Proposta de licenciamento ambiental a ser votada em Brasília aumentará a destruição das florestas no país

Proposta de licenciamento ambiental em debate em Brasília vai aumentar a destruição das florestas no país

Após prometer que buscaria um consenso entre ambientalistas e ruralistas para o projeto de licenciamento ambiental, o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) optou pela destruição do meio ambiente.

Sua proposta transforma o licenciamento em um mero instrumento burocrático, enfraquecendo a proteção ambiental, reduzindo a participação das populações impactadas e trazendo insegurança jurídica para os próprios empreendedores.

Segundo Marcio Astrini, Coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace Brasil, “a proposta é absurda e praticamente acaba com o sistema de licenciamento. Pior, é apresentada ao mesmo tempo em que temos um aumento escandaloso do desmatamento. Parece que o relator nomeado por Rodrigo Maia está achando pouco toda a destruição ambiental que o governo Bolsonaro está promovendo no país”.

Em resposta, 84 organizações da sociedade civil, entre elas o Greenpeace, assinaram uma nota de repúdio à proposta apresentada pelo deputado. Leia a nota aqui.

A proposta é também criticada pela comunidade científica. Em nota, a Coalizão Ciência e Sociedade, que reúne mais de 60 pesquisadores de todo o país, ressalta que há “pontos no projeto que, se aprovados, comprometerão frontalmente a conservação de um ambiente saudável para a população brasileira presente e futura”.

*Texto publicado originalmente em 13/08/2019 no site do Greenpeace Brasil

Leia também:
Desmatamento na Amazônia sobe 50% em 2019 e explode em julho, indicam alertas do Inpe
Alemanha suspende financiamento de R$ 155 milhões a projetos de preservação na Amazônia
Em 70 dias, Inpe emitiu mais de 20 alertas e, mesmo assim, 32 km de floresta amazônica foram devastados

Foto: © Marizilda Cruppe/Greenpeace

Greenpeace Brasil

O Greenpeace Brasil faz parte da organização não-governamental internacional, sem fins lucrativos, com mais de 30 anos de luta pacífica em defesa do meio ambiente. Atua no Brasil desde 1992 (Eco92) e em 30 países por meio de ativismo e de protestos pelo meio ambiente

Deixe uma resposta