“Povos indígenas nunca estiveram tão ameaçados como agora”, alerta o papa, em visita ao Peru

Papa Francisco

Em seu último dia de visita à América do Sul, em que esteve no Chile e no Peru, o Chefe da Igreja Católica falou para índios do povoado de Puerto Maldonado, em plena Amazônia. Primeiramente, o Papa Francisco ouviu o relato dos líderes de tribos de diversas etnias, que levaram até o encontro, milhares de indígenas. Eles falaram sobre as ameaças que sofrem diante da exploração da Floresta Amazônica.

Mineradoras, madeireiras e empresas de gás e petróleo provocam desmatamento, invadindo seus territórios, e deixam em risco a sobrevivência desses povos. Logo após, Francisco fez seu discurso e afirmou que “Os povos indígenas nunca estiveram tão ameaçados em seus territórios como agora”. E foi além. “Devemos romper com o paradigma histórico que vê a Amazônia como uma fonte inesgotável (de recursos naturais) para outros países sem levar em conta seus habitantes”.

O papa foi enfático ao acusar a “ganância consumista das grandes corporações” e contra a qual precisamos lutar para que não destruía o habitat natural e vital do planeta. O pontífice destacou, ainda, a importância das tradições culturais dos povos indígenas, também ameaçadas pelo capitalismo sem escrúpulos. Ele criticou a exploração de ouro na região e citou o “trabalho escravo e o abuso sexual de jovens e mulheres”.

Francisco é um dos papas que mais tem lutado pela abertura e modernização da Igreja Católica. Ativista engajado, em seus discursos, frequentemente fala sobre a importância da conservação e proteção do planeta e sobre a luta contra as mudanças climáticas. Em junho de 2015, em sua encíclica sobre o meio ambiente, ele denunciou, de forma veemente, a exploração dos pobres e o desperdício dos recursos naturais.

Mais recentemente, em dezembro, o papa falou, em seu sermão de Natal, sobre “os ventos de guerra que sopram sobre nosso mundo e que temos um modelo de desenvolvimento ultrapassado que continua a produzir um declínio humanitário, social e ambiental” (leia mais neste post). 

Entretanto, a viagem do Sumo Pontífice aos países latinoamericanos teve um saldo negativo. No Chile, houve protestos contra um bispo que teria acobertado denúncias de pedofilia em relação a um padre. Havia expectativa que o papa tocasse no assunto, mas Francisco apenas pediu desculpas às vítimas de assédio sexual, mas defendeu o bispo. Segundo ele, é preciso de provas para condenar os acusados.

Leia também:
Papa Francisco adere ao carro elétrico
Vaticano ganha imagens das riquezas do planeta em alerta às mudanças climáticas
Papa Francisco cria dia de oração pelo meio ambiente
Papa nomeia mulher para a diretoria de comunicação do Vaticano

 

Foto: divulgação Vatican News/Reuters

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta