Projeto de inclusão social transforma lonas usadas nas Olimpíadas em bolsas cheias de estilo

Reaproveitamento de resíduos e inclusão social. Como uma dupla destas é impossível não nascer um trabalho lindo, certo? E foi isso que aconteceu com mais de 3 mil m2 de lonas de vinil utilizadas em palcos, totens, containers de informações e outros itens de mobiliário urbano e sinalização no Boulevard Olímpico, no Rio de Janeiro, durante os jogos do ano passado. Todo este material, que teria como destino certo o lixo, foi transformado em 1 mil bolsas pelas costureiras da TemQuemQueira.

Em cada um dos modelos produzidos há uma etiqueta, como a que aparece na bolsa na imagem que abre este post. Nela é contada a história de uma das costureiras ou costureiros que trabalha na organização e tiveram sua vida mudada por ela.

A ONG carioca nasceu em 2008, fazendo um trabalho de capacitação de detentos na Penitenciária Vieira Ferreira Neto, em Niterói. Com o passar do tempo e o sucesso do projeto, fundado por Adriana Gryner, a TemQuemQueira foi alçando voos mais altos. Atualmente são três oficinas – uma segunda no centro do Rio e outra no Morro do Turano -, que juntas produzem, em média, 3 mil peças por mês, retirando de circulação mais de 4 mil m2 de lonas e empregando cerca de 40 funcionários: detentos nos regimes aberto, semiaberto e liberdade assistida, além de pessoas que já conquistaram a liberdade e precisam retomar suas vidas.

“De um lado temos um material altamente tóxico, sem política de descarte, que iria para um lixão ou para os rios. De outro lado, cidadãos que buscam uma oportunidade de recomeçar, de ter uma vida virtuosa que lhes resgate a auto estima e a autonomia produtiva”, diz Adriana. “A TemQuemQueira é a liga que une estas duas necessidades, gerando renda e emprego para estas pessoas, ensinando-as a transformar este resíduo em peças lindas, resistentes e desejáveis”.

Todos os produtos da TemQuemQueira são produzidos com lonas descartadas

A ideia para a iniciativa surgiu no começo dos anos 2000. “Na nossa agência de comunicação, começamos a pensar de que forma poderíamos minimizar a quantidade de resíduos que gerávamos com os eventos que produzíamos. De dentro de uma sala na agência criamos uma ONG, depois saímos de lá e alçamos voo”, relembra.

Além de bolsas, a TemQuemQueira fabrica outros produtos com as lonas de vinil. Tem uma Linha de Casa, por exemplo, com cachepôs (na imagem abaixo), jogos americanos, porta-garrafas e lixeiras de carro. Outros itens produzidos são porta-documentos, estojos, sacolas. O que não falta para as designers da ONG é criatividade!

Projeto de inclusão social transforma lonas usadas nas Olimpíadas em bolsas cheias de estilo

Ao longo dos últimos anos, o negócio social carioca já recebeu diversos prêmios pelo trabalho socioambiental que vem realizando.

Além das vendas online, a TemQuemQueira comercializa seus produtos na loja do Museu do Amanhã e recebe encomendas especiais de clientes corporativos.

Trabalho lindo, que merece ser divulgado e conhecido por todos!


Fotos: divulgação TemQuemQueira

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta