Prefeitura de BH começa a distribuir joaninhas para controle de pragas em hortas e jardins

Prefeitura de BH começa a distribuir joaninhas para controle de pragas em hortas e jardins

Coloridas e delicadas, as joaninhas são mais do que “insetos fofos”. Assim como outras espécies da natureza, elas prestam um importante serviço ambiental, que pouca gente sabe: elas fazem o combate biológico em hortas e jardins, ou seja, elas comem pragas e parasitas, como pulgões e cochonilhas, por exemplo.

Com a disseminação do uso de pesticidas, herbicidas e inseticidas no passado, muita gente deixou de usar esses aliados naturais. Mas nos últimos tempos, os efeitos nocivos da utilização de agrotóxicos começaram a ficar mais evidentes e conhecidos, com comprovação científica, inclusive (leia mais aqui).

Em Belo Horizonte, a prefeitura quer estimular o combate biológico entre aqueles que cultivam plantas e hortaliças em casa.

Em uma biofábrica no Parque das Mangabeiras estão sendo ‘produzidas’ joaninhas e crisopídios (outros tipos de insetos que fazem o controle de pragas).

Numa fase de testes, no ano passado, as joaninhas foram distribuídas gratuitamente em  hortas comunitárias e projetos de agricultura urbana na capital mineira.

Agora, começará a doação para os moradores da cidade, interessados em utilizar os insetos para combater pragas em seus jardins e hortas.

Cada ‘kit joaninha’ contem dez larvas do inseto. “O inseto adulto se alimenta menos e também pode voar, portanto, entregar as joaninhas na fase larval foi a melhor opção para um controle de pragas mais eficaz, já que é nesta fase que ela se alimenta mais para se desenvolver”, explicou Dany Amaral, gerente de Ações para Sustentabilidade da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em entrevista ao jornal Hoje Em Dia.

Junto com as larvas, também vão algumas sementes, que servem como alimento. “São sementes de plantas atrativas para elas, porque além de comer pulgões e outros insetos, elas também gostam de pólen e néctar. É como se fosse uma vitamina”, diz. 

A distribuição dos kits é feita pela Secretaria de Meio Ambiente, mediante cadastro e disponibilidade de insetos.

Quem quiser receber, deve mandar um e-mail para [email protected] Após o envio, o interessado recebe um formulário para preencher com informações sobre o tamanho da sua horta ou jardim e explica qual é o problema.

Baseada nessas informações, a secretaria decidirá quantos insetos são necessários para cada caso. O prazo para a disponibilização do kit, que deve ser retirado no lugar a ser definido, varia entre 10 e 30 dias.

Pragas: exterminando o inimigo de maneira natural

Como explicou a paisagista e educadora ambiental Liliana Alodi, neste outro post, no blog Mãos à Horta, as pragas existem e competem conosco pela sobrevivência. Cada qual com seu universo, insetos, ácaros, fungos, vermes, anfíbios, aracnídeos ou moluscos.

Dependendo do lugar onde você vive, podem ser de tipos diversos ou muito específicas. Muitas vezes não as vemos diretamente, mas acabam deixando marcas que se caracterizam e nos ajudam a descobrir o que está acontecendo com nossas plantas.

Para controlar é necessário compreender o mecanismo de vida destas pragas: olhar, estudar, experimentar.

O fato é que limpeza e ordem funcionam muito bem, e em geral, quando a praga persiste é sinal de desequilíbrio no jardim. Falta de sol e excesso de água trazem fungos. Falta de adubo ou terra pobre favorecem a presença de insetos.

Além do uso de insetos, veja aqui quais são as outras dicas que a Liliana dá para fazer o controle biológico no seu jardim!

*Com informações da Prefeitura de Belo Horizonte

Leia também:
Simples armadilhas para capturar os visitantes indesejados
Roseiras: um desafio recompensador!
‘Armagedon ecológico’: grande declínio de insetos voadores coloca humanidade em risco
Sol e água na medida certa

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta