Seth Siegel, especialista em água, lança livro e participa de debate em São Paulo, em 16/10


Em diversos lugares do planeta, a água já é rara, disputada, usada como moeda de troca e de poder. Por causa dela, o ser humano promove guerras, mata, tortura, aprisiona, degrada, ocupa. E, se assim continuar, não demorará muito para que o cenário assustador apresentado no cinema – Mad Max, Blade Runner e Water World, só para citar alguns filmes – se espalhe pelo planeta. 

Mas, enquanto uns destroem, outros buscam soluções para não deixar faltar – e poder conservar – o líquido mais precioso e vital para a humanidade. E o conhecimento e a disseminação de informação são aliados poderosos nessa trajetória.

Por isso, o advogado, ativista, escritor e empreendedor americano, Seth Seigel, está no Brasil para lançar o livro Faça-se a Água – A Solução de Israel para um Mundo com Sede de Água, em São Paulo, no encontro Water Experience, no dia 16/10, às 19h30, no Tuca (teatro da PUC). As inscrições são gratuitas e devem ser feitas neste link.  

Nesse dia, Seigel e convidados especialistas debaterão sobre a realidade da água no Brasil e no mundo e a experiência de Israel. O encontro também contará com intervenções do artista plástico Mauro Neri e do músico Thiago Duar.

Educação, tecnologia e política

Nesse livro – publicado, aqui, pela Educ, Editora da PUC/SP -, o especialista conta como esse país pobre, com população crescente, em uma região escassa de água, resolveu suas questões hídricas e, hoje, tem o recurso em abundância. Para realizar tal façanha, Israel se apoiou em três pilares: educação (promoveu a cultura de respeito à água); tecnologia (apoiou métodos e técnicas de inventores frequentemente muito pouco convencionais); e política (mostrou como a cooperação em sistemas hídricos pode forjar vínculos diplomáticos e promover a unidade).

A mensagem básica de Seigel é: se Israel superou desafios assustadores e se transformou de uma terra ressequida em uma superpotência hídrica, qualquer país pode. Por isso, Faça-se a Água é leitura indispensável para quem quer entender o cenário mundial e vislumbrar um futuro positivo, embasado em experiências concretas.

Não é à toa que o livro de Siegel – já traduzido para 13 idiomas – tem sido adotado por universidades de mais de 40 países, entre elas Harvard, Yale, Princeton, MIT, Stanford, Columbia e Cornell, em cursos de engenharia, agricultura, políticas públicas, negócios e história.

Sua obra já ganhou dois prêmios: medalha de bronze do Axiom Business Book Award (2016) e o Nautilus Book Award. E também figurou nas listas Best Big Idea Books of 2015, do jornal Daily Beast, e Best Books of 2016, da revista National Review. 

Com a tradução para o português, ele espera influenciar o pensamento do governo – em nível federal, estadual e municipal -, da mídia, da academia, de líderes empresariais e dos brasileiros com visão de futuro para a questão urgente da água. O autor reconhece a Amazônia como a maior fonte de água doce do mundo, mas lembra que, infelizmente, isso não significa que teremos um futuro hídrico seguro. Sabemos disso muito bem. É só ver o que a mineração e o agronegócio estão fazendo no Cerrado (nosso berço das águas) e na Amazônia principalmente.

O que já disseram sobre o livro

Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York, Tony Blair, ex-primeiro-ministro do Reino Unido e Shimon Peres, Prêmio Nobel da Paz e ex-presidente de Israel estão entre os leitores de Faça-se a Água. Veja o que eles e outros líderes comentaram a respeito da obra:

Se você está preocupado com a escassez global de água – e deveria estar –, leia este livro. Seth Siegel traz uma mensagem urgente sobre como o mundo pode ser salvo com o uso de técnicas e tecnologias notáveis desenvolvidas em Israel. Faça-se a água é uma leitura essencial. Recomendo fortemente – Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York

Este é um relato verdadeiramente interessante das possibilidades da tecnologia para resolver um dos maiores desafios – ainda que subestimado – da nossa época – Tony Blair, x-primeiro-ministro do Reino Unido

Faça-se a água é uma história emblemática de Israel, um relato de como um deserto solitário conseguiu ser transformado em lar florescente e acolhedor. Esta obra extraordinária será lida por muito tempo pelas pessoas preocupadas com a escassez de água e com outros desafios aparentemente insuperáveis – Shimon Peres, Prêmio Nobel da Paz e ex-presidente de Israel 

Faça-se a água é uma história contada de forma proficiente e emotiva sobre como especialistas e ONGs israelenses ajudaram muitos africanos a ganhar acesso à água limpa. Todos temos muito que aprender com este livro fabuloso – Ruhakana Rugunda, primeiro-ministro da Uganda

Já que a escassez global de água está gerando crises políticas, militares e humanitárias ao redor do mundo, a surpreendente inventividade israelense para conseguir abundância a partir da seca é um plano inspirador e instrutivo para o planeta – Robert F. Kennedy Jr., presidente da Aliança para a Conservação da Água 

Seth Siegel abre nossos olhos para como Israel transformou a adversidade em oportunidade, tornando-se um pioneiro inovador na procura global por um novo paradigma hídrico – Steven Solomon, autor do livro ‘Água: a luta épica por riqueza, poder e civilização’ 

Um pouco mais sobre Seigel

O especialista é ouvido e aclamado em diversas partes do mundo e tem publicado seus ensaios sobre a água e outras políticas em jornais como The New York Times, The Wall Street Journal, Los Angeles Times, além dos principais meios de comunicação da Europa e da Ásia. Em suas palestras, aborda não só a política hídrica, mas também política no Oriente Médio e segurança nacional.

Acompanhe Seth Seigel em seu blogsite e também pelo Twitter.

Fotos: Divulgação

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta