Planeta teve a década mais quente da história e 2019 foi segundo ano com mais altas temperaturas

Planeta teve a década mais quente da história e 2019 foi o segundo ano com as mais altas temperaturas

Duas ondas de calor consecutivas na Europa. Incêndios florestais devastadores na Rússia, na Califórnia e na Austrália. O pior ciclone já formado no Índico arrasando Moçambique. Uma rara tempestade tropical na Bahia. Calor insuportável em toda parte. Bem-vindo a 2019, o segundo ano mais quente da história.

Nesta quarta-feira (15), as agências federais americanas Nasa e Noaa e a Organização Meteorológica Mundial confirmaram o recorde, que já havia sido indicado na semana passada pelo serviço europeu Copernicus. Segundo a Nasa, no ano passado a Terra teve temperatura média 0,98oC mais alta do que a média do século 20. A Noaa, que usa uma metodologia ligeiramente distinta, pôs a diferença em 0,95oC – e 1,15oC acima da média pré-industrial.

Em ambos os casos, trata-se do segundo ano mais quente desde o início das medições com termômetros, em 1880. Perde apenas para 2016, e por uma diferença pequena de 0,04o C. A década de 2010 foi a mais quente de todos os tempos – os últimos cinco anos foram todos os mais escaldantes desde o início das medições.

Planeta teve a década mais quente da história e 2019 foi segundo ano com mais altas temperaturas

“Nós entramos no território do aquecimento de mais de 2 graus Farenheit (1oC) e isso dificilmente tem volta”, afirmou ontem a jornalistas o climatologista Gavin Schmidt, diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais, da Nasa. “Isso mostra que o que está acontecendo é persistente, e não uma oscilação devida a algum fenômeno meteorológico: nós sabemos que as tendências de longo prazo estão sendo provocadas pelo aumento nos níveis de gases de efeito estufa na atmosfera”, prosseguiu.

Segundo a Noaa, 2019 foi o 43o ano consecutivo em que as temperaturas ficaram acima da média. Também foi o ano em que os oceanos acumularam mais calor em toda a série histórica (leia mais sobre isso no link ao final deste texto).

O acúmulo de calor nos oceanos tem dois efeitos: ele ajuda a elevar o nível do mar, por expansão térmica (fenômeno análogo ao que ocorre numa chaleira com água quente, em que o nível do líquido aumenta), e também serve de combustível para supertempestades.

O ciclone Idai, que atingiu Moçambique e arrasou a cidade de Beira, em março, e a tempestade tropical Iba, que se formou na costa da Bahia no mesmo mês, são exemplos. Foi a primeira vez desde 2010 que uma tempestade tropical (tormenta da mesma categoria que furacões, tufões e ciclones) se formou no Atlântico Sul. Iba não chegou a ganhar força de furacão – teria sido o segundo registrado no Brasil, após o Catarina, em 2004.

Além de muita água, os eventos extremos de 2019 mandaram também muito calor e fogo para diferentes partes do planeta. A Europa foi assolada por duas ondas de calor, em junho e em julho, causando incêndios na Sibéria e recordes históricos de temperatura em vários lugares – inclusive 42,6oC em Paris.

A Califórnia viveu mais um ano de incêndios graves, que já se tornaram endêmicos. E, desde setembro, a Austrália vive uma seca severa, que causou a catástrofe humanitária e ecológica dos incêndios, que se agravaram na virada do ano.

“Na atual trajetória de emissões, estamos no rumo de um aumento de temperatura de 3oC a 5oC até o fim do século”, disse o finlandês Petteri Taalas, diretor-executivo da OMM.

Pelo Acordo de Paris, a humanidade se comprometeu a limitar o aquecimento abaixo de 2oC e a fazer esforços para limitá-lo em 1,5oC. A própria ONU, porém, já admite que é improvável alcançar este objetivo.

Segundo um relatório lançado em novembro pela ONU Meio Ambiente, para o mundo ter chance de se manter em 1,5oC, seria preciso cortar emissões de gases de efeito estufa em 7,6% ao ano todos os anos daqui até 2030. Nem mesmo o pico global de emissões foi alcançado ainda – que dirá tamanho declínio.

As negociações internacionais sobre a implementação do Acordo de Paris fizeram água no ano passado, com o fracasso da COP25, a conferência do clima do Chile-Madri. Neste ano, na COP26, todos os países foram convidados a submeter novas metas nacionais (NDCs), de forma a aumentar a ambição global. Apenas 108 disseram ter intenções de fazê-lo, e nenhum deles é um grande emissor: junta, essa centena de nações representa apenas 15% das emissões mundiais.

Pior ainda, o negacionismo sobre as mudanças do clima acompanha a ascensão da extrema-direita pelo mundo. Grandes poluidores como os Estados Unidos, a Austrália e o Brasil têm governos negacionistas. Todos os três se empenharam para produzir um fiasco no ano passado em Madri.

*Texto publicado originalmente em 15/01/20 no site do Observatório do Clima

Leia também:
Cientistas previram agravamento dos incêndios florestais na Austrália, há 13 anos
Qual o impacto da crise climática sobre os incêndios da Austrália?
Vídeo impressionante mostra dimensão do impacto dos incêndios no planeta em 2019
Oceanos estão perdendo oxigênio como nunca antes na história

Montagem: reprodução NOAA

Deixe uma resposta