Se derreter, melou! O que acontece com seu sorvete com o aquecimento global?

sorvete ben & Jerry's na campanha de alerta sobre aquecimento global

Quando você toma um sorvete em um dia muito, muito quente, ele acaba derretendo e escorrendo pelas suas mãos, não é mesmo? A fabricante americana de sorvetes Ben & Jerry’s decidiu usar esta metáfora para chamar a atenção de seus consumidores ao problema global das mudanças climáticas.

Em uma parceria com a organização Avaaz, comunidade de mobilização online, a empresa lançou a campanha Se derretou, melou! O objetivo é encorajar as pessoas a assinar uma petição, que será entregue aos líderes mundiais reunidos em Paris, daqui a algumas semanas, durante a Conferência das Nações Unidas pelas Mudanças Climáticas (COP21).

Para dar maior impacto à ação no Brasil, a Ben & Jerry’s lançou, em São Paulo, o sabor SOS (sorvete de framboesa com marshmallow, calda de framboesa e cones de chocolate branco e chocolate ao leite). A ideia é que a medida que a casquinha de chocolate se desfaça, o consumidor tenha na cabeça a imagem das calotas polares se derretendo, devido ao efeito do aquecimento global, provocado pela emissão de gases de efeito estufa na atmosfera da Terra.

“O sorvete é um instrumento para engajar o nosso público e nos ajudar a fazer a diferença como agente transformador. Aqui no Brasil, além de colher assinaturas, também estamos ajudando a Avaaz a convocar a população para uma mobilização que será realizada em 29/11, na Avenida Paulista, na véspera do encontro em Paris”, explica Katia Ambrósio, diretora de Ben & Jerry’s.

Fazem parte ainda da campanha intervenções pelas ruas da capital paulista que convidam as pessoas a assinar a petição da Avaaz.

O que todos esperam é que saia das mesas de negociação de Paris um novo acordo climático global, em que países membros da ONU se comprometam a reduzir suas emissões de carbono e investir fortemente em energias renováveis.

Mas não é preciso comprar um sorvete Ben & Jerry’s ou morar em São Paulo para tomar parte nesta mobilização. Você pode acessar o site Justiça Climática Agora! e apoiar a campanha, que até o momento, já conta com 2,9 milhões de assinaturas. Agora só falta a sua. Participe!

Economia verde toma fôlego

O comprometimento da Ben & Jerry’s com a questão socioambiental não é de hoje. Em 2002, a empresa lançou programa para reduzir seu impacto ambiental através da compensação de carbono de suas fábricas em Vermont, nos Estados Unidos. Desde então, diversas outras campanhas com apelo ao cuidado pelo clima do planeta foram realizadas pela marca. A atual e mais importante meta da fabricante de sorvetes é utilizar somente energia limpa em suas plantas até 2020.

Em outro setor, que durante muito tempo foi um dos principais vilões da poluição ambiental – os de fabricantes de pneus de borracha, recentemente uma notícia mostrou que o segmento também está investindo em tecnologias mais sustentáveis. A Bridgestone anunciou o desenvolvimento de pneus feitos 100% com componentes de borracha natural derivados do guaiúle, um arbusto do deserto que cresce em regiões áridas.

Atualmente, quase 90% de toda borracha natural é colhida da seringueira, espécie que cresce em florestas tropicais, principalmente no sudoeste da Ásia (no passado o Brasil foi um grande produtor, mas já não é mais). Segundo a Bridgestone, o investimento na pesquisa e desenvolvimento de novas fontes sustentáveis da matéria-prima tem como intuito aliviar a superconcentração de produção de borracha natural em determinadas regiões do planeta.

E até em mercados de consumo mais supérfluos, como o de cosméticos, as empresas se deram conta da necessidade de entrar na luta contra o aquecimento global. Em setembro, a gigante L’Oréal afirmou que conseguiu reduzir suas emissões de carbono em 50%, com base nos níveis de 2005, e aumentar a produtividade em 22% no mesmo período. O objetivo agora é diminuir as emissões em mais 10% nos próximos cinco anos.

O que estas empresas provam é que não haverá espaço para quem não investir na economia verde e no crescimento sustentável, que levem em conta não somente o bem-estar do planeta, mas como de todos seus habitantes.

Assista abaixo ao vídeo de divulgação da campanha Se derreter, melou!:

Leia também
Temperatura global 2,7oC até 2011, diz ONU
2015 ainda pode ser o ano mais quente da história
Primavera pode chegar um mês antes devido ao aquecimento global

 

Imagem: divulgação Ben & Jerry’s

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Se derreter, melou! O que acontece com seu sorvete com o aquecimento global?

Deixe uma resposta