Roda 5070: movimento quer sacudir conceitos e hábitos que definem a vida entre 50 e 70 anos


Terceira idade? Melhor idade? Maturidade? Feliz idade? Não faltam expressões para tentar definir – e mascarar – a faixa etária dos adultos que envelhecem ou já são idosos ou velhos. Aqueles que a sociedade, em geral, trata com certo desprezo e impaciência.

Só que nenhuma delas define bem essa fase da vida que, para uns, pode ser o auge da felicidade – um momento para desfrutar e só fazer o que dá prazer; trabalho com propósito também está incluído aqui – e para a maioria é sinônimo de crise, de dificuldades, de um lugar sem saída.

Envelhecer bem e de forma saudável é o que todo mundo quer. Mas, como em tudo na vida, exige dedicação, repertório, interesse, curiosidade, escolhas assertivas e muito ânimo, muito entusiasmo. E fazer junto. Antes e durante o processo.

Nessa época da vida, é legítimo desacelerar. Mas é possível seguir também realizando projetos, compartilhar expertises, descobrir novos talentos ou numa nova profissão, colaborar com causas… Em resumo: dá pra viver esse momento de um jeito mais criativo, produtivo, leve e divertido. Atuar e não deixar simplesmente o tempo passar. Mas há algo que é essencial aqui: boa companhia. De um amor, da família, de amigos e de gente animada e inspiradora.

Por tudo isso – e pela inquietude que lhes é peculiar – é que o arquiteto José Bueno (56) e o publicitário Mauro Sato (60) criaram a RODA 5070, movimento que será lançado em dois encontros, neste fim de semana: um em Belo Horizonte (18), na Amadoria, e outro em São Paulo (19), no Dojo Harmonia. Para participar, basta fazer sua inscrição neste link. O valor varia de acordo com a idade ou a disponibilidade: R$ 50 a R$ 70.

Quando Zé me contou sobre o projeto, vibrei. Sei que existem vários outros – que bom! – abrindo espaços e caminhos, mas conheço este moço desde que criou o Rios e Ruas com Luiz Campos Jr., e sei, também, que, quando ele tá junto, só pode vir coisa boa, inovadora, energética, desbravadora, disruptiva.

“A RODA 5070 não é grupo de auto-ajuda, não é terapia de grupo, nem baile da terceira idade. Não é debate, aula sobre envelhecimento, nem sessão de aconselhamento. É um encontro leve, criativo, potente, pra nos fortalecermos”, explica Zé. “As questões, as decisões e as soluções para uma melhor qualidade de vida nesse momento passam não só pelas escolhas pessoais que cada um de nós faz, mas pelo pensamento coletivo, pelo entendimento de como outras pessoas vivem esse momento”.

A ideia da dupla é gerar oportunidades, aproximar homens e mulheres entre 50 e 70 anos pra que possam trocar experiências, histórias, sonhos, expectativas, angústias, tudo. E Zé acrescenta: “Este é um público muito diverso. A gente sabe que tem pessoas que estão muito bem, tem pessoas que estão em crise e tem pessoas que estão sofrendo por questões de trabalho, de dinheiro, de relação amorosa, de significado de vida. Então, esta é a chance de podermos nos reunir e descobrir a identidade coletiva deste momento. Vai ser muito especial!”.

Quando pesquisei uma imagem para ilustrar este post, tive grande dificuldade de encontrar o que buscava. Dependendo da palavra que eu indicava, as imagens apresentavam pessoas muito idosas, acima dos 80 anos, adultos na faixa dos 40 ou mais jovens. Me pareceu que, nos sites de imagens, as pessoas entre 50 e 70 são invisíveis. Por isso também, é tão bom ver um movimento como este nascendo, assim, tão animado.

A RODA 5070 é um movimento desbravador. Algo que abrirá caminho não só para quem está nessa idade, mas também para aqueles que estão rumo a ela. Será um legado para o futuro de pessoas que estão chegando aos 50, de outras gerações, da minha filha. Rumo ao futuro sobre o qual comentou, um dia, o cineasta Woody Allen: Interessa-me o futuro porque é o lugar onde vou passar o resto da minha vida. Zé e Mauro escolheram essa frase quase como um slogan para o lançamento da RODA.

Eu já faço parte da RODA 5070 e quero vê-la girar intensamente porque é assim que vivo cada dia. Quero ouvir histórias e quero contar as minhas. Vai ser lindo! Depois eu conto tudo aqui.

Foto: Greekfood/Tamistyka, Pixabay

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta