Praia paradisíaca de filme de Leonardo DiCaprio é fechada ao turismo na Tailândia

praia onde foi filmado "A Praia", com Leonardo DiCaprio

*Atualizado em 08/10/2018

É na baía de Maya, na ilha de Koh Phi Phi Leh, na Tailândia, onde acontece a parte mais importante do filme “A Praia”, estrelado pelo ator Leonardo DiCaprio, em 2000. O lugar mítico e paradisíaco acaba se tornando palco para uma aventura cheia de mistério e tensão para o então jovem mochileiro.

Por causa da beleza da baía, divulgada ao mundo inteiro através do filme, milhões de turistas viajavam até ali por ano. Eram cerca de 200 barcos aportando no local diariamente e deixando ali 120 mil turistas por mês – quase 1,5 milhão de pessoas por ano.

Pois este número assombroso e insustentável de turistas teve um impacto profundo na baía de Maya. Os recifes de corais foram destruídos e a vida marinha afetada.

Agora, para recuperar os corais e trazer de volta a biodiversidade da ilha, o governo tailandês anunciou o fechamento da baía durante quatro meses por ano, entre junho e setembro. A decisão do Departamento de Parques Nacionais e Vida Selvagem afirma que com a nova medida conseguirá ajudar no processo de reabilitação do local.

“É como se alguém trabalhasse há décadas e nunca tivesse tirado férias”, compara o cientista marinho Thon Thamrongnawasawat. “Cansada e superutilizada, toda a beleza da praia foi embora. Precisamos agora de um tempo”, explicou em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

O pesquisador acredita que ainda há tempo de salvar o lugar. Mas se nada tivesse sido feito agora, a baía de Maya estaria com seus dias de paraíso contados.

A grande maioria dos parques marinhos nacionais da Tailândia são fechados ao acesso público entre os meses de maio e outubro, todavia, por causa da demanda, a praia onde Leonardo DiCaprio protagonizou “A Praia” recebia turistas, ininterruptamente, o ano todo.

Quando for reaberta, Maya terá um limite de 2 mil pessoas por dia e os barcos ficarão proibidos de atracar na praia. As embarcações terão que ancorar em piers flutuantes, instalados numa área mais distante.

Turismo insustentável danificou os corais da Baía de Maya

Nas últimas décadas, a Tailândia teve um crescimento gigantesco no turismo do país. De 10 milhões de pessoas em 2000, passou para 35 milhões em 2017.

Por este motivo, a baía de Maya não é o primeiro local que o governo decide fechar as portas para os turistas. As ilhas de Koh Yoong e Koh Tachai também foram degradadas pelo impacto da atividades e devido a isso, desde 2016, têm seu acesso proibido.

*Com informações do jornal The Guardian

_________________________________________________________________________________________

*Após o fechamento da baía durante quatro meses, o governo tailandês acaba de anunciar que a medida continuará em vigor indefinidamente. Devido à extensão da  destruição dos corais e da vida marinha no local, seu acesso ficará proibido por pelo menos, mais um ano. Segundo o Departamento de Parques Nacionais da Tailândia, a medida só será suspensa “quando o ecossistema conseguir se recuperar plenamente”. Até o momento, mais de 1 mil corais foram plantados na baía.

Fotos: divulgação 20th Century Fox e domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta