Planeta tem calor recorde em janeiro e Antártica a temperatura mais alta já registrada em sua história

Planeta tem calor recorde em janeiro e Antártica a temperatura mais alta já registrada em sua história

*Atualizado em 14/02/20

2020 começou batendo recordes. Ruins. O primeiro mês do ano foi o mais quente da história da Europa e o janeiro com as temperaturas globais mais altas, superando 2016, outro recorde.

Segundo dados do Copernicus Climate Change Service, os termômetros europeus indicaram temperaturas 3,1oC acima da média registrada para o mês de janeiro, no continente, entre os anos de 1981 e 2010.

O sistema Copernicus analisa dados gerados por computador, usando bilhões de medições de satélites, navios, aeronaves e estações meteorológicas em todo mundo.

Os meteorologistas ressaltam que o calor foi particularmente fora do normal em partes do nordeste da Europa. Em alguns lugares, a temperatura chegou a ficar 6oC acima da média para o mês de janeiro nas últimas três décadas.

E poucos dias depois do serviço europeu anunciar o calor recorde de janeiro, a base argentina Esperanza, situada no extremo norte da Península Antártica, informou que a temperatura local, no dia 7 de fevereiro, bateu os 18,3°C, a maior já observada até hoje, desde 1961.

Após o recorde registrado pelos argentinos, na quinta-feira (09/02), o cientista brasileiro Carlos Schaefer, que faz pesquisas na Ilha Marambio, também na Antártica, se deparou com mais um novo recorde: 20,75oC.

“Esta não é uma temperatura que você associaria normalmente com a Antártida, nem no verão. Isso bate o recorde anterior de 17,5ºC, que foi estabelecido em 2015”, afirmou Clare Nullis, porta-voz da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

De acordo com a entidade, a Península Antártica é a região do planeta que vem apresentando o maior aquecimento e como consequência disso, a maioria de seus glaciares está derretendo.

Vale lembrar que, em janeiro, as agências federais americanas Nasa e Noaa e a Organização Meteorológica Mundial confirmaram que o planeta teve a década mais quente da história e 2019 foi segundo ano com mais altas temperaturas.

Infelizmente, parece que a temperatura da Terra está num caminho sem volta: uma trajetória ascendente, que trará efeitos catastróficos para seus habitantes.

*Com informações do The Washington Post

—————————————————————————–

*Texto atualizado para incluir a informação sobre o novo recorde de temperatura registrado pela base brasileira na Antártica.

Leia também:
Degelo da Antártica atinge nível alarmante: uma aceleração de 280% nas últimas quatro décadas
Segunda maior colônia de pinguins-imperadores do mundo desaparece da Antártica
Expedição revela criaturas desconhecidas das profundezas da Antártica

Foto Krishna/Creative Commons (abertura) e ilustração Climate Reanalyzer

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta