bichos locais e que não têm sua imunidade preparada para enfrentar diferentes fungos, vírus ou bactérias.

Em julho do ano passado, a organização internacional de proteção animal, PETA, também se pronunciou sobre o assunto.

“Os criadores de borboletas as produzem em massa e enviam-aos como carga para qualquer pessoa com um cartão de crédito. Elas costumam ser achatadas e lacradas em envelopes ou caixas minúsculas e depois enviadas para longas distâncias. Muitos são esmagadas ou morrem antes mesmo de chegar a seu destino. A Associação Norte-Americana de Borboletas afirma muitos organizadores de casamentos agora evitam borboletas porque elas frequentemente chegam mortas ou meio mortas … E aquelas que sobrevivem, mas que foram criadas em cativeiro, depois de soltas, se deixadas para se defenderem sozinhas em uma área desconhecida, lutam para encontrar fontes de alimento e geralmente não conseguem sobreviver no novo clima”.

É realmente muita crueldade e uma falta completa de consciência ambiental. Assim como outras espécies, as borboletas também enfrentam a redução de suas populações. Elas não apenas encaram o desafio de se adaptar às mudanças de temperatura na Terra, provocadas pelo aquecimento global, mas assim como aves e outros insetos, sofrem com o uso crescente de pesticidas em lavouras. E com isso, há um efeito dominó. Em toda Europa, estima-se que já houve um declínio de 80% dos insetos, afetando diretamente a sobrevivência das aves no continente (leia mais sobre o assunto aqui).

Bacana mesmo são os noivos, que por exemplo, dão como lembrancinhas de suas festas sementes ou mudas de árvores para serem plantadas ou então, pedem que seus convidados doem dinheiro para instituições de caridade ou hospitais.

E se você ouvir falar de empresas que comercializam borboletas, denuncie! Fale com o Ibama através do telefone 0800 618080 ou pelo Canal Linha Verde, neste link.

Leia também:
As borboletas do rio Juruena
Procuram-se borboletas de matéria viva
Borboletas para saudar a primavera
Quando as crianças começaram a ter medo de borboletas?
Borboletas mostram nova tática de sobrevivência 

Foto: reprodução Facebook

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Soltar borboletas em festa de casamento não é legal. Na verdade, é ilegal. É crime ambiental!

  • 21 de janeiro de 2019 em 11:17 AM
    Permalink

    Cada uma que aparece que deixa a gente com a pulga atrás da orelha porque humanos sem noção parece, a cada dia, se esmeram em sua criatividade sádica, sempre que utilizam animais de qualquer espécie, para qualquer finalidade. Como se já não bastassem as estatísticas da carnificina para o consumo animal, a exportação de gado vivo, as experiências dolorosamente maquiavélicas dos laboratórios de pesquisa para “benefício humano”, a exploração em Zoos, Aquários, Circos, Farra do Boi, Touradas, Rodeios, Vaquejadas e Rinhas para o “laser” de multidões alienadas, ainda pipocam estes malucos de plantão, vendendo arte em festas, em troca da tortura de vidas simples e puras. Haja Deus para bancar tanto absurdo e tanta incoerência de sorrisos versus espécies inocentes que agonizam ou são libertas para morrer antes do tempo. Só mesmo a ignorância explica essa barbárie de gostarmos dos animais dessa maneira vil e ignóbil sempre que satisfaçam aos desejos humanos, não importa quanto custe para eles.

    Resposta

Deixe uma resposta