Número de borboletas-monarca deve quadruplicar no Hemisfério Norte

borboletas-monarca

O resultado dos esforços do trabalho de conservação e reprodução dos pesquisadores voa pelo céu e enche de cores a Reserva de Piedra Herrada, no município de Michoacán, no México. O local é considerado pela Unesco como Reserva da Biosfera das borboletas-monarca (Danaus plexippus). E elas são o motivo de tanta comemoração.

Recentemente os pesquisadores mexicanos anunciaram que este ano a população da espécie deve quadruplicar em relação ao ano passado. “Estimamos que o número de borboletas que chegarão à reserva será três ou quatro vezes maior que a área que elas ocuparam na última estação”, disse Rafael Pacchiano, secretário do Meio Ambiente do México, em coletiva de imprensa.

Anualmente, milhares de borboletas-monarca fogem do frio do Canadá e migram para o clima mais ameno das florestas do México, passando antes pelos Estados Unidos em seu caminho. Elas voam mais de 4 mil quilômetros até chegar, em novembro, na reserva mexicana.

Mas no começo deste século, elas começaram a desaparecer. Entre 2013 e 2014, os cientistas contabilizaram apenas 35 milhões de borboletas na reserva de Piedra Herrada, um número baixo, se comparado ao 1 bilhão de meados dos anos 90. Um dos principais motivos para seu declínio é o uso de pesticidas.

Em 2010, a organização internacional WWF listou a borboleta-monarca como uma das dez espécies do planeta mais ameaçadas.

Para conseguir proteger a mariposa, órgãos ambientais dos Estados Unidos, Canadá e México se uniram. Entre as iniciativas criadas estão o combate ao desmatamento ilegal e o incentivo ao plantio de árvores como pinheiros, cedros, carvalhos e abetos e também asclepias, planta importante para o processo reprodutivo das borboletas-monarca.

Agora o objetivo comum dos três países é chegar ao número de 225 milhões de indivíduos da espécie nos próximos anos. A descoberta de que a borboleta-monarca migrava para o México foi feita em 1975 e desde 2008 a reserva de Piedra Herrada se tornou área de proteção.

A importância das borboletas-monarca

De coloração brilhante, em que predomina o laranja, contornado pelo preto e vários pontos brancos, um indivíduo da espécie não pesa mais do que meia grama.

Por sua rara beleza, é conhecida como a “rainha das borboletas”, daí a denominação monarca.

Ao viajar por mihares de quilômetros no Hemisfério Norte, as borboletas-monarca têm papel vital na polinização da vegetação das regiões por onde passam. Com os sentidos da visão e olfato bem apurados, conseguem rapidamente detectar o néctar das flores.

A espécie também é encontrada em países do Hemisfério Sul, como Austrália, Nova Zelândia e algumas ilhas do Pacífico.

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Número de borboletas-monarca deve quadruplicar no Hemisfério Norte

Deixe uma resposta