Por que precisamos ter um “Dia Internacional das Meninas?”

Por que precisamos ter um “Dia Internacional das Meninas?”

Em 2012, as Nações Unidas estabeleceram que em 11 de outubro seria comemorado o Dia Internacional das Meninas. Confesso, que eu mesma, quando vi a data pela primeira vez no ano passado, questionei a necessidade de incluir mais uma celebração no calendário.

Todavia, depois de escrever sobre o assunto e fazer diversas pesquisas, vi que sim, infelizmente, é preciso ter um dia para chamar a atenção do mundo sobre as condições em que milhões de jovens mulheres e meninas ainda vivem e a violência e a discriminação que enfrentam.

Há 1,1 bilhão de meninas e adolescentes no mundo e elas devem ter seus direitos assegurados e oportunidades iguais aos dos meninos e jovens do sexo masculino da mesma idade para que tenham um futuro digno, seguro e promissor.

Mas ainda estamos bem longe desta realidade. Resolvi então, fazer uma lista de razões para convencer a todos da importância do Dia Internacional das Meninas:

– a cada 10 minutos, uma menina morre, em algum lugar do planeta, vítima de violência;
– mais de 60 milhões de meninas não têm acesso à educação no mundo;
– 750 milhões de meninas e mulheres foram obrigadas a casar antes dos 18 anos;
– 133 milhões de mulheres e garotas tiveram seus órgãos genitais mutilados em países da África e Oriente Médio, onde esta prática bárbara ainda acontece;
– a maioria das meninas que sofreu mutilação genital tinha menos de 10 anos;
– 90% de meninas e adolescentes vivendo em países em conflito estão fora das escolas;
– somente 52 países declararam o estupro dentro do casamento como crime, isso quer dizer, que 2,6 bilhões de mulheres e meninas estão sujeitas a ele;
– em alguns países, 1/3 de adolescentes do sexo feminino disse que suas primeiras experiências sexuais foram forçadas;
– 37,7% das meninas brasileiras acham que, na prática, meninas e meninos não têm os mesmos direitos

Este ano, o tema da campanha da ONU Mulheres para o Dia das Meninas é “EmPOWER girls: Before, during and after conflict“. O objetivo é alertar sobre como jovens mulheres se tornam mais vulneráveis em áreas de conflitos e acabam sofrendo mais violência, assédio sexual, estupros, preconceito e discriminação.

Somente investindo e protegendo estas garotas – durante e após guerras e crises -, é que será possível reconstruir estas sociedades e assegurar um futuro melhor para todos.

Como disse a Nobel da Paz, Malala Yousafzai, a jovem paquistanesa que levou um tiro do Talibã por defender o direito à educação das meninas, “Não podemos ir adiante e ser bem sucedidos, quando metade de nós é deixado para trás”.

Leia também:
Blog Mulheres pelo Mundo
#ViajoSozinha: pelo fim da violência, discriminação e desrespeito às mulheres
O que você quer no Dia Internacional da Mulher?
Vidas refugiadas: exposição fotográfica retrata cotidiano de mulheres de diversas nacionalidades

Foto: United Nations Photo/Creative Commons/Flickr

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Um comentário em “Por que precisamos ter um “Dia Internacional das Meninas?”

  • 12 de outubro de 2017 em 2:59 PM
    Permalink

    Neste dia, “Dia Internacional das Meninas”, queremos respeito.

    Resposta

Deixe uma resposta