Roraima elege primeira deputada federal indígena

Desde 1982, um representante indígena não era eleito para um cargo na Câmara dos Deputados. O cacique Mario Juruna foi o último a ocupar uma vaga de deputado federal no Congresso, entre 1983 a 1987, pelo PDT do Rio de Janeiro. Mas, desta vez, a celebração é ainda mais especial porque se trata de uma mulher: Joenia Batista de Carvalho. A única em 194 anos de Câmara.

Ela carrega o nome de seu povo – Joana Wapichana. – que, hoje, reúne 13 mil pessoas no Vale do rio Tacutu, região de serras em Roraima. Tem 43 anos e se candidatou pela Rede Sustentabilidade defendendo os direitos indígenas, as mulheres indígenas, o meio ambiente, a transparência, ética e o combate à corrupção. Recebeu 8.491 votos em Roraima.

Sua candidatura a deputada federal foi votada e aprovada em assembleia geral dos povos indígenas de Roraima. A ideia era contar com financiamento coletivo de 30 mil reais, mas a campanha lançada só conseguiu coletar R$ 2.520. Filiada à Rede, de Marina Silva, ela também faz parte do RenovaBR, movimento criado para impulsionar candidaturas que ajudem a renovar o quadro de políticos pelo Brasil.

E Joemia ainda acumula mais alguns ineditismos em sua trajetória.

É a primeira mulher indígena formada em Direito no país. Cursou a Universidade Federal de Roraima (se formou em 1997) e ainda fez mestrado na Universidade do Arizona, nos Estados Unidos. Desde 1999, é coordenadora do departamento jurídico do Conselho Indígena de Roraima, o CIR.

Combativa pelos direitos indígenas, há dez anos foi a primeira mulher indígena a se pronunciar no Plenário do STF (Supremo Tribunal Federal), quando se discutia os limites da Reserva Raposa Serra do Sol. Na época, Joenia representou as comunidades Barro, Maturuca, Jawari, Tamanduá, Jacarezinho e Manalai.

Foto: Divulgação 

Com informações do G1, Huffingtonpost Brasil

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta