#precisamosfalardoassédio: esta semana e sempre

#precisamosfalardoassédio

Esta semana marca a celebração no mundo inteiro do Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março. Entre as várias ações e iniciativas realizadas no Brasil, está a campanha #precisamosfalardoassédio.

Desde a última segunda-feira (07/03), uma van-estúdio está parada em pontos de São Paulo para que mulheres possam gravar testemunhos de abusos que já sofreram. Os depoimentos podem ser sobre qualquer tipo de assédio: cantadas grosseiras nas ruas, constrangimento moral dentro de casa ou no ambiente de trabalho, além da violência sexual.

Mais recentemente, o tema “assédio contra as mulheres” tem sido muito debatido, sobretudo nas redes sociais. Falamos aqui no Conexão Planeta, em novembro, da campanha #meuamigosecreto, que denunciava o machismo e a discriminação contra as mulheres. A intenção dos idealizadores desta nova iniciativa, em SP, é que o assunto saia do mundo digital e ganhe mais repercussão na vida real.

De acordo com dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública de São Paulo, a violência contra a mulher aumentou nos últimos anos. Entre 2014 e 2015, houve crescimento de 50% nas denúncias de maus tratos e 33% nas tentativas de estupro. As denúncias sobre estupros consumados são 8% maiores.

Não se sabe, entretanto, se foi a violência que aumentou ou se elas é que tomaram coragem para denunciar. Apesar de toda violência que sofrem, muitas mulheres são intimidadas pelos agressores ou então, se sentem envergonhadas em falar sobre o assédio.

Na van-estúdio, que está circulando por São Paulo, as mulheres podem gravar seus depoimentos sozinhas, para se sentirem mais à vontade. Caso prefiram, podem ter a voz distorcida, para não ser reconhecida, e usar uma máscara. A artista Juliana Souza criou quatro opções: vermelha, simbolizando a raiva, amarela para o medo, roxa para a vergonha e azul para a tristeza.

mulher gravando depoimento para a campanha #precisamosfalardoassedio
Mulheres gravam depoimentos sobre histórias de assédio 

Para aquelas que desejarem, após contarem sua história, há uma representante da Secretaria de Políticas para as Mulheres, pronta para oferecer orientação e encaminhamento, caso alguém queira fazer uma denúncia formal.

Todos os depoimentos serão gravados e transformados em um vídeo, que será exibido pela cidade e também no site do #precisamosfalardoassedio. A ideia é levar estas histórias para o maior número de pessoas possíveis e estimular, mais e mais mulheres a falarem sobre o assédio, pois esta é a única maneira de acabar com a prática vergonhosa e criminosa, que ainda acontece nos dias de hoje.

van da campanha #precisamosfalardoassedio

A única maneira de acabar com o assédio é denunciando o agressor

A van-estúdio do #precisamosfalardoassedio ficará nas ruas da capital paulista até sexta-feira (11/03). Confira abaixo os locais e horários onde o projeto acontece:

Cidade Tiradentes
quarta, 09/03
das 9h às 19h
Terminal de ônibus Cidade Tiradentes, na avenida Naylor de Oliveira

Móoca
quinta, 10/03
das 11h às 21h
Rua Dr. Almeida Lima, 1134

Avenida Paulista
sexta, 11/03
das 11h30 às 21h3-
Avenida Paulista, 2067, em frente ao Shopping Center 3

Leia também:
O que você quer no Dia Internacional da Mulher?
#ViajoSozinha: pelo fim da violência, discriminação e desrespeito às mulheres
Vidas refugiadas: exposição fotográfica retrata cotidiano de mulheres de diversas nacionalidades
#OrangeTheWorld: mundo se ilumina de laranja pelo fim da violência contra as mulheres

Imagens: reprodução e Rovena Rosa/Agência Brasil (van e depoimento)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta