Revelado como chegou à América do Sul ancestral da baleia, que tinha quatro patas e andava na terra

Revelado como chegou à América do Sul ancestral da baleia, que tinha quatro patas e andava na terra

Em 2011, paleontologistas descobriram um esqueleto de uma baleia, em Playa Media Luna, na Bacia de Pisco, na costa sul do Peru. Mas não era qualquer baleia. Ela teria vivido a cerca de 42,6 milhões de anos atrás. O mais surpreendente, entretanto, na Peregocetus pacificus eram suas características físicas. Ela possuia quatro patas, dedos palmados (unidos por uma membrana ou tecido cartilaginoso), com pequenos cascos nas extremidades. Além disso, tinha dentes afiados.

O esqueleto da baleia peruana, um cetáceo quadrúpede, é o mais completo encontrado até então fora da região entre Índia e Paquistão, onde até então, foram achados os mais antigos fósseis. O nome Peregocetus pacificus vem do latim – pereger (viajar para o exterior), cetus (baleia) e pacificus para o Oceano Pacífico: a baleia viajante que alcançou o Oceano Pacífico.

Trabalho de coleta das partes do esqueleto da baleia, em 2011

Quase oito anos após o impressionante achado, no começo deste mês, cientistas publicaram um artigo científico na Current Biology. Nele, eles descrevem como era a mobilidade dessa baleia ‘anfíbia’ (já que ela vivia na água e na terra) e como ela teria chegado até o Oceano Pacífico, na costa do Peru.

A evolução das baleias

O que sabe-se hoje é que os cetáceos originaram-se no sul da Ásia há mais de 50 milhões de anos, a partir de um pequeno ancestral artiodátilo quadrúpede (mamíferos com número par de dedos nas patas).

Ilustração do esqueleto da baleia quadrúpede achada no Peru

Os pesquisadores explicam que as baleias anfíbias progressivamente se dispersaram para o oeste, ao longo do norte da África, e chegaram à América do Norte, antes de 41,2 milhões de anos.

Segundo o artigo, no entanto, evidências fósseis sobre quando, através de qual caminho e sob quais habilidades de locomoção essas primeiras baleias chegaram ao chamado Novo Mundo eram, até então, fragmentárias e controversas.

Mas agora, eles acreditam que descobriram qual foi o percurso percorrido por esses animais. Eles teriam cruzado o Oceano Atlântico, vindos da África, nadando até a América do Sul, e só depois, partido para a América do Norte. Na época, os cientistas ressaltam, a distância entre os continente africano e o americano era bem menor, praticamente a metade do que é atualmente.

A baleia peruana

A baleia peruana tinha quase 4 metros de comprimento e parecia mais como uma lontra ou um ornitorrinco. Os paleontologistas acreditam que seu rabo a ajudava muito a nadar.

“A pélvis firmemente presa ao sacro, uma fossa de inserção para o ligamento redondo no fêmur e a retenção de pequenos cascos com uma ponta anteroventral plana nos dedos das mãos e dos pés indicam que Peregocetus ainda era capaz de se levantar e até andar em terra”, afirmam os pesquisadores.

“Essa espécie achada no sudeste do Pacífico demonstra que as baleias quadrúpedes cruzaram o Atlântico Sul e quase alcançaram uma distribuição circum-equatorial com uma combinação de habilidades de locomoção terrestre e aquática, menos de 10 milhões de anos após sua origem, e provavelmente antes de uma dispersão norte em direção ao latitudes nortes americanas”, explicam no artigo.

Ilustração: Alberto Gennari (abertura) e demais divulgação

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta