Por causa do inverno mais quente, ursos estão hibernando menos e quando acordam, não encontram alimentos

Um inverno com menos frio, dias mais quentes e menos tempestades de neve. Parece ótimo, não? Todo mundo feliz e sem ter do que reclamar. Será mesmo? Essas alterações no clima podem até ser “boas” para os humanos, mas definitivamente não para os animais. Sobretudo, para os ursos.

Relatos vindo de países como Rússia, Finlândia e Estados Unidos revelam que os ursos estão saindo mais cedo de seu período de hibernação devido às temperaturas atípicas desse inverno. Alguns animais já tinham sido vistos circulando por florestas em fevereiro.

Segundo dados do Copernicus Climate Change Service, os termômetros europeus indicaram temperaturas 3,1oC acima da média registrada para o mês de janeiro, no continente, entre os anos de 1981 e 2010, conforme mostramos neste outro post.

Em geral, os ursos machos e grandes só acordam da hibernação em meados de março. Já os de porte menor, fêmeas e filhotes só acordarão de seu “sono” do inverno no final de abril e início de maio.

É por esta razão que biólogos estão preocupados com a atividade antes da hora dos ursos. Eles podem estar despertos mais cedo, mas ainda não há alimentos em abundância nas florestas. Esses animais são onívoros, ou seja, comem carne e plantas. E em fevereiro e março, ainda estamos longe do início da primavera.

Com fome, os ursos vão buscar alimentos em lugares mais distantes e podem entrar em conflito com seres humanos.

Quando os ursos despertam da hibernação ficam lentos e, portanto, procuram comida que esteja prontamente disponível. Quando a primavera começa, com o derretimento da neve, eles buscam carcaças de bisões e alces, que morreram naturalmente durante o inverno. Eles conseguem farejá-las e se tornam uma ótima refeição.

Quando a estação das flores finalmente está em seu pico, ursos se fartam com raízes e frutas vermelhas.

Será que os ursos realmente hibernam?

Biólogos explicam que, apesar de comumente dizermos que os ursos hibernam, na verdade, eles passam por um processo de torpor. Há uma diferença entre os dois estados.

Ao longo dos séculos, os animais desenvolveram diferentes estratégias para poder sobreviver ao frio do inverno e à falta de água e alimentos. Algumas espécies migram para regiões mais quentes, outras ficam com a pelagem mais grossa. E há ainda aqueles que dormem por longos meses, como os ursos.

Mas especialistas explicam que ao contrário da hibernação, no torpor, durante o dia, os animais mantem em níveis normais a temperatura de seu corpo, os batimentos cardíacos e a respiração.

A grande diferença entre o torpor e a hibernação seria que o primeiro garante que o animal consegue reagir rapidamente em uma situação de perigo. Espécies de grande porte, como os ursos tendem a entrar em torpor, e de tamanhos menores, como marmotas e veados, realmente hibernam.

As marmotas passam longos meses dormindo para sobreviver
ao frio e a escassez de comida

*Fonte sobre o processo de hibernação: National Forests Foundation e demais informações The Guardian

Leia também:
Qual a relação entre o calorão na Antártica e as tempestades no Sudeste?
Número de pinguins na Antártica cai quase 60%
Iceberg com mais de 300 km² – quase o tamanho de Belo Horizonte – se solta da Antártica

Fotos: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta