Projeto Horta na Laje estimula cultivo de hortaliças e alimentação saudável em Paraisópolis

Projeto Horta na Laje estimula cultivo de hortaliças e alimentação saudável em Paraisópolis

Basta uma semente ou muda e um pouquinho de terra, água e sol para produzir alimentos de forma sustentável e natural. Tendo em isto em mente, qualquer um pode se aventurar a descobrir o prazer de lidar com a horta e consequentemente, ter uma alimentação mais rica e balanceada.

Foi pensando nisso que o Instituto Stop Hunger, em parceria com a  Associação das Mulheres de Paraisópolis, do Instituto Escola do Povo e da associação de moradores e comerciantes locais, lançou o projeto Horta na Laje, na maior favela da capital paulista, que tem hoje cerca de 120 mil habitantes.

A horta comunitária foi instalada na sede da União dos Moradores de Paraisópolis, mas o objetivo principal do projeto é dar treinamento para jovens e mulheres em técnicas de plantio no vaso, para que eles possam reproduzí-las nas lajes de suas casas. Com o cultivo, será possível garantir um aumento da renda familiar e estimular o empoderamento feminino, já que atualmente, aproximadamente 50% dos moradores da comunidade são mulheres.

“O projeto nasceu para estimular,através da educação ambiental, a criação de pequenos espaços verdes dentro das lajes e das casas na comunidade, que podem ser utilizados para  produzir alimentos mais saudáveis e criar espaços de interação e lazer para as famílias”, afirma Gilson Rodrigues, presidente do Instituto Escola do Povo.

A horta comunitária na laje da associação dos moradores

“Mais do que trabalhar no combate à fome e à má nutrição, o projeto pretende dar a oportunidade para que estas pessoas desenvolvam habilidades para plantar, cuidar e semear horta em vaso e/ou em espaços adaptados, a fim de que tenham acesso à alimentos mais saudáveis para consumo próprio e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida”, destaca Fernando Cosenza, presidente do Instituto STOP Hunger.

O projeto Horta na Laje é uma extensão de Programa Hortaliças, criado pela Stop Hunger, juntamente com a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), em Jaboticabal e Botucatu. Na iniciativa pioneira, estudantes do curso de Agronomia cuidam de hortas em troca de bolsas de estudo. Por ano, são produzidas mais de 48 toneladas de alimentos nas duas hortas, que são doadas à 16 organizações beneficientes dessas regiões.

O Instituto Stop Hunger é uma entidade criada pelos colaboradores da empresa francesa Sodexo. Com atuação em diversos países, ele está presente no Brasil desde 2003, mas somente em 2015 com uma sede. Através de ações com voluntários, busca combater a fome e a má nutrição no mundo.

Estima-se que, globalmente, uma em cada três pessoas sofra algum tipo de subnutrição. Muitas vezes, o problema não é provocado por falta de alimentos, mas a escolha errada na hora de compor o prato.

Infelizmente, nas últimas décadas, houve uma mudança no padrão de consumo de alimentos no Brasil e deixou-se de valorizar o tão tradicional – e saudável, balanceado e nutritivo – cardápio do país, composto por arroz, feijão, salada, verduras e carne. Com a queda do preço de alimentos industrializados e aqueles comercializados por cadeias de fast food, o brasileiro começou a comer mais gorduras, refrigerantes e doces. O resultado disso é o aumento da obesidade da população e da incidência de doenças relacionadas ao sobrepeso.

Leia também:
Reino Unido anuncia imposto sobre açúcar para indústria de bebidas
Proibida publicidade que interfira na amamentação infantil
Coca-Cola, Pepsi e Ambev não venderão mais refrigerantes em escolas infantis
Será que a carne do hamburguer que você está comendo tem antibióticos?
Alimentação saudável na adolescência 

Fotos: domínio público (abertura) e divulgação Instituto Stop Hunger

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta